"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Cinema e Vídeo

Porto Femme regressa de 18 a 23 de abril com 126 filmes

Sessões competitivas, mostra de filmes iranianos, retrospetiva Maria Clara Escobar e homenagem a Solveig Nordlund são alguns dos destaques desta 6ª edição.

18 Abr a 23 Abr 2023

Porto

Porto Femme - Festival Internacional de Cinema regressa ao Porto de 18 a 23 de abril para a sua 6ª edição. Ao longo de 6 dias, vão ser apresentados 126 filmes, oriundos de 41 países, 21 dos quais em estreia internacional e 36 em estreia nacional. 

Com uma programação cinematográfica composta exclusivamente por obras realizadas por mulheres, o Porto Femme inclui sessões competitivas, mostras, homenagens, workshops, debates, exposições e concertos e conta com a presença de 39 realizadoras convidadas para momentos de Q&A e encontros com o público.

O festival arranca no dia 18 de abril às 21h15 no Batalha Centro de Cinema com a exibição do filme Housemaid #2 de Roxanne Stam, e posteriormente um concerto de Ana Lua Caiano.

Como é habitual, o Porto Femme homenageia as mulheres-cineastas que se destacam ou destacaram no panorama cinematográfico. Nesta 6ª edição são homenageadas a atriz portuguesa Adelaide Teixeira e a realizadora Solveig Nordlund, duas figuras incontornáveis do cinema português. A instituição portuense PLANO I, que procura dar respostas concretas a um amplo conjunto de questões sociais, como a desigualdade, a discriminação, a violência, a exclusão e a pobreza, é também homenageada nesta edição com o prémio Sororidade.

Nesta edição, uma das novidades é a mostra integral da obra de Maria Clara Escobar, realizadora e poeta brasileira. Neste ciclo, que tem lugar na Casa Comum, vão ser apresentados todos os filmes da realizadora, nomeadamente as longas-metragens Desterro e Os Dias Com Ele, e as curtas Passeio de Família e Onde Habito. Além da projeção dos seus filmes, no dia 21 de abril, às 18h15, a realizadora vai estar disponível para falar com o público, numa conversa moderada por Júlia Marques, doutoranda em Media Artes na Universidade da Beira Interior, com ênfase no cinema de mulheres, autorrepresentação no cinema, cinemas periféricos e pós-coloniais.

O Porto Femme programa ainda uma sessão especial dedicada às mulheres cineastas iranianas. Embora seja impossível exibir todos os filmes iranianos de diferentes anos, incluindo o Irão pré-revolucionário, este programa oferece uma selecção de curtas-metragens recentes, que exploram temas de exílio, violência sexual, deslocamento e deslocação, linhagens feministas familiares e não-familiares e representações cinematográficas de intimidade. Este programa é uma prova da generosidade e coragem das realizadoras, numa altura em que muitos artistas não estão disponíveis para o fazer, temendo pela sua segurança.

Atividades paralelas: workshops, exposições, festas, performances e conversas

Nesta edição, são ainda organizadas “Conversas na Universidade”, de 19 a 21 de abril, em parceria com a Universidade Lusófona e o projeto de investigação Femglocal pretendem promover a reflexão sobre diferentes temáticas como os movimentos feministas, as pessoas trans, a opressão e a violência sobre as mulheres. Destaque ainda para as conversas com a presença das realizadoras, produtores e atrizes. As conversas serão moderadas por Vanessa Ribeiro Rodrigues, Célia Taborda, Ana Sofia Pereira, Carla Cerqueira e Priscilla Domingos.

Ao longo do festival vão realizar-se dois workshops: o primeiro nos dias 19, 20 e 21 na Universidade Fernando Pessoa com a realizadora brasileira Maria Clara Escobar, para aprofundar a ideia do "eu" e do "outro" no cinema; e o segundo no dia 22 de abril na Casa das Associações do Porto com Andreia Nunes sobre como preparar uma candidatura para concorrer a financiamentos audiovisuais.

Reflexos é o tema da exposição coletiva desta 6ª edição, que reflete e dialoga entre expressões, formas, reunindo o trabalho de 41 artistas, e que  acontece em dois momentos, em dois locais, sendo assim reflexos além de espaço e tempo, num conjunto de obras desde a fotografia, videoarte, pintura, ilustração, escultura e instalação.

As edições do Porto Femme também se pautam pelos momentos de diversão e convívio e como tal, estão agendadas três performances, um concerto, e duas festas com Dj Set sempre com as mulheres no comando!

O festival termina no dia 23 de abril, a partir das 19h15, numa cerimónia onde vão ser conhecidos os filmes escolhidos pelo júri e celebrar o cinema realizado por mulheres!

Assumindo-se, uma vez mais, como um espaço de liberdade criativa, partilha e debate para todas as mulheres-cineastas, em 2023 o Porto Femme realiza-se no Batalha Centro de Cinema, Casa Comum, Selina, Universidade Lusófona, Maus Hábitos, Miras Artes Performativas, Universidade Fernando Pessoa e Casa das Associações, afirmando-se cada vez mais no mapa dos festivais portuenses. 

Seleção Oficial 

COMPETIÇÃO INTERNACIONAL

Longas Metragens | Ficção:
Vera Dreams of the Sea, de Kaltrina Krasniqi | 87’ | Kosovo | 2021 
Woman on the Roof, de Anna Jadowska | 97” | Poland | 2022
Woman at Sea, de Dinara Drukarova | 84’ | França | 2022

Curtas Metragens | Ficção:
The first sunday after the first full moon, de Greta Grini?t? | 15’ | Lituânia | 2021 
Unveiling Selma, de Mariam Al Serkal, Maaria Sayed | 14’ | Emirados Árabes Unidos | 2022 
Housemaid #2, de Roxanne Stam | 12’ | Países Baixos | 2021 
It Happened at Home, de Apolline Pilley, Sydney Oberfeld | 9’ | Reino Unido | 2022 
Cycle, de Naz Çayba?? | 11’ | Turquia | 2022 
Just the two of us, de Clara Lemaire Anspach | 20’ | França | 2021 
Impatient Pain, de Marisa Ingold | 17’ | França | 2022 
Snowdrops at the end of the train, de Galina D. Georgieva | 25’ | Bulgária | 2022 
North Pole, de Marija Apcevska | 15’ | Macedónia | 2021 
Memoir of a Veering Storm, de Sofia Georgovassili | 14’ | Grécia | 2022 
Maruja, de erta Garcia-Lacht | 15’ | Espanha | 2022 
Other Cats to nip, de Ovidie | 26’ | França | 2023 
Suite Night, de Mahtab Pishghadam | 13’ | Irão | 2022 
Bravehearts, de Loli Menezes | 11’ | Brasil | 2023 
A Summer Place, de Alexandra Matheou | 20’ | Grécia, Chipre | 2021 
Escape, de Victoria Andino | 17’ | Argentina | 2022 
Mulaqat, de Seemab Gul | 20’ | Paquistão | 2021 
Deaf, de Nuria Muñoz-Ortín, Eva Libertad | 18’ | Espanha | 2021 
Popcorn, de Mónica Dolado | 13’ | Espanha | 2022 
Stille Post (Inbetween Home), de Brigitta Kanyaro | 17’ | Roménia | 2021 
Sand, de Rossana Montoya | 13’ | Colombia | 2022 
Warsha, de Dania Bdeir | 15’ | Líbano | 2022

Curtas Metragens | Animação:
Nubecita, de Katalin Egely | 3’ | Colombia, Hungria, Itália | 2022 
The Puppet, de Sonia Estevez | 10’ | Espanha | 2022 
Shadow of the Butterflies, de Sofia El Khyari | 9’ | França | 2022 
Elles, de Mélanie Saint-Germain | 8’ | Canadá | 2021 
Amarradas, de Carmen Córdoba | 10’ | Espanha | 2022 
Elena, de Birut? Sodeikait? | 12’ | Lituânia, França, Croácia | 2021 
Even stone flows, de Michaela ?opíková, Veronika Obertová | 3’ | Eslováquia | 2022 
Spring Roll Dream, de Mai Vu | 9’ | Reino Unido | 2022

Documentários:
Fearless, de Cristina Rodriguez Cerro e Rocio Fernandez Nicolas | 10’ | Áustria | 2021 
The day I discovered that Jane Fonda was a brunette, de Anna Salzberg | 85’ | França | 2022 
Medusa’s gaze, de Bénédicte Alloing, Ellénore Lemattre | 26’ | França | 2022 
Living Bodies (Cuerpos Vivos), de Andrea Arauz | 17’ | Honduras | 2022 
Julie on line, de Mia Ma | 78’ | França | 2021 
Guerreras, de Lotte van Raalte | 12’ | Países Baixos | 2023 
Tutto apposto Gioia mia, de Chloé Gioia Lecci López | 55’ | França | 2022 
Apenas mais um dia, de Samantha Joane | 12’ | Brasil | 2023 
The Lost Letters - prison and exile of Republican women, de Amparo Climent | 74’ | Espanha | 2021 
My Dad Gets a Smart Phone, de Sarah Wells | 6’ | EUA | 2022 
Soy Niño, de Lorena Zilleruelo | 62’ | Chile | 2022 
My Maysoon, de Batoul Karbijha | 55’ | Países Baixos | 2023 
Category: Woman, de Phyllis Ellis | 76’ | Canadá | 2022 
Ferro's Bar, de Aline A. Assis, Fernanda Elias, Nayla Guerra, Rita Quadros | 24’ | Brasil | 2023 
Alicia Armstrong Larraín, de  Paula Armstrong | 30’ | Chile | 2022 
I Am Trying To Remember, de Pegah Ahangarani | 16’ | República Checa | 2021

Experimental:
What Really Matters, de Audrey Biche e Julie Magneville | 8’ | França | 2021 
Herman@X (SiblingX), de Hélène Alix Mourrier | 28’ | França | 2021 
For the Skeptical, de Dawn Westlake | 3’ | EUA | 2022 
Deep Blue, de Franie-Éléonore Bernier | 11’ | Canadá | 2021 
Black Chalk, de Julieta Tetelbaum | 8’ | Argentina | 2022 
Os·mo·sis, de Alissa Sophie Larkamp, Emma-Mathilda Lipphaus | 3’ | Alemanha | 2022 
Transparent, I am., de Yuri Muraoka | 12’ | Japão | 2020 
Oh My Night, de Isis Mihrimah Cabolet | 25’ | Países Baixos | 2022

COMPETIÇÃO NACIONAL

Curtas Metragens | Ficção: 
Cassandra Bitter Tongue, de Ana Moreira | 20’ | Portugal | 2021 
Palma, de Mónica Santos | 18’ | Portugal | 2022 
2ª Pessoa, de Rita Barbosa | 16’ | Portugal | 2022 
See You Later Space Island, de Alice dos Reis | 17’ | Portugal | 2022 
, de Margarida Vila-Nova | 20’ | Portugal | 2022
Curtas Metragens | Animação:
Algo que eu disse, de Sara Barbas | 10’ | Portugal | 2022 
Polvo, de Catarina Sobral | 8’ | Portugal | 2022 
Deep breath, de Leonor Pacheco | 4’ | Portugal | 2022 
A Casa para guardar o tempo, de Joana Imaginário | 12’ | Portugal | 2022 
Tindergraf, de Júlia Barata | 28’ | Portugal | 2022

Documentários:
A fotógrafa do vulcão, de Mar Navarro Llombart | 79’ | Portugal | 2022 
Novíssimas Cartas Portuguesas, de Colective Work | 56’ | Portugal | 2022 
Chama-me Maria, de Jéssica Lombá Lima | 34’ | São Tomé e Príncipe | 2022 
Ela, de Sara Lemos | 12’ | Portugal | 2022 
No canto rosa, de Cláudia Rita Oliveira | 76’ | Portugal | 2022 

Experimental:
Hotel Royal, de Salomé Lamas | 29’ | Portugal | 2021 
O Banho, de Maria Inês Gonçalves | 9’ | Portugal | 2022 
O Meu Despejo, de Inês Vieira | 3’ | Portugal | 2022 
Espelho Eu, de Biatriz Alves Ribeiro | 8’ | Portugal | 2022

COMPETIÇÃO ESTUDANTES

Curtas Metragens | Ficção: 
Young People, Old People & Nothing in Between, de Parida Tantiwasadakran | 20’ | Estados Unidos, Tailândia | 2022 
White Sheet, de Rebecca Moreno | 20’ | Brasil | 2020 
Time Flows in Strange Ways on Sundays, de Giselle Lin | 17’ | Singapura | 2021 
Honey Trap, de Eleanor Kenny | 15’ | Reino Unido | 2022 
The end of the end of the World, de Meike Wüstenberg | 24’ | Áustria | 2022 
Back Home, de Ariadna Pastor | 14’ | Espanha | 2022 
Bajamar, de Juana Castro | 19’ | Colombia | 2022 
Teresa, de Joana Pestana | 13’ | Portugal | 2022

Curtas Metragens | Animação:
Love, Dad, de Diana Cam Van Nguyen | 13’ | República Checa | 2021 
Sisters, de Andrea Szelesová | 11’ | República Checa | 2021 
Restless Is the Night, de Xiaoxue Meng, Yuehan Tan | 4’ | Estados Unidos | 2022 
Tudo o que fica na superfície morre, de Carina Pierro Corso | 3’ | Portugal | 2022 
A Nap In Fluoroscopy Buses, de Lei Lei | 7’ | China | 2022 
A Maior Gaiola do Mundo, de Marta Ribeiro e Catarina Colaço | 2’ | Portugal | 2022 
Darwinism, de Olívia Marques | 3’ | Portugal | 2022

Documentários:
Fragments, de Marie-Lou Béland | 9’ | Canada | 2022 
Harvesting Our Tea, de Sheida Kiran | 23’ | Reino Unido | 2022 
Insight, de Emma Braun | 20’ | Áustria | 2022 
Hysteria, de Luísa Campino | 10’ | Portugal | 2021 
Aruanda, de Renata Spitz | 20’ | Portugal | 2022 
The Sky Is Very Pretty, de Aracely Méndez | 17’ | México | 2022 
Oyum, de Aidai Askarova | 6’ | Quirquistão | 2022

Experimental:
Post Socialist Bodies, de Laura Teresa Lintner | 17’ | Áustria | 2022 
Touch, de Ragda Alazizi | 20’ | Alemanha | 2020 
Alberta's Room, de Victoire Karera Kampire | 18’ | Bélgica | 2022 
Ob Scene, de Paloma Orlandini Castro | 18’ | Argentina | 2021 
Akathisia, de Carina Rabaça | 6’ | Portugal | 2022
When We Dead Awaken, de Tomás Paula Marques | 10’ | Portugal | 2022

COMPETIÇÃO XX ELEMENT
Among Us Women, de Sarah Noa Bozenhardt, Daniel Abate Tilahun | 93’ | Etiópia/Alemanha | 2021 
Why does Helen Koch commit serious Vehicle Theft?, de Moritz Geiser | 22’ | Alemanha | 2022 
Nata of this life, de Cláudia Sofia Gomes, Ricardo Miguel Soares | 2’ | Portugal | 2021 
La Quotidiana Odissea di Penelope, de Michele Bottini | 11’ | Itália | 2021 
Katvoman, de Hadi Sheibani | 8’ | Irão | 2022 
Michelli - Diálogos com a solidão, de Claudio Chocolate | 19’ | Angola | 2021 
Pobre Antonio, de Mariana Ferreira, Eudald Rojas Lluís | 13’ | Germany | 2022 

COMPETIÇÃO TEMÁTICA  “REFLEXOS”
An Avocado Pit, de Ary Zara | 19’ | Portugal | 2022 
Maria Schneider, 1983, de Elisabeth Subrin | 25’ | EUA | 2022 
Adriana in Oblivion, de Elena Piquer | 12’ | Espanha | 2022 
Things I Could Never Tell My Mother, de Humaira Bilkis | 80’ | França | 2022 
Little Dreams with Eyes Wide Open, de Carolina Kzan | 28’ | França | 2022 
It's Still Autumn, de Farzaneh Fathi | 20’ | Suécia | 2022 
The Spiral, de María Silvia Esteve | 20’ | Argentina | 2022 
About my Blood: An Essay on Menopause, de Soledad Marambio | 24’ | Noruega | 2022 
Emilia, de Christine Almeida | 20’ | França | 2022 
The Stonebreakers, de Azul Aizenberg | 16’ | Argentina | 2021 
Plastic Touch, de Aitana Ahrens | 12’ | Espanha | 2022 
Kevin, de Joana Oliveira | 80’ | Brasil | 2021 
Maelstrom, de Mizuko Yamaoka | 79’ | Japão | 2022 
Mirage, de Vanda Novo | 2’ | Portugal | 2022 
Where is the Friend's Home?, de Amina Maher | 12’ | Germany | 2023  

CONVIDADOS 

COMPETIÇÃO INTERNACIONAL

Curtas Metragens | Ficção:
Sydney Oberfeld e Apolline Pilley, realizadoras de It Happened at Home
Naz Çayba, realizadora de Cycle
Clara Lemaire, realizadora de Just the two of us
Berta García, realizadora de Maruja
Alberto Balazs, diretor de fotografia de Mulaqat
Mónica Delgado, realizadora de Popcorn
Alexandra Matheou, realizadora de A Summer Place

Curtas Metragens | Animação:
Claudia Rita, produtora (MADAME FILMS) de Even stone flows  
Katalin Egely, realizadora de Nubecita

Documentários:
Andrea Arauz, realizadora de Living Bodies (Cuerpos Vivos)
Lotte Raalte, realizadora de Guerreras 
Aline Assis, realizadora de Ferro’s Bar
Alexandra and Julian, produtores de Alicia Armstrong Larraí

Experimental:
Bénédicte Charpiat, atriz de What Really Matters 
H·Alix Sanyas Mourrier, realizadora e Cuco atriz de HERMAN@S (SiblingX) 
Julieta Tetelbaum, realizadora de Black Chalk 

COMPETIÇÃO NACIONAL

Curtas Metragens | Ficção: 
Rita Barbosa, realizadora de 2ª Pessoa
Mónica Santos, realizadora de Palma

Documentários:
Mar Navarro Llombart, realizadora de A fotógrafa do vulcão
Irina Pampim, realizadora de Novíssimas Cartas Portuguesas 
Jéssica Lima, realizadora de Chama-me Maria
Cláudia Rita, realizadora de No canto rosa 
Sara Lemos, realizadora de Ela

Experimental:
Biatriz Ribeiro, realizadora de Espelho Eu
Inês Vieira, realizadora de o meu despejo 

COMPETIÇÃO ESTUDANTES

Curtas Metragens | Ficção: 
Rebecca Moreno, realizadora de White sheet
Eleanor Kenny, realizadora de Honey Trap
Joana Pestana, realizadora de Teresa 
Meike Wüstenberg, realizadora de The End of The End of the World 

Documentários:
Emma Braun, realizadora de Insight 
Luísa Campino, realizadora de Hysteria 
Renata Spitz, realizadora de Aruanda 

Curtas-Metragens | Animação:
Tudo o que fica à superfície morre - Carina Corso, realizadora de

Experimental:
Laura Litner, realizadora de Post Socialist Bodies
Carina Rabaça, realizadora de Akathisia 
Ragda Alazizi, realizadora de Touch
Victoire Karera Kampire, realizadora de Alberta’s Room  

COMPETIÇÃO TEMÁTICA
Christine Almeida, realizadora de Emilia
anda Novo, realizadora de Mirage  

COMPETIÇÃO XX ELEMENT
Claudio Chocolate, realizador, e Imani Silva, atriz de Michelli - Diálogos com a solidão 
Claúdia Gomes, realizadora e Ricardo Soares, realizador de Nata desta vida 

Facebook
Instagram
Site

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
93,303,125