"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Audição Cidadã com Ministro da Defesa Nacional

“Que Estratégia para Portugal?” com João Gomes Cravinho, na Universidade Lusófona do Porto

Teve lugar no passado dia 1 de fevereiro, na Universidade Lusófona do Porto, a Audição Cidadã com o Ministro da Defesa Nacional, Professor Doutor João Gomes Cravinho.

A Audição, que vinha a fechar um Ciclo de Debates promovido conjuntamente pela ULP e pelo Centro Nacional de Cultura, com apoio do Ministério da Defesa, pretendia promover o debate com os jovens e com a sociedade civil sobre o que estes consideram ser as prioridades das opções estratégicas portuguesas.

A revisão do Conceito Estratégico de Defesa Nacional, anunciado pelo atual Ministro da Defesa, e cujo processo se viu interrompido pelas eleições antecipadas, serviu como pano de fundo para uma discussão rica sobre os trâmites da atual conjuntura geoestratégica internacional.

O Ministro não se furtou a discutir o assunto da instabilidade na fronteira entre a Rússia e a Ucrânia, sublinhando, por um lado, o dever português dentro da NATO, mas por outro lado ainda, a questão da Ucrânia não ser membro da NATO e, portanto, de não estar abrangida sobre o artigo n.º 5 que, no pós-atentados de 11 de setembro, permitiu a ação no Afeganistão. O Afeganistão foi outro dos pontos centrais do debate, acompanhado da questão da garantia dos direitos humanos e da proteção da segurança humana nas prioridades estratégicas portuguesas e no seu posicionamento internacional.

Os estudantes e ainda alguns outros membros da plateia, indagaram também sobre a questão das relações com a China e, consequentemente, as relações transatlânticas; a redução do contingente militar e nova Lei Orgânica de Bases da Organização das Forças Armadas (LOBOFA) na possível necessidade de resposta aos novos desafios geoestratégicos no início do ano de 2022; a nova corrida ao armamento e da posição portuguesa relativamente ao tratado de proibição de armas nucleares hoje; a participação portuguesa nas missões de paz das Nações Unidas em países como a República Central Africana ou no Mar da Somália; e a questão do papel da pedagogia e da educação na formação cívica sobre segurança e defesa.

Jéssica Moreira, investigadora CD-IEEI

» Cobertura pela LUSA