"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Publicações

Ele só precisava de um par de amanhãs

Baiôa sem data para morrer assinala a estreia literária do editor Rui Couceiro. Este novo romance no catálogo da Porto Editora tem na sua consciência a finitude do ser humano. 


«Até esse momento, vivia as coisas sem tempo para refletir. Como se a velocidade me impedisse de realmente viver, ao tirar-me o tempo necessário para a contemplação daquilo que se experiencia.» Reflexão profunda sobre o ritmo desenfreado imposto pelas novas tecnologias, a dependência das redes sociais e a banalização do burnout, Baiôa sem data para morrer é uma viagem de descoberta íntima, física e psicológica. Neste primeiro romance de Rui Couceiro, um jovem adulto citadino decide mudar-se para nenhures na planície alentejana, narrando-nos quase em jeito de diário as experiências por lá vividas na companhia de uma mão-cheia de personagens castiças, tragicómicas, quase impossíveis, tão ao jeito de um realismo mágico sul-americano. Velhice e morte – e, em muitos casos, uma estranha forma de vida – num interior que murcha.

O livro já se encontra em pré-venda.

Sobre a obra, diz o próprio autor: «A ficção sempre me fascinou. Não tenho tanto interesse em escrever sobre o que aconteceu, estimula-me é escrever sobre o que não aconteceu, ou, melhor dizendo, sobre o que poderia ter acontecido. Truman Capote disse que o aspeto mais pessoal e mais revelador de um autor é a sua imaginação. E eu concordo. O que mais diz sobre mim é a minha imaginação e o que eu consigo ou não fazer com ela e com as ferramentas narrativas de que dispuser. Neste caso, eu quis deixar o leitor sem direção até a uma fase muito adiantada do romance. Quis tirar-lhe referências, mergulhá-lo em informações múltiplas, de vários universos. E, só mais tarde, aos poucos, ir encaminhando a história para onde ela deveria ir.»

SOBRE O LIVRO
Baiôa sem data para morrer
Quando um jovem professor decide aceitar a mão que o destino lhe estende, longe está de imaginar que, desse momento em diante, de mero espectador passará a narrador e personagem da sua própria vida. Na aldeia dos avós, no Alentejo mais profundo, Joaquim Baiôa, velho faz-tudo, decidiu recuperar as casas que os proprietários haviam votado ao abandono e assim reabilitar Gorda-e-Feia, antes que a morte a venha reclamar. Eis, pois, o pretexto ideal para uma pausa no ensino e o sossegar de um quotidiano apressado imposto pela modernidade. Mas, em Gorda-e-Feia, a morte insiste em sair à rua, e a pacatez por que o jovem professor ansiava torna-se um tempo à míngua, enquanto, juntamente com Baiôa, tenta lutar contra a desertificação de um mundo condenado. Num romance que tanto tem de poético como de irónico, repleto de personagens memoráveis e de exuberância imaginativa, e construído como uma teia que se adensa ao ritmo da leitura, Rui Couceiro põe frente a frente dois mundos antagónicos, o urbano e o rural, e duas gerações que se encontram a meio caminho, sobre o pó que ali se tinge de vermelho, o mais novo à espera, o mais velho sem data para morrer.

Título: Baiôa sem data para morrer
Autor: Rui Couceiro
Páginas: 448
PVP: 19,90€

Ver primeiras páginas 

SOBRE O AUTOR
Rui Couceiro

Nasceu no Porto em 1984. É licenciado em Comunicação Social, mestre em Ciências da Comunicação e tem uma pós-graduação em Estudos Culturais. Orgulha-se de ter crescido de joelhos esfolados, em Espinho. Foi campeão nacional de voleibol em todos os escalões de formação e considera que o desporto foi a sua principal escola. Durante a adolescência, decidiu que queria ser jornalista e, aos quinze, começou um percurso de oito anos numa rádio local. Estagiou na SIC e foi correspondente da LUSA, até perceber, em 2006, que afinal não queria o jornalismo, mas sim apostar noutra paixão – os livros. Foi assessor de comunicação e coordenador cultural da Porto Editora durante dez anos, até que, em 2016, assumiu funções de editor na Bertrand, tendo desde então a seu cargo a chancela Contraponto. Nos últimos anos, reatou colaborações com a comunicação social: primeiro, partilhou com a escritora Filipa Martins a autoria e apresentação do programa «A Biblioteca de», na rádio Renascença; atualmente, escreve para o site da revista Visão. É, desde 2021, membro do Conselho Cultural da Fundação Eça de Queiroz. Abandonou uma tese de doutoramento em Estudos Culturais, para escrever este romance.  
Agenda
Ver mais eventos
Visitas
67,691,333