"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Teatro e Dança

Cendrev e A Escola da Noite estreiam "Floresta de Enganos" em Évora

A terceira co-produção entre as duas companhias tem encenação de José Russo e fica em cena no Teatro Garcia de Resende até 12 de Dezembro, de quarta a domingo.

2 Dez a12 Dez

Teatro Garcia de Resende
Praça Joaquim António de Aguiar, 7000 Évora


Escrita e representada pela primeira vez em Évora em 1536, “Floresta de Enganos” é a última obra de Gil Vicente. Considerada, a muitos títulos, como uma “peça-problema” dentro da obra vicentina, é uma peça de enigmas e mistérios, de subentendidos que deixaram de ter o seu contexto, em que se cruzam os planos de seres mitológicos e terrenais.

Classificada como comédia na Compilação de 1562, esse é o tom em que a peça se desenvolve, com personagens que reciprocamente tentam enganar-se em histórias paralelas e um “gran finale”, com casamento e música. No prólogo, o Filósofo anuncia mesmo uma “fiesta de alegría”, que começa com um Mercador que “pensando d'enganar, / ha de quedar engañado” e ao longo da qual havemos de conhecer a história de Grata Célia, filha do Rei Telebano, vítima dos amores do próprio Cupido e dos sucessivos enganos que este engendra para conquistar o afecto da Princesa.

Ao contrário do resto da peça, e sobrevivendo como “texto autónomo”, este prólogo tem, contudo, acentos trágicos. O Filósofo, com um Parvo atado ao pé, preso e proibido de falar, não deixa de segredar ao público que está a pagar pelo que disse, pelo que criticou, pelos seus “consejos muy sanos”. Escrito no mesmo ano em que a Inquisição haveria de chegar a Portugal e ponto terminal da obra de Gil Vicente, o discurso deste Filósofo parece constituir um testemunho e um testamento das ideias políticas, sociais e religiosas do autor.

Com encenação de José Russo, director artístico do Cendrev, “Floresta de Enganos” é a terceira co-produção entre as duas companhias, depois de “O Abajur Lilás”, de Plínio Marcos (2012) e de “Embarcação do Inferno”, também de Gil Vicente (2016). O texto é representado em Português, com a tradução dos versos castelhanos feita por José Bento em 1999, para o Teatro da Cornucópia, publicada pela Assírio & Alvim. O elenco é composto por Ana Meira, Beatriz Wellenkamp Carretas, Hugo Olim, Ivo Luz, Jorge Baião, José Russo, Maria Marrafa e Miguel Magalhães e o espaço cénico foi criado por João Mendes Ribeiro, Luísa Bebiano e Sebastião Resende (também autor das esculturas que integram a cenografia). A equipa artística inclui ainda Paulo Vaz de Carvalho (música e oralidade), Ana Rosa Assunção (figurinos e adereços) e António Rebocho (desenho de luz). As companhias contaram uma vez mais com a consultadoria científica de José Augusto Cardoso Bernardes, investigador e professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, especialista na obra de Gil Vicente, que há muitos anos acompanha os percursos vicentinos dos dois grupos.

Em Évora, o espectáculo pode ser visto no Teatro Garcia de Resende entre 2 e 12 de Dezembro, de quarta a sábado às 21h30 e ao domingo às 16h00. Os bilhetes podem ser comprados online ou reservados antecipadamente pelos contactos habituais do Teatro.

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Visitas
63,955,296
>