"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Exposições

Exposições "Vinco" de Pedro Quintas & "Faces of Others" de Gwendolyn van der Velden

As exposições de Pedro Quintas e Gwendolyn van der Velden marcam o segundo ciclo de exposições na Galeria Belo-Galsterer.

12 Mai a30 Jul

Galeria Belo-Galsterer
Rua Castilho 71, R/C 1250-068 Lisboa
Preço
Entrada livre

Como sempre, a Galeria Belo-Galsterer apresenta dois artistas num diálogo visual, escolhido através de uma curadoria cuidada. Desde sempre nos interessou criar exposições onde o público se encontra e envolve com as obras de arte num ambiente pessoal, já que a galeria se encontra no espaço de um apartamento antigo dos anos 1940: Convidamos por isso, mais uma vez a uma imersão num ambiente familiar do espaço doméstico para transformar a experiência de ver arte numa alternativa à crescente banalidade do 'white cube'.

Pedro Quintas: "Vinco"

A Galeria Belo-Galsterer tem muito gosto em anunciar "Vinco", a segunda exposição individual do artista Pedro Quintas na nossa galeria.

Nesta nova exposição, Quintas apresenta toda uma nova série de pintura de acrílico sobre tela. Dominam nela as cores intensas com linhas caraterísticas que contrastam fortemente com o fundo.

A intensidade das pinturas vibra pelo movimento virtuoso da base que deixou de ser lisa – a tela trabalhada com intensidade traz caraterísticas próprias para o domínio do desenho que sobre ela se apresenta. Como numa alusão livre a Matisse, (1) o artista introduz-nos num mundo de cor energético e libertador.

("1 “A cor, especialmente e talvez até mais do que o desenho, é uma libertação.” Henri Matisse)
**

biografia resumida: Pedro Quintas (PT, 1972), vive e trabalha em Lisboa.

Terminou em 1999 o Curso de Pintura e em 2001 o Curso Avançado de Artes Plásticas do Ar. co (Centro de Arte e Comunicação Visual em Lisboa).

Expondo regularmente, trabalha essencialmente a pintura e o desenho.

Exposições e projectos recentes foram, em 2022: Dobra, Rui Freire Fine Arts, Lisboa; em 2019: Flower Power para o PAC (Projecto Artistas Contemporâneos) / Vista Alegre, com lançamento do objecto na Galeria 111, Lisboa; O resto é a Sombra, Galeria Fernando Santos, Porto; em 2018: Ama as tuas rosas, Galeria Belo-Galsterer, Lisboa; LQR, com Cristina Lamas e Eduarda Rosa, Galeria 111, Lisboa; em 2017: 25 Anos - Galeria Fernando Santos, Galeria Fernando Santos, Porto; em 2016: Périplos/Arte portugués de hoy, CAC Málaga, Centro de Arte Contemporáneo de Málaga, ES; em 2013: Entre Memória e Arquivo, curad. Ruth Rosengarten, Museu Colecção Berardo, Lisboa; Sincronias: Artistas Portugueses na Coleção António Cachola, MEIAC, Badajoz, ES.

Coleções: Colecção AR. CO Lisboa; Colecção António Cachola / MACE, Elvas; Colecção Museu Berardo, Lisboa; Colecção MAAT / Fundação EDP, Lisboa; Colecção Fundação PLMJ, Lisboa.
**
**
Gwendolyn van der Velden: "Faces of Others"

A Galeria Belo-Galsterer tem muito gosto em anunciar Faces of Others, o primeiro projeto expositivo da artista Gwendolyn van der Velden na galeria.

Em aguarela e sobre superfícies grandes e fortes de papel Arches 300g, somos confrontados com as caras das outras: na procura de um interseção entre a paisagem e o retrato, a artista captou em traços subtis mas decididos o diluir do tempo nas linhas que revelam a história nos rostos de Alice, Amélia e Virgínia.

O uso pouco ortodoxo de aguarelas em grande formato exige um domínio da técnica e um entendimento dos materiais que obriga a um processo lento e de olhar profundo. Esse tempo de olhar o tempo, regista e reconhece em 3 grandes retratos o que o rosto das outras carrega da condição feminina e se expande para contar toda a história.
**
biografia resumida: Gwendolyn van der Velden (NL, 1972), vive e trabalha em Lisboa.

Formada pela Academia de Belas Artes S’Hertogenbosch na Holanda e com Pós-graduação dos De Ateliers de Amsterdam, a artista trabalha o desenho como disciplina transversal, do papel para o palco e para a performance.

Nos últimos anos, focou-se em trabalhos sobre papel de sobretudo grande formato, do qual nasceram aguarelas fora de formato. Uma série de caras que reduzidas ao seu essencial nos contam a história da sua vida.

Realizou residências artísticas nos EUA, em Amsterdam e Portugal.

A artista tem apresentado exposições individuais e participado em exposições coletivas em galerias e museus em todo o mundo, desde a Holanda a Lisboa até à Califórnia.
Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Visitas
69,374,115