"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

"O último banho" de David Bonneville vence melhor filme nos Sophia 2022

"A metamorfose dos pássaros" valeu a Catarina Vasconcelos a melhor realização. O melhor série/telefilme foi "Glória" de Tiago Guedes.

Filme "O último banho" de David Bonneville conquistou a academia portuguesa


"O último banho" de David Bonneville venceu, no sábado, os prémios Sophia de melhor filme, enquanto o documentário "A metamorfose dos pássaros" valeu a Catarina Vasconcelos a melhor realização.

Na 11.ª edição dos prémios Sophia, "O último banho", primeira longa-metragem de Bonneville e candidato a 13 prémios, conquistou ainda as categorias de melhor argumento original (David Bonneville e Diego Rocha) e melhor direção artística (Bruno Duarte), de acordo com um comunicado da Academia Portuguesa de Cinema, que organiza a iniciativa.

"A metamorfose dos pássaros" foi também distinguido nas categorias documentário em longa-metragem, montagem e som.

Ana Moreira ("Sombra") e Miguel Borges ("Terra nova") foram eleitos melhor atriz principal e melhor ator principal, respetivamente, enquanto os prémios de melhor atriz secundária foi atribuído a Ana Cristina Oliveira ("Sombra") e o de melhor ator secundário a João Nunes Monteiro ("Diários de Otsoga").

O melhor série/telefilme foi "Glória" de Tiago Guedes.

Na cerimónia, que decorreu no Casino Estoril (Cascais), foram ainda entregues os prémios Sophia Estudante a Gonçalo Ferreira, com a curta-metragem "Punkada", e o Sophia de Carreira ao produtor, realizador, programador e divulgador Abi Feijó, um dos nomes de referência do cinema de animação feito em Portugal.

Nomeado em 12 categorias, o filme "Bem Bom", de Patrícia Sequeira, uma ficção a partir da história da formação do grupo pop feminino Doce e o filme português mais visto em sala em 2021, venceu apenas duas: melhor guarda-roupa e maquilhagem e cabelos.

O prémio de melhor direção de fotografia foi para Luís Branquinho ("Terra Nova"), melhor banda sonora original para Hugo Leitão ("Serpentário") e melhor caracterização/efeitos especiais para Miguel Teixeira e Markus Frank ("Terra Nova").

"O lobo solitário" de Filipe Melo venceu na categoria de melhor curta-metragem de ficção, enquanto "Eunice, ou a carta a uma jovem atriz" de Tiago Durão conquistou o de melhor curta-metragem de documentário. A melhor curta-metragem de animação foi "A mulher do médico" de Bruno Simões.

Na sessão de anúncio dos nomeados, em maio, o presidente da Academia Portuguesa de Cinema, Paulo Trancoso, entregou ainda o prémio Arte & Técnica ao realizador Manuel Matos Barbosa e ainda a Vanessa Alvarez, pelo projeto Cine-Caravana, dedicado à exibição gratuita de cinema português ao ar livre.




por Lusa e Renascença, 19 de junho de 2022
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Rádio Renascença

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
67,739,191