"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Personalidades

Mário de Sá-Carneiro

Distrito: Lisboa
Concelho: Lisboa

Tipo de Património
Personalidades
Biografia


Pelas três da tarde de 19 de Maio de 1890 nasce, no 3º andar do nº 92 da rua Conceição em Lisboa, Mário de Sá-Carneiro. É baptizado a 22 de Junho de 1892 na Rua Igreja de S. Julião e dois anos depois passa a viver com os avós na Quinta da Victória em Camarate. Com apenas nove anos de idade escreve as suas primeiras peças de teatro, que ele próprio representa para a família e para os empregados da quinta. Depois de ingressar no Liceu do Carmo, actual Escola Veiga Beirão, começa a escrever poesia.

Em 1903 muda-se para a Travessa do Carmo e no ano seguinte viaja pela Europa com o seu pai. A sua primeira publicação chegaria nesse mesmo ano com o jornal “académico com pretensões a humorístico” o Chinó. Em 1905, com apenas 15 anos de idade, Sá-Carneiro traduz poesia de Victor Hugo e o Clarim de Déreulède e vê proibida a venda do Chinó pelo pai, por este o considerar demasiado “humorístico” para certos professores. Em 1906 começa a frequentar o Liceu de S. Domingos e traduz Goethe, Heine e Schiller e escreve ainda monólogos cómicos em verso. No ano seguinte participa numa récita a favor das vítimas do incêndio da Rua da Madalena, representando o papel de Marquês de Montfier na peça, D. César de Bazan e escreve três poemas que não publica. Em 1908 inicia as suas colaborações na revista Azulejos, onde viria a publicar alguns dos seus poemas e contos. É autor, nesse mesmo ano, da peça teatral «A Morte da Louca», sob o nome de Sirconera (anagrama de Sá-Carneiro). Já no liceu Camões, Sá-Carneiro escreve o poema «Curtes aí no Leito» que dedica ao colega Milton de Aguiar e principia a escrever a peça «Amizade», porventura a sua primeira grande criação, em conjunto com Tomás Cabreira Júnior, seu amigo e colega de liceu, que viria a suicidar-se em 1911.

Em 1910 publica em O Século o artigo «O Eterno Obstáculo» onde faz um elogio ao Liceu Camões. Com o suicídio, Tomás Cabreira Júnior destrói todos os seus escritos, e só por mero acaso, o manuscrito de a «Amizade», não estava consigo, mas sim com Sá-Carneiro. Antes de concluir o liceu, profere a conferência sobre “A situação poética nacional”, organizada pela Associação Académica do Liceu Camões. Em 1911 ingressa na Faculdade de Direito em Coimbra e nesse mesmo ano, o autor de «A Confissão de Lúcio», escreve o poema “A um Suicida”, dedicado a Tomás Cabreira. Por essa altura, abandona Coimbra e o curso e regressa a Lisboa, escreve ainda o monólogo «Beijos». A sua actividade literária continua e cresce nos anos seguintes com a publicação nomeadamente do volume de novelas «Principio». Conhece Fernando Pessoa mas parte para Paris onde se inscreve no curso de direito. Nesta cidade convive com Santa-Rita Pintor e escreve a peça «Alma» em parceria com A. Pence de Leão, publica ainda «A Confissão de Lúcio» e o livro de poemas «Dispersão».

1914 é o ano em que Sá-Carneiro, Fernando Pessoa, Almada Negreiros e Luís de Montalvor concebem em Lisboa a revista Orpheu da qual sairão dois de três números. No terceiro número da revista, participam Ângelo de Lima, Mário de Sá-Carneiro, Raul Leal, Violante de Cysneiros, Luís de Montalvor, Fernando Pessoa e Álvaro de Campos, texto que foram publicados por falta de verbas. «Céu em Fogo» chega em 1915 ano em que regressa a Paris onde se corresponde com Fernando Pessoa. No ano seguinte conhece uma mulher que procura demovê-lo de um suicídio já anunciado há muito. No dia 26 de Abril, às 8 da noite, Mário de Sá-Carneiro suicida-se, ingerindo cinco frascos de arseniato de estricnima.

Fim

Quando eu morrer batam em latas,
Rompam aos saltos e aos pinotes,
Façam estalar no ar chicotes,
Chamem palhaços e acrobatas!

Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza…
A um morto nada se recusa,
E eu quero por força ir de burro!

  ~ Mário de Sá-Carneiro
 

Fonte de informação
CNC / Patrimatic
Data de atualização
15/07/2021

Passatempos

Passatempo

Ganhe convites para o filme "MELHORES AMIGAS"

Em parceria com a Zero em Comportamento, oferecemos 5 bilhetes duplos para ver o FILME DO MÊS, no próximo dia 10 de dezembro (sábado), pelas 18h00, na Biblioteca de Alcântara.Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Passatempo

Ganhe convites para o espetáculo VIGNETTE

Em parceria com o Auditório de Espinho, oferecemos convites duplos para o evento que terá lugar no próximo dia 9 de dezembro (sexta-feira), pelas 21h30. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Visitas
73,336,800