"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Obras de referência da cultura portuguesa

"CANÇÃO A QUATRO GLOSADA"

de ANTÓNIO CARREIRA
Análise de Filipe Mesquita de Oliveira
Tradução: Alexandra Leitão


António Carreira (c.1530-1594?) foi uma figura marcante no âmbito da  produção musical de tecla portuguesa quinhentista. Possuidor de uma formação musical segura, tendo tido como principal professor Bartolomeu Trosylho mestre da capela de D. João III, Carreira viria a ascender à categoria de Cantor da Capela Real. Granjeando fama, quer como compositor, quer como executante, foi-lhe atribuído o cargo de Mestre da Capela Real durante o reinado de D. Sebastião. Mantendo esse cargo também durante  governo do Cardeal D. Henrique e depois com Filipe II de Espanha, Carreira viria a dirigir a reforma da Capela Real no período do monarca espanhol. Esse facto foi lembrado por Pedro Thalesio que deixou na sua Arte de Cantochão(Coimbra, 1618) uma elogiosa referência ao compositor, cuja fama, nesse tempo ainda não se tinha apagado:

«[…] segundo observou (entre outras cousas que excellentemente acentuou e reformou) António Carreira, Mestre dignissimo que foy da Capella Real de Sua Magestade em Lisboa, cuja opinião, como milhor e mais segura, vou d'ordinario seguindo na Instrucção do Presbytero, Diacono, Subdiacono, Moços de Coro, e na mayor parte dos Canto chãos que aqui se acharão appontados, que sam os que me parecerão mais necessarios pera o ornato, e perfeição desta Arte presente, e pera o exercicio, e comodidade de todo Sacerdote e Ministro Ecclesiastico, e tudo conforme se usa geralmente no Officio Romano.» 

À exceção das obras de tecla incluídas no Manuscrito Musical 242 da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, das peças de polifonia vocal dos Manuscritos Musicais 44 e 53 da mesma instituição e 40 e 76-79 da Biblioteca Municipal do Porto, todas as suas restantes composições mencionadas no catálogo da livraria de D. João IV se perderam. Em matéria de tecla, bebendo na fonte de Bermudo, Antonio de Cabezón e Tomás de Sancta Maria, as composições de Carreira encarnam o espírito universalista da Renascença portuguesa. O seu grande mérito reside no facto de ter enriquecido a música de tecla ibérica com um modelo monotemático de tento, desenvolvido a partir das condições naturais inerentes aos instrumentos de tecla. Nesse sentido, preparou o terreno para os futuros tentos monotemáticos de Manuel Rodrigues Coelho e Francisco Correa de Arauxo. O  conhecimento profundo das formas instrumentais europeias do seu tempo fez dele um dos grandes responsáveis pela estruturação, não só do tento monotemático, mas também do «ricercare», figurando por isso, com toda a legitimidade, ao lado de personalidades da craveira de Andrea Gabrieli, Jacques Buus ou Rocco Rodio.

Graças aos trabalhos de pesquisa musicológica levados a cabo por Santiago Kastner, ainda hoje apontado como a maior autoridade mundial em matéria de música antiga ibérica para tecla, sabemos que a Canção a quatro glosada, incluída no MM 242, é com toda a probabilidade da autoria de António Carreira. Nela se revelam algumas das características marcantes do estilo de Carreira: por um lado, o seu gosto pelo cromatismo e pela dissonância, com o choque constante de segundas e sétimas não preparadas, que o levam a superar os preceitos teóricos da «pureza» modal inerente à teoria musical do seu tempo; por outro, a sua escrita virtuosística, demonstrativa do amadurecimento da arte da glosa e da variação.


Gravações disponíveis:
 Iberian Organ Music, Jens Christensen, orgão, Klampenborg, Kontrapunkt, 1990
 Meus olhos vão pelo mar, Concerto Atlântico, Pedro Caldeira Cabral, Lisboa, Luminária Música, 1993
 La Portingaloise: música do tempo dos Descobrimentos, Coro de Câmara de Lisboa, Teresita Gutierrez Marques, Segreis de Lisboa, Manuel Morais, Lisboa, Movieplay Classics, 1994 
 Portugaliae Monumenta Organica II, João Vaz e Rui Paiva, orgão, Lisboa, Polygram, 1995 
 Os mais belos orgãos de Portugal, António Duarte, João Vaz e Rui Paiva, orgão, Lisboa, Movieplay Classics, 1996
 Música maneirista portuguesa: Cancioneiro Musical de Belém, Segreis de Lisboa, Manuel Morais, Lisboa Movieplay, 1998
 Musica portuguesa para tecla: séculos XVI-XVII, Ana Mafalda Castro, cravo, Lisboa, EMI-Classics, 1998 
 António Carreira: tentos & fantasias, João Vaz, orgão, Lisboa, Portugaler, 2002

  



"CANÇÃO A QUATRO GLOSADA" 
by ANTÓNIO CARREIRA

António Carreira (ca 1530-1594?) was an important figure within the world of 16th century Portuguese keyboard music. He received good musical training, having mainly been taught by Bartolomeu Trosylho, chapel master of King D. João III, and Carreira himself was to reach the category of Cantor of the Royal Chapel. Attaining fame both as a composer and as a player, he was given the position of Master of the Royal Chapel during the reign of King D. Sebastião, a position he maintained during the regency of Cardinal D. Henrique and later under Philip II of Spain. He led the reform of the Royal Chapel during the Spanish king’s reign. This fact was recalled by Pedro Thalesio who, in his Arte de Cantochão (Coimbra 1618), praised the composer whose fame at that time had not yet faded:

«[…] as observed (among other things that he did excellently mark and reform) António Carreira, most eminent Master that was of the Royal Chapel of His Majesty in Lisbon, whose opinion, being the best and the safest, I usually follow in the Instructions to the Priest, the Deacon, the Sub-deacon, the Choir boys and in most of the plainsongs that you will find here, which are those that I feel are most necessary for the embellishment and perfection of this Art, and for the exercise and comfort of all Priests and Ecclesiastical Ministers, and all as is usually used in the Roman Office.»

Except for the keyboard works included in Manuscrito Musical 242 of the General Library of Coimbra University, the vocal polyphonic pieces of Manuscritos Musicais 44 and 53 of that same institution and 40 and 76-79 of Porto Municipal Library, all other compositions mentioned in the catalogue of King D. João IV’s library have been lost. Inspired by Bermudo, Antonio de Cabezón and Tomás de Sancta Maria, Carreira’s compositions embody the universalist spirit of the Portuguese Renaissance. His great merit lies in the fact that he enriched Iberian keyboard music with a monothematic model of the tento, developed on the basis of the natural conditions inherent to keyboard instruments. In this regard he prepared the way for future monothematic tentos by Manuel Rodrigues Coelho and Francisco Correa de Arauxo. His profound knowledge of the instrumental European forms of his time made him largely responsible for the structure not only of the monothematic tento but also of the «ricercare», so that he stands with all legitimacy side by side with such eminent personalities as Andrea Gabrieli, Jacques Buus or Rocco Rodio.        

As a result of the musicological research carried out by Santiago Kastner, still noted today as the greatest world authority on ancient Iberian keyboard music, we know that Canção a quatro glosada, included in MM 242, is almost probably by António Carreira. It reveals some of the marked characteristics of Carreira’s style: on the one hand his liking for chromatics and dissonance, with the constant shock of unprepared seconds and sevenths, which led him to overcome the theoretical precepts of modal «purity» inherent to contemporary musical theory; on the other, his virtuoso writing, demonstrating his maturity in the art of interpretation and variation.    

Available recordings:
Iberian Organ Music, Jens Christensen, organ, Klampenborg, Kontrapunkt, 1990
Meus olhos vão pelo mar, Concerto Atlântico, Pedro Caldeira Cabral, Lisbon, Luminária Música, 1993
La Portingaloise: música do tempo dos Descobrimentos, Coro de Câmara de Lisboa, Teresita Gutierrez Marques, Segreis de Lisboa, Manuel Morais, Lisbon, Movieplay Classics, 1994
Portugaliae Monumenta Organica II, João Vaz and Rui Paiva, organ, Lisbon, Polygram, 1995
– Os mais belos orgãos de Portugal, António Duarte, João Vaz and Rui Paiva, organ, Lisbon, Movieplay Classics, 1996
Música maneirista portuguesa: Cancioneiro Musical de Belém, Segreis de Lisboa, Manuel Morais, Lisbon, Movieplay, 1998
Musica portuguesa para tecla: séculos XVI-XVII, Ana Mafalda Castro, harpsichord, Lisbon, EMI-Classics, 1998
António Carreira: tentos & fantasias, João Vaz, organ, Lisbon, Portugaler, 2002



Obras de Referência da Cultura Portuguesa
contam com o apoio do

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
52,095,647
>