"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

Centenário do nascimento de Matilde Rosa Araújo

O Centro Nacional de Cultura recorda a memória de Matilde Rosa Araújo, a sua presença permanente das nossas iniciativas e uma grande amizade, bem como uma generosa solidariedade de sempre, que muito nos honra e que não esquecemos.

A escritora Matilde Rosa Araújo  © Rui Coutinho/Global Imagens

Marcelo assinalou centenário do nascimento de Matilde Rosa Araújo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, assinalou ontem, dia 20 de junho, o centenário da professora e escritora Matilde Rosa Araújo, convidando a também escritora Luísa Ducla Soares a evocar a sua memória lendo um poema da sua autoria.

No vídeo, divulgado na página oficial da Presidência da República, Luísa Ducla Soares lê o poema "Ó Minha Cidade Bela!", integrado no livre de Matilde Rosa Araújo "O Cantar da Tila".

"Ó minha cidade bela, feita de rio e de mar: Meu coração é um navio, p'las ruas a navegar", começa o poema, lido numa das varandas do Palácio de Belém por Luísa Ducla Soares, escritora e autora de mais de 80 obras, muitas delas dirigidas ao público infantil.

Matilde Rosa Araújo nasceu a 20 de junho de 1921, em Lisboa. Licenciada em Filologia Românica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foi professora do ensino técnico profissional e do primeiro curso de Literatura para a Infância, na Escola do Magistério Primário, em Lisboa.

Foi autora de livros de contos e poesia para adultos e de mais de duas dezenas de livros de contos e poesia para crianças como "O Sol e o Menino dos Pés Frios", "História de uma Flor" e "O Reino das Sete Pontas".

Dedicou-se à defesa dos direitos das crianças através da publicação de livros e de intervenções em organismos com atividade nesta área, como a UNICEF em Portugal.

Em 1980, recebeu o Grande Prémio de Literatura para Crianças, da Fundação Calouste Gulbenkian, e o prémio para o melhor livro infantil, pela mesma fundação, em 1996, pelo seu trabalho Fadas Verdes (livro de poesias de 1994).

Matilde Rosa Araújo recebeu o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique em 2003 e, em maio de 2004, foi distinguida com o Prémio Carreira, da Sociedade Portuguesa de Autores.

A escritora morreu na sua residência em Lisboa, na madrugada de 06 de julho de 2010.




por Lusa e Diário de Notícias | 21 de junho de 2021
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Jornal Diário de Notícias

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
60,104,779
>