"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

Grutera adia edição de novo disco "Aconteceu" para setembro

Dado o contexto atual e o facto de a música ser essencialmente uma forma de expressão ao vivo, Grutera decidiu adiar o lançamento do disco Aconteceu para 11 de setembro.


Esta decisão deve-se sobretudo ao facto de conseguir desta forma acompanhar o lançamento do disco com concertos ao vivo, perto de todos, ainda que possivelmente com as devidas distâncias de segurança, que serão consequência natural destes próximos novos tempos.

Ainda assim, durante este período tem uma novidade… vai lançar uma página no Patreon https://www.patreon.com/grutera onde entre maio e setembro partilhará tudo acerca deste novo disco ainda antes da sua estreia para todos aqueles que se quiserem tornar patronos.

Nessa plataforma, disponibilizará semanalmente vídeos caseiros sobre tudo o que poderão ouvir no novo álbum Aconteceu – desde os ensaios, faixa a faixa dos novos temas, explicação de como foi o seu processo de composição, à história de cada um e ainda algumas tentativas de aulas online dos seus métodos de composição pouco ortodoxos, visto que nunca teve formação musical nem aulas de guitarra. 

Gutera deseja que todos se mantenham em segurança, por vocês e por todos!

 SINGLE “FICA ENTRE NÓS” 

O primeiro single “Fica entre nós” é sobre cumplicidade, sentimento que pode ser entre duas pessoas como entre pessoas e as suas tradições. 

É isso que o vídeo pretende mostrar, que por vezes é necessário existir algum localismo para que exista a conservação dos costumes e a preservação dos espaços e das gentes locais. Gentes que, muitas vezes, se vêm expulsas das suas raízes pela força do turismo e dos interesses económicos, que tanto podem ter de bom como de mau, se não existir um equilíbrio.

BIOGRAFIA 
Nascido a 3 de julho de 1991, Guilherme Efe apresenta-se ao mundo todo nu, careca, sem dentes e cheio de sangue da barriga de sua mãe. Na altura ainda não sabia tocar guitarra, porque não tinha unhas, mas provavelmente já sabia que era isso que faria o resto da sua vida, ainda que paralelamente tivesse qualquer outra atividade, mais ou menos lícita, mais ou menos nobre, com que fizesse mais ou menos dinheiro.

Começa a tocar em bandas de metal, mas o headbang faz-lhe dores de pescoço. Descobre que tocar guitarra clássica, à sua maneira, pouco ortodoxa, é a coisa mais simples e fácil que já alguma vez aprendeu a fazer. Fazer música com ela também. Assim, escolhe esse caminho para alcançar a fama, riqueza e sucesso. Ou só fazer música que o emocione e que melhore alguns minutos da vida de alguém que a ouça.

Em 2012 grava o Palavras Gastas e entra para os Novos Talentos FNAC, um álbum que, hoje em dia, o envergonha. Em 2013 grava O Passado Volta Sempre no Mosteiro de Cós, um álbum que hoje em dia, o envergonha, mas menos do que o primeiro. Em 2015 grava Sur Lie na Herdade do Esporão, um álbum que hoje em dia, o envergonha, mas menos do que o segundo.

Em 2020 lança um novo disco, Aconteceu, um disco sobre o que aconteceu nos últimos 5 anos. Espera que este não o envergonhe.

>> Facebook
>> Bandcamp
>> Soundcloud

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
51,913,106
>