"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Roteiros

Está prestes a nascer uma grande rota pelas paisagens das Montanhas Mágicas

São 280 quilómetros de trilhos e paisagens ao longo dos concelhos de Arouca, Castelo de Paiva, Castro Daire, Cinfães, São Pedro do Sul, Sever do Vouga e Vale de Cambra.

DR DR DR


A partir de 1 de julho, data prevista para a “jornada de inauguração e apresentação” da Grande Rota das Montanhas Mágicas (GR60), vai ser possível palmilhar todo o novo percurso pedestre ao longo de 280 quilómetros por “locais de grande beleza e interesse natural, patrimonial e cultural”.

É preciso ter boa perna e alguns dias na agenda para completar o trilho circular que atravessa os sete concelhos que compõem o território das Montanhas Mágicas, embrulho turístico que engloba as serras da Freita, Arada, Arestal e Montemuro, unindo os municípios de Arouca, Castelo de Paiva, Castro Daire, Cinfães, São Pedro do Sul, Sever do Vouga e Vale de Cambra.

Desenhada “para os amantes do turismo de natureza e turismo de aventura”, a grande rota pode ser feita a pé ou de bicicleta e permite “uma imersão total no território”, aponta-se em comunicado. O objetivo, sublinha a nota de imprensa, é tornar-se “a breve trecho uma referência nacional e internacional nas áreas do cycling e do walking”.

Além das quatro serras, e dos vales dos rios Douro, Vouga, Paiva, Bestança, Caima e Teixeira, o trajeto contempla vários pontos de interesse, como o geoparque de Arouca, classificado pela UNESCO, quatro zonas classificadas pela Rede Natura 2000 e locais integrados na Rota da Água e da Pedra.

O percurso – dividido por 14 etapas no circuito pedestre e oito na Grande Travessia de BTT (dimensionadas para corresponderem a um dia de passeio, dependendo, claro, do ritmo imposto e da aptidão física de cada visitante) – está “devidamente sinalizado e possui vários pontos de apoio” ao longo de todo o trilho, “estando dotado das condições necessárias à prática das disciplinas para as quais foi pensado, inclusive na promoção de práticas ambientais responsáveis”, afirmam.

O projeto foi idealizado pela Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Serras de Montemuro, Arada e Gralheira (ADRIMAG) e, entende o coordenador da entidade, João Carlos Pinho, este é um produto turístico “que muito vai valorizar este território”.

Centrado na prática de desportos de aventura e, por isso, com grande capacidade de atratividade para os adeptos do turismo de natureza, esta GR60 - Grande Rota das Montanhas Mágicas “tem também um grande potencial para dinamizar, por arrasto, toda a economia dos concelhos atravessados pelo traçado, da restauração à hotelaria, do comércio às empresas de animação turística”.

Além dos sete municípios, o projeto tem ainda como parceiros a Federação Portuguesa de Ciclismo, a Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal, o Turismo do Porto e Norte de Portugal e o Turismo do Centro de Portugal.

A inauguração oficial da Grande Rota das Montanhas Mágicas está marcada para 1 de julho, na aldeia de Felgueira, em Arões, Vale de Cambra, localidade igualmente integrada na rede Aldeias de Portugal.


por Fugas e Público | 14 de junho de 2022
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Jornal Público

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
67,739,362