"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Exposições

24 de agosto 1820. A revolução em imagens

A exposição apresentada na Biblioteca Nacional de Portugal evoca um período fundamental para o amadurecimento da modernidade política e social do país exibindo exemplos da escassa produção de representações visuais da revolução de 1820, cujo bicentenário recentemente se assinalou.

Le gâteau des rois. Tiré au Congrès de Vienne en 1815. Musée Carnavalet.

25 Nov a22 Jan

Biblioteca Nacional de Portugal
Campo Grande, 83, 1749-081 Lisboa
Preço
Entrada livre


Quando falamos da Revolução Portuguesa de 1820 ou do triénio revolucionário até 1823, temos em conta um conjunto de fatores históricos que, à partida, marcaram as revoluções da Europa do sul. O primeiro é a condição pós-termidoriana da Revolução Francesa, em 1794, que anulou o período do «Terror» e o espectro do radicalismo jacobino, com a instalação da alta burguesia girondina no poder que entregaria a Napoleão em 1799.


Não menos importante, as invasões francesas à Península Ibérica que, no caso português, acarretaram, por um lado, a transferência da Corte para o Brasil e o perigo da perda da dependência do mercado brasileiro e, por outro, um domínio militar inglês de facto, não obstante a existência de uma Regência no continente; enquanto em Espanha permitiu o breve advento da experiência liberal de Cádis e de uma Constituição em 1812, compromissória com a monarquia de Fernando VII, que acabou por restaurar os antigos privilégios da nobreza e do clero espanhol.


Finalmente, o Congresso de Viena de 1814-1815 que repôs, após a conclusão das guerras napoleónicas, o absolutismo em toda a Europa, fazendo regressar o velho continente à ordem política e social do Antigo Regime.

Quando ocorreram as revoluções liberais em Espanha e Portugal, em 1820, a noção de revolução estava já depurada e estribava-se em compromissos vários, o primeiro dos quais assentava na crença no «bom e amado rei», na ausência de qualquer radicalismo ? aquilo a que Almeida Garrett veio a chamar uma «revolução feita pelo governo» e «sem que o povo nela entrasse». O seu epílogo foi a contrarrevolução e a entrada em massa dos liberais no exílio.

Ao contrário do que se havia verificado em França, logo desde 1789, e em Espanha a partir de 1808, o período revolucionário em Portugal seria marcado por uma escassa produção de imagens dos acontecimentos, que acabariam por transformar a face da monarquia. A constatação é tanto mais estranha quanto à época as invasões francesas tinham tornaram o reino numa personagem da cultura visual do período. Portugal não esteve ausente da gravura e da caricatura daqueles tempos, aparecendo, sobretudo, nas obras de origem britânica, sendo o país quase sempre identificado pela figura do príncipe regente D. João, embora nunca ocupando o lugar central das cenas retratadas.

Apresentando níveis de analfabetismo esmagadores, situação que não seria muito diferente da ocorrida na vizinha Espanha, seria de supor que em Portugal, o recurso à imagem (alegórica ou mesmo mais realista) fosse um instrumento usado pelas elites políticas envolvidas no processo revolucionário como forma de ilustração e de propaganda das mudanças que ocorriam ou se projetavam para a sociedade portuguesa. Todavia, tal situação nunca se confirmou. O regime fundado em 1820 acabou por não recorrer à cultura visual, enquanto utensílio de comunicação política, não se verificando qualquer tipo de aproveitamento pedagógico na difusão da nova ideologia junto das massas iletradas. A revolução liberal em Portugal foi uma revolução sem imagens.

Luís Costa Dias e Paulo Jorge Fernandes

> As visitas à BNP obrigam à desinfeção das mãos. É recomendado o uso de máscara durante a permanência no edíficio.

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Visitas
62,832,120
>