"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Publicações

Edição única de "O Príncipe" junta Maquiavel e Jorge de Sena: contra a tirania!

Será esta a melhor edição portuguesa de "O Príncipe", de Maquiavel? Por juntar ao texto clássico de Maquiavel, o ensaio de Jorge de Sena, "Maquiavel", e por ser dois livros num só, ninguém nos levará a mal se dissermos que o é com certeza!

Um dos livros mais lidos de sempre, O Príncipe, de Nicolau Maquiavel, referência absoluta da ciência política, ganhou, quase cinco séculos depois da sua publicação, em 1532, um dramatismo e actualidade surpreendentes, com o admirável ensaio Maquiavel de Sena. Um texto em que o professor, escritor e poeta português contextualiza a obra do pai do pensamento político moderno, libertando-a da carga pejorativa que os dicionários e algum senso comum lhe atribuíram ao longo dos séculos. Agora, estes dois textos de irreprimível lucidez são reunidos num só volume que marca o encontro de dois pensadores de alta grandeza, e reforça as «Novas Edições de Jorge de Sena», novíssima colecção da Guerra e Paz, dedicada ao génio de Sena. O Príncipe/Maquiavel, o diálogo Maquiavel/Sena chega à rede livreira nacional no próximo dia 4 de Abril, estando, desde já, disponível em pré-venda no site da editora.

Considerado um dos dez melhores livros de não-ficção de sempre pelo site The Greatest Books, O Príncipe, de Maquiavel, é um retrato político, moral e cultural da primeira metade do século xvi e, segundo Voltaire, um manual de bem governar. Sobre a tese de Maquiavel, o filósofo iluminista francês deixou escrito: «qualquer um que queira governar bem deve lê-lo, e os outros também, porque nele se encontram as verdades mais claras e fundamentais da política».

Ainda que astuta e lúcida, a visão política de Maquiavel para a sua Itália viria a ser condenada pela Igreja e por várias censuras nacionais, e, mais tarde, usurpada e descontextualizada por déspotas mais ou menos esclarecidos, e mais ou menos criminosos – responsáveis, directos ou indirectos, pela criação do mito do «maquiavelismo». Crenças que, em 1974, quase cinco séculos depois, Jorge de Sena viria a desmontar no ensaio Maquiavel. Um texto soberbo de fina análise, erudição e informação em que não só a personalidade de Maquiavel nos surge em toda a sua humaníssima dimensão, como o retrato político, moral e cultural da época vem matizar a «cândida e vigorosa rudeza» com que Maquiavel «desfibra as grandezas e misérias do poder político».

Recusando subsumir a acção e o pensamento de Maquiavel a uma obsessão de conquista e poder, Sena afirma que a tese patriótica do pensador italiano «é o contrário daquilo que tem sido pejorativamente acusada de ser; e a exploração que tiranos e ditadores fizeram dele não passa de uma depravação criminosa da sua nobreza intrínseca, da sua coerência empírica, da sua dignidade fundamental». Acrescentando que «compreendida e situada no tempo dele, a sua obra é a de um dos mais argutos, lúcidos e corajosos pensadores políticos de todas as épocas.»

Cinco décadas depois, Maquiavel, é recuperado numa edição única, que ao ensaio de Sena junta o texto integral de O Príncipe. Um encontro de dois pensadores, para um diálogo de irrepreensível lucidez, O Príncipe/Maquiavel é uma edição Guerra e Paz, disponível na rede livreira nacional a partir do próximo dia 4 de Abril.

Esta é, depois dos romances Andanças do Demónio O Físico Prodigioso e do ensaio Amor, a quarta das «Novas Edições de Jorge de Sena», ambiciosa colecção da Guerra e Paz que procura dar à obra de um dos grandes intelectuais do século xx um novo espaço e novos leitores.

 

Novas Edições de Jorge de Sena

O Príncipe / Maquiavel
Nicolau Maquiavel / Jorge de Sena
Não-Ficção / Ensaio
144 páginas · 15x23 · 15 €
Nas livrarias a 4 de abril de 2023

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
93,304,771