"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

Fernanda Fragateiro: "Finalmente as artistas portuguesas têm espaço nos museus"

“Em Bruto: Relações Comoventes” é o título da exposição que Fernanda Fragateiro apresenta no Centro Cultural de Belém, até 10 de setembro. Criada para um museu em Espanha, a mostra foi repensada para o CCB. Fragateiro fala de um “momento muito particular” pelo facto de estarem, em simultâneo, várias exposições de mulheres artistas portuguesas.

© Maria João Costa © António Jorge Silva

“Estamos a viver um momento muito particular no país”, aponta Fernanda Fragateiro. A artista é uma das quatro mulheres que tem, neste momento, uma exposição em nome próprio em grandes instituições. Fernanda Fragateiro inaugurou esta quinta-feira, no Centro Cultural de Belém (CCB) a mostra “Em Bruto: Relações Comoventes”.

Criada em 2020 para o museu espanhol da Fundação Cerezales Antonino y Cinia, de Leon, esta exposição foi agora adaptada para ser mostrada no CCB. Em entrevista à Renascença, Fernanda Fragateiro mostra-se satisfeita por “finalmente” as mulheres artistas portuguesas têm espaço nas instituições e museus”.

Fragateiro recordou que passou “um longo período” em que não teve “oportunidade” de mostrar “nas grandes instituições e museus” o seu trabalho. A artista diz estar feliz por, a par dela, haver também exposições das artistas Luísa Cunha, no MAAT, e de Sónia Almeida na Culturgest e Carla Filipe, em Serralves. “Há uns anos isto era uma paisagem impossível de encontrar”, desabafa.

“Era muito raro encontrar ao mesmo tempo várias exposições antológicas, exposições grandes e importantes de mulheres artistas”, critica a artista que sublinha já ter 60 anos e já ter testemunhado “momentos muito difíceis, porque não havia espaço”, diz a artista.

Na exposição agora apresentada, com a curadoria de Alfredo Puente, Fernanda Fragateiro apresenta uma série de obras em que revela o seu trabalho de pesquisa, os livros que a acompanham, bem como uma série de esculturas em madeira que fazem um diálogo com o universo da arquitetura.

Entrar no atelier da artista

Fernanda Fragateiro revela que o seu atelier “é muito arrumado”. À semelhança dessa arrumação, a artista preparou para a primeira sala da exposição uma amostra dos materiais de trabalho.

Trata-se de caixas de madeira, em forma de mesa que funcionam como uma espécie de contentor de criação. Lá dentro estão revistas, imagens, materiais, pequenas ruínas que inspiraram ao longo dos anos o trabalho de Fernanda Fragateiro.

“Acho que é muito importante darmos pistas às pessoas” explica a artista que através destas peças pretende ajudar o público a entender a sua obra. “Os Material Labs é esse conjunto de obras que traz dentro de si materiais que revelam qual é o assunto, quais são as minhas preocupações”, descreve Fragateiro.

Na segunda sala a artista reuniu livros que são referência também para o seu trabalho numa mesa que antecipa a instalação de grande dimensão da última sala. É o “corolário do diálogo com a arquitetura e das questões com as quais a Fernanda Fragateiro tem vindo a lidar”, disse Delfim Sardo na apresentação da exposição.

Segundo o administrador do CCB, esta exposição que se situa no espaço contiguo à exposição de Luigi Ghirri “faz um sentido muito particular. Há um foco nas questões da paisagem e da arquitetura, numa geografia social da arte, que é uma das tónicas mais importantes da arte nos dias de hoje”, indicou.

Na última sala surge uma instalação feita em madeira, uma rede de traves e cavaletes que evocam a ideia de construção. Fernanda Fragateiro explica “ao fazer este trabalho” sentiu que estava a “regressar às primeiras instalações” que fez onde “usava madeira e tinha uma relação muito forte com a arquitetura.

Gravado na memória da artista está o incêndio do Chiado que na década de 80 deixou a descoberto as ruínas dos edifícios e as suas estruturas. “Pôs à vista os esqueletos das construções”, recorda Fernanda Fragateiro.

A artista que assume que o seu trabalho teve sempre uma “relação muito forte com a paisagem”, explica que escolheu algumas frases e títulos de livros para inscrever nas traves de madeira que fazem a instalação.

“Em Bruto: Relações Comoventes” é uma exposição que pode ser visitada até 10 de setembro, no Museu CCB.


por Maria João Costa in Renascença | 18 de maio de 2023
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Rádio Renascença

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

Ganhe convites duplos para o espetáculo "City of Glass"

Em parceira com o Auditório de Espinho, oferecemos convites duplos para o concerto de Daniel Bernardes Trio & Coro Ricercare que terá lugar no próximo dia 2 de março (sábado), às 21h30. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Passatempo

Ganhe convites para a antestreia do filme "NO WAY UP - SEM SAÍDA"

Em parceria com a Films4You, oferecemos convites duplos para a antestreia de um inquietante thriller, NO WAY UP - SEM SAÍDA, sobre luta pela sobrevivência depois da queda de um avião no Oceano Pacífico. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Visitas
88,941,906