"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

Morreu a Rainha do rock'n'roll Tina Turner, aos 83 anos

Artista sofria de doença oncológica. Notícia foi anunciada pelo porta-voz da cantora.

Tina Turner. © Christian Charisius / dpa / AFP

"Tina Turner, a Rainha do Rock'n Roll' morreu pacificamente hoje, aos 83 anos, na sua casa em Kusnacht, perto de Zurique, na Suíça, após doença prolongada. Com ela, o mundo perde uma lenda da música e um exemplo", anunciou o porta-voz da artista em comunicado citado pela Sky News.

A morte também foi anunciada no Instagram da própria Tina Turner, onde é recordada uma artista que "encantou milhões de fãs em todo o mundo e inspirou as estrelas de amanhã".

Tina Turner foi diagnosticada em 2016 com um cancro no intestino e também sofria de hipertensão e insuficiência renal.

A cantora considerou o suicídio assistido, mas o seu marido, Erwin Bach, ofereceu-se para doar-lhe o rim, tendo o transplante ocorrido em abril de 2017.

Antes, em 2013, a artista sofreu um derrame e teve de aprender a andar novamente.

A estrela americana nasceu a 26 de novembro de 1939 em Nutbush, no estado do Tenneesse. Ficou conhecida mundialmente por êxitos como 'Private Dancer', 'Simply the Best', 'Golden Eye' ou 'What's Love Got to Do with It'.

O auge da carreira da artista foi no ano de 1984, quando chegou ao primeiro lugar da tabela Billboard, graças ao êxito mundial "What's Love Got to Do it", já depois do sucesso com o marido Ike na década de 1960, com a clássica música 'River Deep, Mountain High' no seu repertório, e de declínio dos anos 70.

Seguiu-se-lhe Private Dancer, que vendeu mais de 11 milhões de cópias em todo o mundo. Nesse ano, recebeu um MTV Music Award, dois American Music Awards e quatro Grammy Awards. Em fevereiro de 1985, com 45 anos, Tina Turner lançou-se na sua primeira digressão mundial, com 170 concertos.

Até ao final dos anos 80, Tina Turner entrou no filme Madmax 3 - Além da Cúpula do Trovão, teve êxitos como We Don´t Need Another Hero, Typical Male ou The Best, e continuou a encher estádios um pouco por todo o lado. Depois disso, ainda gravou uma canção para James Bond (GoldenEye) mas, a partir daí, os megaêxitos começaram a escassear.

Com admiradores que vão de Beyoncé a Mick Jagger, Turner foi uma das artistas mais bem-sucedidas do mundo, vendendo mais de 150 milhões de discos em todo o mundo.

Conquistou 12 Grammys, foi eleita juntamente com Ike para o 'Rock and Roll Hall of Fame' em 1991 e sozinha em 2021.

A sua vida serviu como base para um filme, um musical da Broadway e um documentário da HBO em 2021, que a própria considerou ser uma despedida pública.

Tina Turner aprendeu alemão e foi viver para a Suíça em 1995, juntamente com o seu companheiro Erwin Bach, um alemão envolvido na indústria da música, com o qual veio a casar em 2013.

Para a cantora este foi o segundo casamento depois de uma união de 16 anos (entre 1962 e 1978) com Ike Turner, que terá terminado devido a maus tratos mas da qual resultou um filho, Ronald. Antes havia dado à luz de outro filho, Craig, fruto de uma relação anterior com o músico Raymonh Hill.

 


in Diário de Notícias | 24 de maio de 2023
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Jornal Diário de Notícias
Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Visitas
92,446,642