"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Exposições

René Lalique e a Idade do Vidro

A primeira exposição que a Fundação dedica a René Lalique desde 1989 centra-se na relação do artista com o vidro, um dos materiais que mais utilizou na sua prática artística.

René Lalique. Pulseira «Mochos», c. 1900-1901. Coleção do Fundador


A seleção de 100 objetos, provenientes da Coleção do Fundador e de outros museus e coleções particulares, reúne joias, peças de ourivesaria, vidros e objetos de design.

O Museu Calouste Gulbenkian reúne na Coleção do Fundador quase duas centenas de obras de René Lalique, entre as quais se contam algumas das mais célebres joias criadas pelo artista.

A origem deste magnífico conjunto remonta à década de 1890, altura em que Calouste Gulbenkian e René Lalique se conheceram. A amizade de ambos, que durou meio século, levou o colecionador a adquirir, entre 1899 e 1927, a quase totalidade das obras diretamente ao artista, com apenas uma exceção.

O percurso da exposição, cronologicamente ancorado em dois momentos chave da arte do século XX – a Exposição Universal de 1900 e a Exposição Internacional de Artes Decorativas e Industriais Modernas de 1925 – percorrerá, no entanto, todos os grandes momentos da carreira do artista, desde a fase de produção artesanal como joalheiro no período Arte Nova, até ao período em que assumiu o papel de «industrial-criador» iniciada no momento em que passou a dedicar-se exclusivamente ao vidro.

Após a instalação da fábrica de Wingen-sur-Moder, na Alsácia, em 1922, e movido pela ideia de «arte social», preconizada pelo crítico Roger Marx, Lalique diversificou e desenvolveu a sua produção vidreira, orientada a partir de então para a realização de objetos destinados ao consumo alargado e à utilização sistemática da aplicação do vidro na arquitetura e no design.

A exposição, a primeira inteiramente dedicada a René Lalique na Fundação Calouste Gulbenkian desde 1989, reúne exatamente uma centena de obras – entre joias, vasos, revestimentos decorativos, objetos de uso quotidiano -, e revela de que forma a procura da transparência esteve sempre presente na produção do artista.

Para este projeto, o Museu Calouste Gulbenkian conta com a colaboração excecional do Museu Lalique, Wingen-sur-Moder, e com objetos provenientes de algumas das mais importantes coleções particulares do mundo. Estas peças ilustram, sobretudo, etapas fundamentais da carreira do artista na transição para a realização de objetos produzidos em escala industrial no período Art Déco.

Curadora: Luísa Sampaio

PROGRAMAÇÃO COMPLEMENTAR
Visitas
Visitas orientadas
Sábados, 7 e 21 novembro, 12 dezembro, 15:00 
Saber mais

Visita e conversa com a curadora: 
«René Lalique e o vidro. A arte ao alcance de todos»
Sexta, 30 outubro, 16:30
Saber mais

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

Ganhe convites duplos para o espetáculo "City of Glass"

Em parceira com o Auditório de Espinho, oferecemos convites duplos para o concerto de Daniel Bernardes Trio & Coro Ricercare que terá lugar no próximo dia 2 de março (sábado), às 21h30. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Passatempo

Ganhe convites para a antestreia do filme "NO WAY UP - SEM SAÍDA"

Em parceria com a Films4You, oferecemos convites duplos para a antestreia de um inquietante thriller, NO WAY UP - SEM SAÍDA, sobre luta pela sobrevivência depois da queda de um avião no Oceano Pacífico. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Visitas
88,934,540