"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Publicações

No Bunker de Hitler: O inferno dos seus últimos dias

Abril de 1945, Berlim, Alemanha. Após 13 milhões de mortos, uma das eras mais negras da história da humanidade e a destruição de parte da Europa e da Ásia, a queda de Hitler chegara. 


Mas quando e como é que Hitler percebeu a derrota? Conheça os últimos dias do monstro com No Bunker de Hitler, um livro do jornalista e historiador alemão, Joachim Fest. 

«Até que o último homem caia.» Foi desta forma que Adolf Hitler se recusou a render-se, em plena II Guerra Mundial, perante a evidência de uma derrota anunciada.

Mesmo num cenário de destruição, sem precedentes em todo o mundo, e os inevitáveis horrores de uma derrota, Hitler manteve-se, abrigado num bunker, com os seus ideais imperialistas infames bem vincados.  Mas o que terá acontecido dentro desse abrigo?

Descubra os infernais últimos dias de Adolf Hitler e do Terceiro Reich, através do livro No Bunker de Hitler de Joachim Fest. Uma obra de rigor histórico, escrita por um homem que serviu o Exército alemão, mas sempre se recusou a fazer parte da Juventude Hitleriana.

Viva, em cada página, a reconstrução fiel da terrível, e derradeira, batalha de Berlim e a claustrofóbica atmosfera vivida dentro do bunker do Führer, debaixo da chancelaria, até ao último segundo da guerra. 

Sem piedade, indiferente ao futuro do povo alemão, autodestrutivo, Hitler arrastou consigo todo um país, ordenando a destruição de infra-estruturas essenciais e atirou milhares de soldados para a morte, que sabia certa. 

O autor descreve, com elevado pormenor, a vertigem paranóica que levou o líder nazi ao suicídio e ainda a forma incessante como idealizou a destruição do seu corpo para que o Exército Vermelho não o encontrasse quando chegasse a Berlim.

Uma obra que se revela a cada dia mais repleta de actualidade. Pois explica que a figura de Hitler, apesar de todo o mal que trouxe ao mundo, continua muito presente no pensamento colectivo e que o seu poder junto dos eleitores tem aumentado assustadoramente.

A obra poderá ainda ser adquirida no site oficial da Guerra e Paz, Editores.

Sobre a figura monstruosa de Adolf Hitler, a editora publicou ainda, numa edição devidamente contextualizada, o seu Mein Kampf, bem como um outro livro, Citações de Adolf Hitler.

Sinopse
Uma destruição de proporções inigualáveis marcou os últimos meses do Terceiro Reich, na Primavera de 1945. Aos inevitáveis horrores de uma derrota, somou-se a recusa de Adolf Hitler em se render até que o último homem caísse. Esta é uma vibrante reconstrução dos momentos que antecederam a queda de um dos mais infames regimes políticos da história, dando particular atenção à terrível Batalha de Berlim e à atmosfera claustrofóbica do bunker do Führer durante os últimos dias da guerra. Com uma prosa cativante, o historiador alemão Joachim Fest narra como, indiferente ao destino dos alemães, Hitler ordenou a destruição de infra-estruturas essenciais e atirou as tropas para a morte, mesmo sabendo da certeza da derrota. Descreve a paranóia crescente que marcou o estado mental do Führer, até ao suicídio, e os esforços para destruir o seu corpo antes que o Exército Vermelho chegasse a Berlim. Explica ainda como Hitler continua presente no pensamento das últimas gerações e como o seu poder tem aumentado assustadoramente à medida que a distância temporal cresce.

Biografia do autor

Joachim Fest (1926-2006), jornalista e historiador alemão, um dos maiores especialistas mundiais do nazismo. Filho de pai católico e antinazi, foi expulso do liceu em Berlim por ter feito caricaturas de Hitler. Embora tenha servido no exército, não se filiou na Juventude Hitleriana. Estudou Direito, História, Sociologia e História da Arte. O seu primeiro livro, O Rosto do Terceiro Reich (1963), uma série de retratos de chefes políticos nazis, trouxe-lhe o reconhecimento público. Em 1973, publicou uma extensa biografia de Hitler, que ficou para a posteridade como obra fundamental. Escreveu ainda outros livros, como uma biografia de Albert Speer (1995) e as suas memórias, Eu Não (2006). Referência ética na história recente da Alemanha, envolveu-se numa acesa polémica com Günter Grass antes de falecer. 

Visitas
50,742,687
>