"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Teatro

RENOVAÇÃO DO PEQUENO TEATRO-CLUBE DE PENAMACOR

País: Portugal
Distrito: Castelo Branco
Concelho: Penamacor

Tipo de Património
Teatro
Proprietário/Instituições responsáveis
Câmara Municipal de Penamacor
Descrição

Já aqui referimos, e também em diversos livros, o chamado Pequeno Teatro-Clube de Penamacor. Justifica-se amplamente a recorrência: trata-se de um exemplo, hoje já pouco comum, de uma geração de pequenos teatros construídos um pouco por esse país fora a partir da inauguração do Teatro D. Maria II, em 1846, por iniciativa de Garrett.

Tal como então já aqui vimos, o Pequeno Teatro Clube de Penamacor, como instituição referencial, remonta a 1884, data em que é fundado um chamado Clube de Penamacor, herdeiro de um mais antigo Clube Penamacorense. O Pequeno Teatro, esse, data de 1912. Votado a certo abandono que apesar de tudo não o liquidou, como tantas vezes ocorreu, o Teatro manteve no interior a estrutura à italiana, com camarotes, galeria, e, uma fachada que, pelo menos essa, conservou qualidade arquitetónica na singeleza da sua dimensão e decoração.

Recordei, e faço-o hoje novamente, o espetáculo de inauguração, com um repertório de indiscutível qualidade e extensão: nada menos do que “O Morgado de Fafe em Lisboa”, de Camilo Castelo Branco, o “D. Beltrão de Figueiroa” de Júlio Dantas, e uma cena musicada, “O Senhor Bexiga”!

E invoquei, por razões que veremos adiante, um fator histórico referente às dramatizações do surto ou ciclo dos chamados “falsos D. Sebastião” que foram sucessivamente “aproveitados” como tema de peças sucessivas, desde pelo menos a tragicomédia “Sebastião” de Nicolau Luís da Silva, datada de 1754, e depois por autores tão inesperados e “desiguais”, desde um esquecido Tomás António dos Santos Silva (1751-1816), passando pelo Garrett do “Frei Luis de Sousa” e de “As Profecias do Bandarra”, por Francisco Maria Bordalo, Alexandre Herculano de “O Cativo de Fez”, por uma adaptação de Castilho e ainda D. João da Câmara, Guerra Junqueiro, Augusto de Mesquita, Augusto de Lacerda ou Teixeira de Pascoaes, até aos contemporâneos José Régio, Augusto Sobral, Carlos Selvagem, Joaquim Paço d’Arcos, Natália Correia e outros: e esta dramaturgia envolve tanto a figura história de D. Sebastião - ele próprio como os chamados “falsos D. Sebastião”.

Veja-se a propósito o levantamento dramatúrgico feito por Ana Isabel Vasconcellos em “O Drama Histórico Português do Século XIX (1836-56)” ed. FCG- 2003, ou o que eu próprio escrevi nesta  mesma série de artigos e, antes disso, em “História do Teatro Português” ed. Verbo 2001, em “O Teatro Português: Estrutura e Transversalidade” ed. Universidade da Corunha 2005, e sobre o Teatro de Penamacor em “Teatros em Portugal - Espaços e Arquitetura” ed. Midiatexto e CNC 2008.

E veja-se ainda o livro de José Manuel Landeiro intitulado “O Conselho de Penamacor na História, na Tradição e na Lenda” (3ª ed. s/d.).

É que um dos historicamente referenciados “falsos D. Sebastião” ficou conhecido nas crónicas como o “Rei de Penamacor”. Pois precisamente, esse nunca terá sido objeto de abordagem dramatúrgica. E no entanto, como já vimos, Penamacor orgulha-se do seu Teatro Clube, que agora, espera-se, entrará numa fase de recuperação.

De acordo com a imprensa (“Reconquista - Seminário Regionalista da Beira Baixa” - 31 de março de 2016) a Câmara Municipal de Penamacor assinou um protocolo com a Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa e a Academia Internacional de Cenografia, no sentido de garantir a recuperação do Teatro Clube de Penamacor. O jornal cita declarações nesse sentido, do Presidente da Câmara, António Luís Beites Soares. 

Espera-se que assim seja possível, pois, repita-se, trata-se de uma sala que bem o merece, como exemplo da rede de pequenos teatros, que, durante dezenas ou centenas de anos, deram vida à expressão cultural dos municípios do interior do País.

Duarte Ivo Cruz


Morada
Rua dos Pelames
6090-572 Penamacor
Fonte de informação
Duarte Ivo Cruz
Data de atualização
04/05/2016
Agenda
Exposições

Pés de Limão

Museu do Quartzo, Mosteiro de Grijó e Go Romaria Cultural 13 Jul a 28 Jul 2024

Passeios e Visitas

Lisboa Moderna

Museu de Lisboa - Palácio Pimenta 13 Jul 2024  |  10h00

Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

Ganhe convites para o festival Curtas Vila do Conde

Em parceria com o Curtas Vila do Conde, oferecemos convites duplos para as sessões de cinema a decorrer dia 13 de julho, no Teatro Municipal de Vila do Conde, onde serão exibidos os filmes "O Segredo dos Perlimps", "Uma Imagem Permanente" e "Estamos no Ar".Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Passatempo

Ganhe convites para a antestreia do filme "Memória"

Em parceria com a Films4You, oferecemos convites duplos para a antestreia do drama emocional protagonizado por Jessica Chastain, "MEMÓRIA", sobre uma assistente social cuja vida muda completamente após um reencontro inesperado com um antigo colega do secundário, revelando segredos do passado e novos caminhos para o futuro.

Visitas
94,057,044