"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Publicações

"À Espera de Bojangles"

O eufórico romance de Olivier Bourdeaut, em que o quotidiano é uma festa mais doce do que a vida real, abrilhanta a coleção romances de guerra e paz.


Um romance cómico, trágico e singular, À Espera de Bojangles marcou, em 2016, a extraordinária estreia literária do escritor francês Olivier Bourdeaut, que, vindo do mais completo anonimato, assombrou o mundo, somando elogios e prémios literários à velocidade de uma valsa rápida. Agora, esta obra extravagante e falsamente ingénua tem uma nova edição em Portugal, traduzida por Rui Santana Brito, que enriquece a novíssima coleção romances de guerra e paz. O livro estará disponível na rede livreira nacional, nas plataformas de distribuição de ebooks e no site da Guerra e Paz Editores.

Nas páginas de À Espera de Bojangles, somos levados a sonhar. Sonhar com uma casa «elegante e espantosa», com pais que se levantassem da cama a dançar «de formas verdadeiramente incríveis» e que organizassem festas, mesmo ao meio-dia, nas quais brindassem os convidados com extravagantes cocktails em flutes e copos bizarros, decorados com guarda-sóis de mil cores e azeitonas. Sonhar com uma infância inundada de riso, na qual fôssemos «pássaros noturnos» e aprendêssemos mais nos serões em festa, a «ouvir mentes brilhantes e a galantear plebeias e marquesas» do que na escola.

Esta é uma história contada por uma criança. O filho de um casal excêntrico que vive um amor louco e que se recusa teimosamente a contentar-se com a realidade, preferindo inventar fantasias, à beira-mar espanhola, ao som de Mr. Bojangles, de Nina Simone. Uma fantasia em que o quotidiano é uma festa mais doce do que a vida real.

Nunca a expressão «amor louco» foi usada com tanta propriedade como neste livro de Bourdeaut, em que se sente o otimismo das comédias de Frank Capra, aliado à fantasia d'A Espuma dos Dias, de Boris Vian. A isso o autor junta uma escrita fotográfica em que cada palavra parece ter sido cuidadosamente selecionada pelo autor para rimar com a frase seguinte. Como escreveu o jornalista francês Bernard Pivot, este é «um primeiro romance de uma loucura tanto mais irresistível quanto é inteligente e cheia de mestria. Uma escrita falsamente simples, na verdade cheia de arabescos, de fórmulas admiráveis, de felizes achados de estilo. O leitor entra também na festa».

Traduzido em mais de 30 línguas, À Espera de Bojangles, vendeu quase um milhão de exemplares em todo o mundo e tem vindo a ser aplaudido não só pelos leitores, mas também pela crítica. A obra venceu os prémios Grand Prix RTL – Lire, Le Roman des étudiants France Culture – Télérama e Prix roman France Télévisions, foi adaptada para banda desenhada, para teatro e para cinema, num filme recentemente realizado por Régis Roisard.

É tempo de divertir, comover e fazer sonhar os leitores portugueses com a novíssima edição desta obra no nosso país. À Espera de Bojangles chega à rede livreira nacional e às plataformas de distribuição de ebooks, com a chancela da Guerra e Paz Editores e tradução de Rui Santana Brito. Esta é uma edição romances de guerra e paz, coleção que reúne romances elegantes, intrigantes, extravagantes e sem fronteiras.

romances de guerra e paz
À Espera de Bojangles
Olivier Bourdeaut
Tradução: Rui Santana Brito
Ficção / Romance
196 páginas · 15x23 · 15,00 €

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

Ganhe convites para a antestreia do filme "ÉPOCA DE CAÇA"

Em parceria com a Films4You, oferecemos convites duplos para a antestreia da hilariante comédia francesa, "ÉPOCA DE CAÇA", sobre um casal que se muda para o campo e descobre que os vizinhos usam o jardim como campo de caça, desencadeando uma guerra entre vizinhos!

Passatempo

Ganhe convites para a peça "23 SEGUNDOS"

Em parceria com o CENDREV - Centro Dramático de Évora, oferecemos convites duplos para a peça "23 Segundos", pela Comuna Teatro de Pesquisa. Tratando-se embora de ficção, a ação inspira-se numa situação verídica ocorrida na Cadeia do Forte de Peniche, na primeira metade dos anos 50, durante a ditadura do Estado Novo. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Visitas
93,060,124