"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Literatura

Escola de Escritas acolhe um autêntico ciclo atlântico online

O propósito central da 18ª edição das Sessões Ícone é trazer até aos leitores portugueses, por meio de videoconferência, alguns dos mais premiados autores da lusofonia.

20 Fev a22 Mai

Online

Os nossos convidados vão estar frente a frente com os nossos leitores — a partir do Brasil, de Angola, de Moçambique — para conversar sobre livros e literatura. Itamar Vieira Junior, José Eduardo Agualusa, Ondjaki, Matilde Campilho, Andréa del Fuego, Reginaldo Pujol Filho, Luiz Antonio de Assis Brasil e Claudia Lage vêm juntar-se a um extenso conjunto de personalidades culturais que nos visitaram nos últimos anos. Afinal, os seis anos de Sessões Ícone traduzem-se em 17 edições, 130 sessões, 108 autores) e largas centenas de participantes.

Sessões Ícone XVIII - Um Ciclo Atlântico
– Itamar Vieira Junior (20 de fevereiro, 2021)
– José Eduardo Agualusa (27 de fevereiro, 2021)
– Ondjaki (13 de março, 2021)
– Matilde Campilho (27 de março, 2021)
– Andréa del Fuego (10 de abril, 2021)
– Reginaldo Pujol Filho (24 de abril, 2021)
– Luiz Antonio de Assis Brasil (8 de maio, 2021)
– Claudia Lage (22 de maio, 2021)

Contexto
Desde 2014, a EC.ON Escola de Escritas tem organizado sessões literárias com alguns dos mais respeitados escritores em Portugal (e não só), as Sessões Ícone. Nos seus seis anos de actividade, houve lugar a 17 edições, materializadas em 130 sessões, com a presença de 108 autores de referência e centenas de participantes. Nestas sessões, cada autor conversa sobre os seus processos criativos e as suas metodologias de criação literária. É, ainda, convidado a explicitar o seu universo de referências literárias. Ao longo do tempo, estas sessões contaram com alguns dos nomes maiores da literatura em língua portuguesa: Lídia Jorge, Mário de Carvalho, Mário Cláudio, Nuno Júdice, Gonçalo M. Tavares, José Luís Peixoto, João Tordo, Pedro Mexia, António Mega Ferreira, Afonso Cruz, Ana Margarida de Carvalho, Bruno Vieira Amaral, Valério Romão, Dulce Maria Cardoso, Luísa Costa Gomes, Hélia Correia, Frederico Lourenço, 1 Ricardo Araújo Pereira, Richard Zimler, Teolinda Gersão, Alice Vieira, entre muitos outros.

Sobre a EC.ON
Escola de Escritas A EC.ON Escola de Escritas é uma das referências em Escrita Criativa, não apenas em Portugal, mas no mundo lusófono. Foi uma das pioneiras, no universo dos países de língua oficial portuguesa, no ensino online de Escrita Criativa e criação literária. Oferece, regularmente, cerca de 79 cursos e possui um corpo docente com 28 escritores de Portugal, do Brasil e de Angola.

Sobre os Autores Convidados

Itamar Vieira Junior
É a grande sensação da literatura brasileira nos últimos anos. Venceu o Prémio Leya (2018), o Prémio Jabuti (2020) e o Prémio Oceanos (2020) com o seu romance de estreia, Torto Arado. O seu trabalho anterior, a colectânea de contos A Oração do Carrasco (2017), já havia valido ao autor entrar nos finalistas do Prémio Jabuti, o segundo lugar no Prémio Bunkyo de Literatura 2018 e o Prémio Humberto de Campos da União Brasileira de Escritores (Secção Rio de Janeiro). Além da actividade literária, Itamar Vieira Junior é geógrafo de formação, doutorado em Estudos Étnicos e Africanos. Será o responsável pela abertura das Sessões Ícone XVIII!

José Eduardo Agualusa
O romance Os Vivos e os Outros (2020) é o livro mais recente de José Eduardo Agualusa. É o último de uma longa série de obras. Entre romances, novelas, livros de contos e colectâneas de crónicas, tem dezenas de livros publicado em inúmeros idiomas, sendo um dos mais destacados (e premiados) autores da lusofonia. Venceu o Grande Prémio de Literatura da RTP, o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco da APE, o Prémio Fernando Namora e o Independent Foreign Fiction Prize e International Dublin Literary Award. Foi, ainda, finalista do Man Booker International, em 2016.

Ondjaki
Ondjaki nasceu em Luanda, em 1977. É conhecido pelos livros de contos E se Amanhã o Medo (2005) e Os da Minha Rua (2007) e pelos romances Bom Dia Camaradas (2001) e Quantas Madrugadas Tem a Noite (2004). Venceu o Prémio Literário António Paulouro (2005), o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco (2007), o Grinzane for Africa Prize (2008) e o Prémio Jabuti de Literatura, na categoria Literatura Juvenil (2010). O livro Os Transparentes valeu ao autor o Prémio José Saramago (2013) e o Prix Littérature-Monde (2016). O Livro do Deslembramento (2020) é a sua obra mais recente.

Matilde Campilho
A sua obra de estreia, o livro de poesia Jóquei, saiu em 2014. Além de se ter tornado um sucesso em Portugal (com sucessivas edições), a obra foi posteriormente publicada no Brasil e em Espanha. Matilde Campilho foi uma das convidadas em destaque na 13ª edição da FLIP – Festa Literária Internacional de Paraty. Publicou textos em diversas revistas (Granta, New Observations, Berlin Quarterly, entre outras publicações). O livro de narrativas curtas Flecha (2020) é a sua obra mais recente.

Andréa del Fuego
Escritora e jornalista, publicou os volumes de contos Minto Enquanto Posso (2004), Engano Seu (2007) e Nego Fogo (2009). Com seu primeiro romance, Os Malaquias (2010), Andréa del Fuego venceu o Prémio Saramago 2011. Foi, ainda, finalista dos Prémios São Paulo de Literatura e Jabuti (na categoria Romance). Lançou, posteriormente, o livro As Miniaturas (2013). É uma das autoras retratadas na série documental Herdeiros de Saramago (RTP).

Reginaldo Pujol
Filho É autor dos livros Quero Ser Reginaldo Pujol Filho (2010), Só Faltou o Título (2015) e Não, Não É Bem Isso (2019). É também o curador da Coleção Gira, da editora Dublinense, dedicada a literaturas de língua portuguesa. Organizou a antologia Desacordo Ortográfico (2009), lançada em Portugal e no Brasil. Reginaldo Pujol Filho é pós-graduado em Artes da Escrita pela Universidade Nova de Lisboa e doutorado em Letras – Escrita Criativa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Luiz Antonio de Assis Brasil
Luiz Antonio de Assis Brasil nasceu em Porto Alegre, em 1945. Fundou na PUCRS, em 1985, a mais antiga oficina literária brasileira em funcionamento no âmbito académico. É um dos mais prestigiados académicos no universo da criação literária. Entre as suas publicações, destaque para Cães da Província (1987), O Pintor de Retratos (2001), A Margem Imóvel do Rio (2003), Figura na Sombra (2012), O Inverno e Depois (2016) e Escrever Ficção – Um Manual de Criação Literária (2019). A sua obra literária valeu-lhe o Prémio Machado de Assis da Biblioteca Nacional, o Prémio Literário Nacional do Instituto Nacional do Livro, o Prémio Portugal Telecom/ Oceanos e o Prémio Érico Veríssimo. Foi, ainda, secretário da Cultura do Rio Grande do Sul entre 2011 e 2014.

Mais Informações:
http://escritacriativaonline.net/
http://escritacriativaonline.net/cursos/icone/
Agenda
Ver mais eventos
Visitas
57,145,769
>