"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

Filme sobre o livro "Novas Cartas Portuguesas" estreia-se em outubro no DocLisboa

A direção do DocLisboa revelou os primeiros filmes da programação da 20.ª edição e, entre eles, está o documentário O Que Podem as Palavras, das realizadoras Luísa Sequeira e Luísa Marinho.

O mural dedicado às "Três Marias" pintado por Elton Hipólito em Vila Nova de Cerveira_Elton Hipólito/Instagram


O documentário O Que Podem as Palavras, sobre o livro Novas Cartas Portuguesas, de Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa, terá estreia mundial em outubro, no Festival Internacional de Cinema DocLisboa, foi agora anunciado.

“O filme coloca as escritoras portuguesas Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa em diálogo, enquanto refletem sobre o processo criativo e o impacto da singular obra literária Novas Cartas Portuguesas nas suas vidas e no movimento feminista no contexto internacional”, refere a sinopse. O documentário, que cruza imagens de arquivo e depoimentos das três autoras, conta ainda com as participações de Ana Luísa Amaral, Gilda Grillo e Adelino Gomes.

A obra Novas Cartas Portuguesas foi escrita em 1971 por Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa, e nela as autoras denunciavam a guerra colonial, as opressões a que as mulheres eram sujeitas, um sistema judicial persecutório, a emigração e a violência fascista.

O livro, que se assumiu como um libelo contra a ideologia vigente na ditadura, no período pré-25 de Abril, foi publicado em Abril de 1972 e banido três dias depois pelas forças desse regime, por “conteúdo insanavelmente pornográfico e atentatório da moral pública”.

Por causa desta obra, as autoras, designadas popularmente como “Três Marias”, chegaram a ir a julgamento, que teve início a 25 de outubro de 1973, e só não foram condenadas porque, após sucessivos incidentes e adiamentos, se deu a Revolução de 25 de Abril de 1974.

O impacto internacional da obra deu-se pouco depois da sua divulgação pela escritora Simone de Beauvoir e pelo conhecimento público do processo de que estavam a ser alvo, com a cobertura do julgamento feita por meios de comunicação internacionais, manifestações feministas em frente a várias embaixadas de Portugal no estrangeiro e a defesa pública da obra e das autoras por várias personalidades internacionais, como Marguerite Duras, Doris Lessing, Iris Murdoch e Delphine Seyrig. Estas acções levaram a que o caso fosse votado, em junho de 1973, numa conferência da National Organization for Women, em Boston (EUA), como a primeira causa feminista internacional.

O documentário O Que Podem as Palavras, dedicado à obra e às três autoras, terá estreia no DocLisboa na secção Heart Beat.

Neste mesmo programa, o festival anunciou outros quatro filmes: DIO: Dreamers Never Die, sobre o músico Ronnie James Dio; Dreaming Walls, sobre o mítico Hotel Chelsea, em Nova Iorque; Still Working 9 to 5, dedicado ao filme de 1980 protagonizado por Jane Fonda, Dolly Parton e Lily Tomlin, sobre a novela de Patricia Resnick, com realização de Colin Higgins; e Dancing Pina, sobre o trabalho de duas companhias de dança em torno da obra da coreógrafa Pina Bausch.

O DocLisboa revelou ainda alguns dos filmes da programação Da Terra à Lua, entre os quais Everything Will Be OK, de Rithy Panh, sobre democracia e totalitarismo, feito apenas com recursos a pequenas figuras e bonecos, e que foi premiado este ano em Berlim. O realizador cambodjano Rithy Panh estará em Lisboa a convite do DocLisboa.

Em Lisboa estarão também a realizadora brasileira Maria Augusta Ramos, com o filme Amigo Secreto, que segue o caso de investigação jornalística Vaza Jato, e o antropólogo franco-brasileiro Vincent Carelli, a propósito do filme Adeus, Capitão, co-realizado com Tatiana Almeida, sobre Krohokrenhum, um líder indígena do povo gavião, do estado brasileiro do Pará.

A estes filmes, na secção Da Terra à Lua, juntar-se-ão ainda The Fire Within: Requiem for Katia and Maurice Krafft, documentário de Werner Herzog dedicado a um casal de vulcanologistas franceses, e To the End, de Rachel Lears, sobre quatro ativistas ambientais e a proposta do Green New Deal sobre alterações climáticas nos Estados Unidos.

O DocLisboa decorrerá de 6 a 16 e outubro.


por Lusa e Público | 3 de agosto de 2022
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Jornal Público

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Visitas
69,377,889