"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

GUILHERME CORREIA HOMENAGEADO

Na 7ª edição da Bienal de Artes Plásticas da Marinha Grande 2008, que decorre de 20 de Setembro a 19 de Outubro, no Parque Municipal de Exposições, a Câmara Municipal da Marinha Grande homenageia o pintor marinhense Guilherme Correia.

Na 7ª edição da Bienal de Artes Plásticas da Marinha Grande 2008, que decorre de 20 de Setembro a 19 de Outubro, no Parque Municipal de Exposições, a Câmara Municipal da Marinha Grande homenageia o pintor marinhense Guilherme Correia.

No espaço da Bienal existirá uma exposição retrospectiva da sua obra (extra concurso), que terá lugar próprio e o devido destaque no catálogo da Bienal.

Guilherme Augusto de Oliveira Correia nasceu na Marinha Grande, em 1923. Faz parte de uma família de consagrados artistas plásticos, entre os quais seu pai, Mestre João Correia, que se notabilizou na arte de pintar a óleo e aguarela e na criação de cenários para o Teatro Nacional D. Maria II (à época); e seu irmão, o Escultor Joaquim Correia, ex-Director da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa. Os seus filhos seguiram o mesmo caminho, Pedro Correia com os cursos de Pintura e Arquitectura e Paulo Guilherme também dedicado à pintura.

É aguarelista de feição naturalista. Exímio retratista, paisagista e marinhista.

Teve a seu cargo a Direcção Artística da Companhia Industrial Portuguesa e também da Fábrica Santos Barosa.

É Autor do símbolo e respectiva «Medalha de Turismo de Leiria/Rota do Sol» e do logótipo alusivo aos «250 Anos do Vidro», criado para a Câmara Municipal da Marinha Grande.

Guilherme Correia, sempre dedicado à aguarela, está representado no Museu Maria da Fontinha, em Castro d’Aire e em diversas colecções particulares, dentro e fora do País.

Expôs na II Bienal dos Artistas de Leiria, promovida pela Câmara Municipal da Leiria, fazendo também parte da sua organização.

Esteve presente nas cinco Bienais de Alenquer, na qualidade de Artista Convidado.

De entre as várias exposições individuais, destacam-se as realizadas na Galeria Capitel (Leiria), nos anos 1974, 1982, 1984, 1993, 1995 e 1998.

Foi convidado pelos artistas internacionais, para estar presente no Centro Cultural de Nova Iorque, em Barcelona, nas Caraíbas em Tóquio (2006).

É autor da aguarela “Leiria”(2007), uma encomenda para oferta, já concretizada, ao Presidente da República Cavaco Silva.

É autor de retratos de personalidades nacionais.

Exposições do pintor

Exposições Individuais: (selecção) «Galeria Capitel», Leiria (1074, 1982, 1984, 1993, 1995, 1998, 2000 e 2003) e «Galeria Castelo S. Jorge», Lisboa, a convite da Embaixada da Bélgica, em Portugal (1991).

Exposições Colectivas: (53) Leiria, Marinha Grande, Porto e Lisboa.

Exposições no Estrangeiro: (selecção) «Centro Cultural de Barcelona», Espanha (2000); «Centro Cultural de New York», EUA (2002); «Exposição Artistas em Miami», Florida, EUA e «Exposição Federação da Cultura Portuguesa» (2003); «Centro Cultural de Tóquio», Japão (2000 e 2006).

Bienais/Salões: «II Bienal Arte Plásticas», organizada pela Câmara Municipal de Leiria (1996); I e II Bienal de Artes Plásticas, Marinha Grande (1996 e 1998) e I , II, III, e IV Bienal Arte Figurativa», Alenquer (1998, 2000, 2004 e 2006).

Antologiado: «Colecções Atelier», Documentário Filmado (VHS), Produções Anifa Tajú (Vol. 2), «Naturalismo: Arte Maior – Alguns dos Melhores Aguarelistas Portugueses», Lisboa (2002), de Afonso Almeida Brandão.

Colecções Particulares: Portugal, Espanha, EUA e Japão.
Representado: Museu Maria da Fontinha (Castro D’Aire); Museu João Mário (Alenquer), Museu Joaquim Correia (Marinha Grande); Acervo «Galeria Capitel» (Leiria); Acervo Câmara Municipal de Leiria; Acervo Conservatório de Artes de Leiria.

Colecções Privadas: Joaquim Vieira (Leiria) e Dr. Marcelo Rebelo de Sousa (Lisboa).

Escreveram sobre a sua obra: Afonso Almeida Brandão, Ângela Belgama, Basílio Artur Pereira, Carlos Eugénio, Francisco Vieira da Rosa, Manuel Bontempo e Saúl António.

In Brandão, Afonso Almeida (2007: 83))“O Figurativo nas Artes Plásticas em Portugal no Século XX”


Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Visitas
62,818,642
>