"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

Plataforma Lisboa Criola quer estimular a diversidade na cidade

A iniciativa passa por dar a conhecer, através de uma plataforma digital, música, gastronomia, artes visuais e performativas, ideias, agentes, ou projetos socioculturais, que de alguma maneira reflitam a multiplicidade “que se vive na cidade” e “promova a mistura entre mais pessoas.”

O ator e realizador Welket Bungué será um dos participantes na iniciativa D.R.


Define-se como um “projeto cultural, criativo, transversal e participativo”, com o objetivo de “aproximar, celebrar e amplificar a mistura cultural” que compõe a cidade de Lisboa. Chama-se Lisboa Criola esta ideia que parte de um conjunto de cidadãos, onde encontramos nomes como o do músico Dino d’ Santiago ou o do ator e realizador Welket Bungué, em co-organização com a Câmara Municipal de Lisboa. O objetivo é “dar a conhecer o máximo de comunidades, culturas e histórias, promovendo a diversidade, a representatividade e igualdade”, pode ler-se no manifesto.

A iniciativa passa por dar a conhecer, através de uma plataforma digital, música, gastronomia, artes visuais e performativas, ideias, agentes, ou projetos socioculturais, que de alguma maneira reflitam a multiplicidade “que se vive na cidade” e “promova a mistura entre mais pessoas.” Em declarações ao PÚBLICO, Dino d’ Santiago, assinala que o projeto nasce da vontade de “dar um nome a esta celebração multicultural que é a cidade de Lisboa”, ao mesmo tempo que se pretende “desmistificar o que é ser crioulo.” Segundo ele a designação é muito associada “à língua falada em Cabo Verde ou Guiné-Bissau, quando o crioulo não é mais do que o resultado da mistura. Daí a vontade de criar uma plataforma que comunicasse esse desígnio — ‘Nu ta mistura, nôs tudu eh criolu’!, exclama ele, numa alusão à canção Kriolu

Os passos seguintes passaram “por desafiar a dupla de diretores criativos Mafalda & Francisco para criarem a imagem e conceito, e depois apresentámos a ideia à Câmara Municipal de Lisboa que a abraçou desde o primeiro momento. E para completar a equipa trouxemos a produtora Mónica Rey e toda a comunicação fica a cargo da Namalimba Coelho, ambas de origem angolana.” Assim, todos os meses, a partir de julho e até dezembro, haverá várias iniciativas, desde mini-documentários feitos por artistas a workshops online, que originarão conteúdos que serão disponibilizados na plataforma digital, onde constarão artigos, poemas, crónicas, entrevistas, notícias ou eventos.

Para além disso, os diversos convidados de cada mês irão assinalar num mapa, “os locais e entidades que marcam a criolidade de cada um.” Essas escolhas ficarão registadas num mapa digital, que vai sendo preenchido ao longo dos meses, mapeando a Lisboa Criola que resulta da contribuição dos participantes. Todos os meses haverá um tema dominante, sendo o de julho, a comunicação. Poemas do rapper Bob Da Rage Sense, conversas com a cantora Selma Uamusse, mini-documentários e workshops concretizados pela atriz portuguesa de ascendência chinesa Jani Zhao, e pelo ator, realizador e ativista luso-guineense Welket Bungué, são algumas das atividades previstas. O projeto pode ser acompanhado em www.lisboacriola.pt e no Instagram @lisboacriola.




por Vítor Belanciano in Público | 24 de junho de 2021
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Jornal Público

Agenda
Exposições

"Gyres"

Galeria Zé dos Bois 16 Set a15 Nov

Ver mais eventos
Visitas
61,329,902
>