"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Publicações

Romance vencedor do XXII Prémio Literário Orlando Gonçalves chega às livrarias

Mais do que uma história, um desafio. Dotado de um curioso sentido crítico e visão social, Alpendre a Cinco Vozes, livro de Antero Barbosa, foi o vencedor da última edição do Prémio Literário Orlando Gonçalves, que anualmente homenageia o escritor ligado ao neo-realismo português.


A obra foi editada pela Guerra e Paz, com o patrocínio da Câmara Municipal da Amadora.

«Recorrendo a cinco vozes narrativas, o conjunto assume um carácter coral, construindo personagens bem recortadas e revelando um assinalável domínio da linguagem utilizada.» Foi desta forma que o júri* do XXII Prémio Literário Orlando Gonçalves justificou o primeiro lugar atribuído a Alpendre a Cinco Vozes, romance de Antero Barbosa.

O livro conta a história do menino QuiNando, herdeiro da fortuna de uma família poderosa, que aos 70 anos, depois de uma vida de excessos, torna às suas origens, falido. O protagonista é acolhido por Arménio, filho dos antigos caseiros, agora proprietário da casa onde ambos cresceram. Os dois homens tornam-se os melhores e os piores amigos, dois opostos que partilham a solidão, trocam papéis e atuam num mesmo teatro: uma casa cujo alpendre é o palco principal.

Com recurso a uma escrita polifónica e poligráfica, Antero Barbosa juntou, aos dois comparsas, as vozes do Sol, do povo e do escritor, que completam o quinteto de um Alpendre a Cinco Vozes. Várias versões de uma história, que procuram recuperar os fragmentos que traduzam o intraduzível da vida.

Alpendre a Cinco Vozes pode ainda ser adquirido através da loja online da Guerra e Paz, Editores.

Este é o sexto livro de Antero Barbosa. Antes o autor publicou: Contextos (contos); Ramo e de repente (poesia); A Câmara Lenta da Morte (conto); Descoincidências – Obras In-Completas – Poema Obras In-Completas – Conto.

*Na edição de 2019, o júri do concurso foi constituído pelo jornalista, tradutor e editor Carlos Vaz Marques, em representação da Câmara Municipal da Amadora, e dos escritores Tiago Torres da Silva, em representação da Sociedade Portuguesa de Autores, e José Manuel Mendes, em representação da Associação Portuguesa de Escritores.

Sinopse 
Esta é a história do Menino QuiNando, o menino de oiro da família Melo Moreira, proprietária da senhorial Casa do Alpendre. Já passou dos setenta anos, mas continua a ser o Menino QuiNando em Crualto, uma povoação no cerne da encosta. Afastado da frequência dos palcos habituais que a fortuna pessoal sempre lhe facultou, o único confronto teatral que lhe resta é com Arménio, filho dos caseiros, que é o melhor e o pior dos seus amigos. Numa escrita polifónica e poligráfica, juntam-se, aos comparsas, as vozes do Sol, do povo e do escritor, que filtram e expandem versões, procurando recuperar os fragmentos que possam traduzir em escrita o intraduzível da vida. Eis o que disse o júri que atribuiu a esta ficção narrativa o Prémio Literário Orlando Gonçalves, na sua XXII edição: «Recorrendo a cinco vozes narrativas, o conjunto assume um caráter coral, construindo personagens bem recortadas e revelando um assinalável domínio da linguagem utilizada.»

Biografia do Autor


Antero Barbosa (1956), natural, por acaso, do concelho do Marco de Canavezes, reside, na sequência desse acaso, no Porto, desde 1976. É licenciado, sem descaso, em Estudos Portugueses, e exerceu, em caso não omisso, cargos administrativos e dirigentes em estabelecimentos da Universidade do Porto, em paralelo a vidas várias, a familiar e cívica entre elas. Há, em todo o caso, o vício da literatura desde a adolescência. Publicou, ao acaso, Contextos (contos), 2005; Ramo e de repente (poemas), 2005; A Câmara Lenta da Morte (conto), 2017; Descoincidências – Obras InCompletas – Poema (coletânea 1982-2017), 2018; Obras In-Completas – Conto (coletânea), 2019. Quando se deu o caso de um júri que leu os seus textos, obteve os seguintes prémios literários: Prémio de Poesia Brétema, 1990; Prémio Nacional Trindade Coelho – 2.º prémio (contos), 2005; Prémio Literário Fernanda Botelho (conto), 2016; Prémio Literário Orlando Gonçalves (ficção narrativa), 2019. Manter-se-á até ao ocaso no ofício de «escreviver». 

Alpendre a Cinco Vozes
Antero Barbosa
Ficção / Romance
112 páginas · 15x23 · 12,00 €
Guerra e Paz, Editores

Visitas
50,742,550
>