"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

A Defesa ainda Existe?

11 de Setembro Política Externa e Segurança Comum Segurança Terrorismo

Neste texto, evidencia-se a forma como os ataques terroristas de 11 de setembro influenciarão a organização futura do sector da defesa dos Estados. Com estes bárbaros ataques, o mundo percebeu que as ameaças deixaram de ser exclusivamente de natureza militar e que instrumentos civis poderiam passar a ser utilizados para atos de carnificina orquestrados por organizações não estaduais. Esta constatação poderá desencadear a ideia de que as forças armadas deixaram de ser necessárias mas tal pensamento é enganador. O combate ao terrorismo dependerá também das ações das tradicionais forças armadas, embora estas necessitem de se adaptar a novos contextos e a missões fora do espectro tradicional da guerra convencional. Nesse sentido, Portugal deve continuar o esforço de reestruturação das suas forças armadas e a Europa persistir na sua política de defesa comum.

Data 2001-10-01
OBS De Moraes Vaz, Mária do Rosário - "A Defesa ainda Existe?", Mundo em Português, IEEI, 2001 págs.
Dimensão do suporte 4 págs.
Idioma Português