"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Publicações

Relatório da Fundação AIS revela que um em cada três países do mundo não tem liberdade religiosa básica

Mais perseguição, mais ameaças aos crentes, mais impunidade. O Relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, que hoje vai ser apresentado oficialmente na Assembleia da República, em Lisboa, faz um retrato preocupante deste direito humano fundamental.

Os números não permitem segundas leituras: a liberdade religiosa é fortemente restringida em 61 dos 196 países do mundo. Isto significa uma ameaça directa para 4,9 mil milhões de pessoas…

É um direito humano fundamental, mas não é respeitado. No mais recente Relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, produzido pela Fundação AIS e que vai ser divulgado oficialmente hoje, pelas 19 horas, na Assembleia da República, num evento que recebeu o Alto Patrocínio do Presidente da República, não há margem para dúvidas. O direito humano à liberdade de pensamento, de consciência e de religião é violado em cerca de um terço dos países do mundo, ou seja, em 61 das 196 nações. Mas o Relatório da AIS aponta para outro dado também brutal e inquietante: Quase 4,9 mil milhões de pessoas, ou seja, 62% da população mundial, vivem em países onde a liberdade religiosa é fortemente restringida. O estudo, produzido a nível internacional por uma equipa pluridisciplinar da AIS, abrange os anos de 2021 e 2022, indica que dos 61 países onde a discriminação e a perseguição são claramente visíveis, consegue-se perceber que em 49 deles, é o próprio governo que persegue ou mesmo assassina os seus cidadãos por motivos religiosos. E isto acontece sem praticamente qualquer reacção da comunidade internacional.

MAPA GLOBAL

O Relatório da Fundação AIS indica os países onde se regista algum tipo de violência, discriminação ou perseguição por motivos religiosos, e cataloga-os segundo a intensidade em que isso se verifica. No mapa global, 28 Estados estão marcados a Vermelho como países que se transformaram de alguma forma nos locais mais perigosos do mundo para a prática livre da religião, e 33 estão a Laranja, indicando elevados níveis de discriminação. Em 47 destes países, a situação piorou desde a publicação do último Relatório, ao passo que a situação ape
nas melhorou, em termos de liberdade religiosa, em nove deles. Uma das constatações da leitura deste documento é que as mi

norias religiosas têm sido particularmente vulneráveis, enfrentando discriminação, perseguição e violência com pouca resposta da comunidade internacional. O silêncio cúmplice do mundo contribui muito para esta cultura de impunidade de regimes que por questões considerados estrategicamente importantes para o Ocidente, que acabam por não ser objecto de sanções internacionais ou de quaisquer outras consequências pelas suas violações da liberdade religiosa. O mesmo se aplica a países como a Nigéria e o Paquistão. Outro exemplo dos regimes opressivos, é a Nicarágua, onde se registam níveis muito elevados de violações à liberdade religiosa.

CHINA, INDIA, PAQUISTÃO…

Ao longo dos anos de 2021 e 2022, a China e a Coreia do Norte continuam a ser os dois países da Ásia com o pior registo de violações dos direitos humanos, incluindo a liberdade religiosa, com o Estado a exercer um controlo totalitário através da vigilância e de medidas extremas de repressão contra a população. Mas a Índia e o Paquistão merecem também uma atenção muito especial. Na Índia, regista-se o aumento dos níveis de perseguição, fruto de um nacionalismo étnico-religioso que prejudica as minorias. Exemplo disso, foram aprovadas ou poderão vir a ser implementadas leis anti-conversão em 12 estados da Índia, com penas que podem ir até 10 anos de prisão. No Paquistão, verifica-se uma continuidade de incidentes relacionados com a conversão religiosa forçada de raparigas e mulheres cristãs e hindus, duas das principais minorias religiosas do país, o que se traduz em raptos e violência sexual, incluindo casos de escravatura sexual.

ÁFRICA, CONTINENTE VIOLENTO

A pandemia de COVID-19, os conflitos geopolíticos, as crises económicas e a ascensão de autocratas desviaram a atenção e os recursos da resolução das violações deste direito humano fundamental. Uma das regiões do globo onde a perseguição por motivos religiosos se acentuou mais foi em África. Este continua a ser o continente mais violento, com um aumento dos ataques jihadistas, o que torna a situação da liberdade religiosa ainda mais alarmante. A concentração da actividade jihadista é especialmente evidente na região do Sahel, em torno do Lago Chade, em Moçambique e na Somália, e está a alastrar para os países vizinhos, muitos dos quais permanecem sob observação, tendo sofrido ataques islamistas nas suas fronteiras.

PERSEGUIÇÃO EDUCADA

Mas não se pense que na Europa está tudo bem. O relatório produzido pela Fundação AIS chama a atenção para a preocupação com os crescentes limites à liberdade de pensamento, consciência e religião nos países que pertencem à Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, a OSCE. Nos últimos dois anos, o Ocidente passou de um clima de “perseguição educada” àqueles que querem viver e expressar abertamente a sua fé para um clima de “cultura do cancelamento” e de “linguagem forçada”, com uma forte pressão social para estar em conformidade com as tendências ideológicas actuais. Como nota positiva, assinala-se um aumento das iniciativas de diálogo inter-religioso e o regresso às celebrações religiosas sem restrições em muitos países, após o confinamento imposto pela COVID-19.

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

O Relatório hoje divulgado é o primeiro documento produzido com a chancela da Fundação AIS durante o mandato de Regina Lynch como nova presidente executiva internacional da instituição pontifícia. Além de Lisboa, o Relatório da fundação pontifícia vai ser divulgado nomeadamente em Madrid, Roma, Berlim e Paris, num total de 10 países em três continentes, em sessões que vão contar com figuras públicas de relevo, como é o caso do Ministro dos Negócios Estrangeiros de Itália e do Cardeal Mauro Piacenza, que vão participar no evento na Embaixada italiana na Santa Sé, ou de Augusto Santos Silva, o presidente da Assembleia da República de Portugal, que vai participar na sessão que terá lugar no Palácio de São Bento.

Além da segunda figura da hierarquia do Estado, o lançamento do Relatório sobre a Liberdade Religiosa vai contar, em Lisboa, com o testemunho do padre espiritano Bernard Adukwu, oriundo da Diocese de Idah, na Nigéria, e a participação do presidente da Comissão para a Liberdade Religiosa, Vera Jardim, e do ‘publisher’ da Rádio Observador, José Manuel Fernandes, que fará a análise às principais conclusões do documento. Durante a sessão, que contará também com a presença de Catarina Martins de Bettencourt, directora do secretariado português da Fundação AIS, e terá início pelas 19 horas, será exibido um vídeo produzido pela Ajuda à Igreja que Sofre AIS com as principais conclusões do Relatório. A sessão terá transmissão em directo pelas redes sociais da Fundação AIS.




+ info » fundacao-ais.pt

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

Ganhe convites duplos para o espetáculo "City of Glass"

Em parceira com o Auditório de Espinho, oferecemos convites duplos para o concerto de Daniel Bernardes Trio & Coro Ricercare que terá lugar no próximo dia 2 de março (sábado), às 21h30. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Passatempo

Ganhe convites para a antestreia do filme "NO WAY UP - SEM SAÍDA"

Em parceria com a Films4You, oferecemos convites duplos para a antestreia de um inquietante thriller, NO WAY UP - SEM SAÍDA, sobre luta pela sobrevivência depois da queda de um avião no Oceano Pacífico. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Visitas
88,962,509