"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

Cientistas revelam descoberta, mantida em segredo há 15 anos, de navio afundado há 340 anos

Descoberta de navio “The Gloucester” que se afundou quando transportava um futuro rei foi mantida em segredo até agora para proteger os restos do naufrágio de danos.

Um quadro do navio The Gloucester do artista Johan Danckerts_Royal Museums Greenwich/Reuters


Um navio de guerra real que se afundou ao largo da costa leste da Grã-Bretanha há mais de 300 anos enquanto transportava um futuro rei foi revelado agora por investigadores que mantiveram a descoberta em segredo durante 15 anos para proteger o naufrágio dos danos.

Em 1682, o rei James II (Jaime II) de Inglaterra, que na altura era o Duque de York, conseguiu escapar por pouco ao naufrágio do navio chamado “The Gloucester”, que se afundou ao largo da costa do leste de Inglaterra, depois de ter atingido um banco de areia. Tornou-se rei de Inglaterra, e o rei James VII da Escócia três anos mais tarde.

“A descoberta promete mudar fundamentalmente a compreensão da história social, marítima e política do século XVII”, disse Claire Jowitt, professora de História Cultural Moderna na Universidade de East Anglia. “É um exemplo notável de património cultural subaquático de importância nacional e internacional”.

A sua localização final, a cerca de 45 km (28 milhas) da costa de Great Yarmouth, foi um mistério até ser descoberta pelos irmãos de mergulho Julian e Lincoln Barnwell em 2007, após uma busca de quatro anos. “Na minha descida para o fundo do mar, a primeira coisa que vi foi um grande canhão deitado sobre areia branca, foi inspirador e realmente belo”, disse Lincoln Barnwell.

O naufrágio revelou vários artefactos históricos, incluindo uma garrafa com um selo de vidro com a crista da família Legge - antepassados do primeiro Presidente dos EUA, George Washington. “Porque o navio afundou tão rapidamente, ninguém teria resgatado nada”, disse Jowitt, descrevendo-o como “uma fantástica cápsula do tempo”. Outros artefactos incluem equipamento de navegação, bens pessoais, roupas e garrafas de vinho - alguns com o seu conteúdo intacto.

A universidade estimou que entre 130 a 250 pessoas poderiam ter morrido no incidente, o que, segundo eles, tinha ameaçado mudar o curso da história. Seis anos após o naufrágio do católico James II foi expulso pelo protestante William of Orange (Guilherme III) na “Gloriosa Revolução” de 1688, abrindo caminho para a futura monarquia constitucional na Grã-Bretanha.

 


Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Jornal Público

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
67,690,853