"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Exposições

Exposição "Once Upon a Time" de Rui Castanho

A Galeria Balcony e o artista Rui Castanho convidam a visitar a exposição, “ONCE UPON A TIME”, patente até 12 de março de 2022.

29 Jan a 12 Mar 2022

Balcony Gallery
Rua Coronel Bento Roma 12A, Alvalade – Lisboa
Preço
Entrada livre

Once upon a time there was our time

À maneira da personagem Alice, de Lewis Carroll – que depois de beber um elixir mágico, decresce e pode passar através de uma porta minúscula - é preciso que nós mudemos para entrar e percorrer este “Once upon a time” de Rui Castanho. Este texto é uma parte do exercício de procurar por diferentes acessos um encontro com estes trabalhos, sabendo que nunca se tem garantias de admissão, e que qualquer acesso é parcial.

O interesse dos artistas pela “arte das crianças” ou a “arte dos loucos”, ou seja, pelos seus modos de fazer, não é de hoje. A criança com que Rui Castanho aprende é uma certa criança, e muito significativa e originalmente, também aprende com um certo tipo de adolescente.

A criança que interessa a Rui Castanho faz infantilmente, claro; e, faz brincando; é a criança que usa pequenos truques e astúcias de desenho e pintura, para obter determinados efeitos: aprende que o 2 também pode ser transformado num cisne, aprende “fórmulas” mágicas e repetíveis de obter outros efeitos visuais, etc.; mas também é a criança que – do seu próprio ponto de vista de criança – faz erros nos desenhos e pinturas: carregou demasiado com o lápis aqui e marcou a folha; vai-lhe faltando a tinta no marcador ou borrou ali, etc.; é a criança que “copia” as imagens que a enchem de alegria e são prazerosamente acessíveis ao seu fazer; e é também a criança que exibe, ou melhor, vai mostrando a cada passo o seu trabalho perpetuamente inacabado. Esta (outra) criança não é uma reserva de inocente liberdade à qual o adulto pode (imaginariamente) regressar. Esta (outra) criança - ou melhor, os seus modos de fazer - adquiriu direito de cidadania na arte.

(...)

Fernando Poeiras
Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Visitas
75,468,062