"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Teatro e Dança

Bodas de Sangue

Bodas de Sangue é um dos três textos de Federico García Lorca que António Pires encena na Trilogia Dramática da Terra Espanhola. Um ciclo em três palcos, assegurado pelo mesmo elenco, como se de uma única obra se tratasse.

3 Mar a14 Mar

Online
Preço
2.00€

Devido às circunstâncias da crise sanitária, o espetáculo estreia em formato vídeo na plataforma de streaming do Teatro São Luiz. Podem ainda ser vistas, também online, Yerma e A Destruição de Sodoma, primeiro andamento desta Trilogia Dramática da Terra Espanhola coproduzida pelo Teatro do Bairro e o teatro municipal.

Acesso a Bodas de Sangue aqui.

A Trilogia é apresentada como um ciclo de três espetáculos a decorrer em três palcos: Teatro do Bairro, Teatro S. Luiz e Galeria Graça Brandão, assegurada pelo mesmo elenco, como se de uma única obra se tratasse: um enorme desafio para os 12 atores, que implica dificuldade e resistência mas que dará ao público a dimensão da unicidade da obra.

Nas suas últimas entrevistas, Lorca mostrava-se absolutamente convicto quanto à necessidade de um regresso à atmosfera trágica mediterrânica no seu projeto dramatúrgico, adiantando ao público os títulos das três obras que o efetivariam: Yerma, As Bodas de Sangue, e A Destruição de Sodoma. Infelizmente, o poeta não pôde levar a sua missão até ao fim.

Hoje, as duas primeiras peças da trilogia, Yerma e Bodas de Sangue, figuram entre as obras-primas de García Lorca. A Destruição de Sodoma, por sua vez, resigna-se à incompletude que a limita apenas às suas primeiras linhas, contidas numa página única do manuscrito. Por se tratar de um diálogo coral, a cena inicial de A Destruição de Sodoma, apesar de curta, permite uma considerável aproximação com os coros de As Bodas de Sangue e de Yerma, revelando, em alguma medida, aspectos globais do projeto trágico Lorquiano.

Em ano em que a companhia do Teatro do Bairro escolheu a Arquitetura como disciplina para estabelecer o diálogo entre o Teatro e as diversas artes, convidámos os arquitectos João Mendes Ribeiro, que há muito desenvolve um trabalho regular com a companhia, João Nunes e Iñaki Zoilo, e ainda Manuel Aires Mateus e Sia Arquitectura para pensarem os espaços cénicos desta Trilogia.

FICHA ARTÍSTICA

Encenação ANTÓNIO PIRES
Com ALEXANDRA SARGENTO, CAROLINA CAMPANELA, CAROLINA SERRÃO, FRANCISCO VISTAS, HUGO MESTRE AMARO, JAIME BAETA, JOÃO BARBOSA, JOÃO MARIA, MARINA ALBUQUERQUE, MARIANA BRANCO, SOFIA MARQUES, RITA DURÃO.
Texto FEDERICO GARCIA LORCA 
Tradução ORLANDO VITORINO e AZINHAL ABELHO (Yerma) LUÍS LIMA BARRETO (A Destruição de Sodoma) CECÍLIA MEIRELES (As Bodas de Sangue)
Música PAULO ABELHO e JOSÉ AVELINO 
Cenografia JOÃO NUNES e IÑAKI ZOILO (Yerma) JOÃO MENDES RIBEIRO (A Destruição de Sodoma)  MANUEL AIRES MATEUS e SIA ARQUITETURA (As Bodas de Sangue)
Figurinos LUÍS MESQUITA 
Desenho de luz RUI SEABRA 
Desenho de som PAULO ABELHO 
Movimento PAULA CARETO 
Caracterização IVAN COLETTI 
Assistência de Encenação MIGUEL BARTOLOMEU
Construção cenário FÁBIO PAULO 
Costureira ROSÁRIO BALBI 
Ilustração JOANA VILLAVERDE 
Direção de produção IVAN COLETTI 
Administração de produção ANA BORDALO 
Comunicação MARIA JOÃO MOURA 
Produtor ALEXANDRE OLIVEIRA 

Produção AR DE FILMES / TEATRO DO BAIRRO 
Co-produção TEATRO MUNICIPAL SÃO LUIZ e GALERIA GRAÇA BRANDÃO

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
58,032,453
>