"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

Morreu o artista plástico e pintor Julião Sarmento

Cruzou várias artes e são visíveis, na sua obra, referências ao cinema, à literatura ou à música.

O Centro Nacional de Cultura homenageia a memória do grande artista e apresenta sentidas condolências à família.

Julião Sarmento. Foto: DR


Morreu esta terça-feira o pintor e artista plástico Julião Sarmento. Tinha 72 anos e sofria de um cancro. Iniciou a carreira nos anos 70, combinando vários suportes como a pintura, mas também com a fotografia, com o desenho, com o vídeo ou som.

Nasceu em Lisboa, em 1948, e viveu e trabalhou no Estoril. Estudou pintura e arquitetura na Escola de Belas Artes de Lisboa.

Foi um artista interdisciplinar e ao longo da sua carreira, Sarmento trabalhou numa vasta gama de meios: pintura, desenho, escultura, fotografia, filme, vídeo, performance, som e instalação.

Desenvolveu também vários projetos e realizou numerosas exposições individuais e coletivas em todo o mundo ao longo das últimas cinco décadas.

Julião Sarmento representou Portugal na 46ª Bienal de Veneza, em 1997. Foi incluído na Documenta 7 (1982) e Documenta 8 (1987), na Bienal de Veneza (1980 e 2001), e na Bienal de São Paulo em 2002.

No ano passado, lançou o livro de fotografia “Café Bissau”, uma obra com 98 imagens, a preto e branco e a cor, digitais e analógicas, captadas entre 1964 e 2017.

A sua obra está representada em muitas coleções públicas e privadas na América do Norte e do Sul, Europa e Japão.

“Se eu não fosse artista não sei o que é que seria. Morria de tédio, seguramente", confessou o artista à Renascença, em 2018, quando foi convidado para o programa Ensaio Geral.

Durante a entrevista, Sarmento admitiu sentir um grande fascínio pelo mistério e pelo que era o seu desconhecimento. "Interessa-me muito saber as coisas que não sei, algumas coisas que não sei e tentar descobrir coisas que eu jamais pensei que iria descobrir”.

“Se as pessoas não têm curiosidade pelas coisas, se não ficam fascinadas por aquilo que é misterioso, o que é que resta?", questionou, na altura, Julião Sarmento.


in Renascença | 4 de maio de 2021
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Rádio Renascença

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Visitas
58,518,623
>