"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Património Imaterial

Folclore - Cultura Tradicional

País: Portugal

Tipo de Património
Património Imaterial
Descrição


Já em 1878 o Folclore era reconhecido internacionalmente como “saber tradicional, história não contada de um povo”, primeiro para se referir às tradições, costumes e superstições das classes populares, posteriormente para designar toda a cultura nascida principalmente nessas classes. E porque a definição unitária se tornava muito difícil para os ensaiadores dos grupos de folclore, em 2002 e numa organização do Jornal Folclore, reuniram-se em Santarém a maioria dos especialistas e estudiosos, do que resultou uma síntese de excelência para a realidade portuguesa, que passamos a transcrever:

FOLCLORE é a expressão da vivência das gentes de antigamente quando a sua maneira natural de ser e de estar não era ainda tão marcada por influências que lhes chegavam de fora. Em que tais influências eram recebidas, adotadas e aculturadas. Tradicionalizadas, se quisermos. Antes de um tempo em que as mesmas se tornaram tão intensas e numerosas que elas próprias passaram a aculturar as vivências locais comunitárias. A alterá-las e fazê-las desaparecer. Como acontece hoje, influência que não se fez sentir em todo o lado ao mesmo tempo, dependendo isso da temporalidade e ritmo de mudança das diversas sociedades; naturalmente diferenciado.

Mas como sabemos então o que é Folclore?

Há quatro situações que, quando em conjunto, o determinam: ser popular, ser normalmente de autor desconhecido, ser tradicional e ser comunitário. 

1)   ser popular: ser usado pelo povo. A que o povo, pela dita usança, aculturativa ou não, adaptou, e conferiu características marcantes próprias.

2)   ser normalmente de autor desconhecido: claro que tudo teve um autor, mas grande parte da criação popular é feita de sucessivas transformações: algumas tão ligeiras que nem se apercebem. Algumas involuntárias apenas dependendo das características do utilizador. Dando o exemplo de uma “moda”, alguém a fez, mas tocador após tocador, cantor após cantor, com as alterações que involuntariamente foram sendo introduzidas, acabou por a ir alterando até algumas vezes se transformar numa música muito diferente: que podemos até não considerar o mesmo padrão. 
Contudo, muitas músicas são de origem urbana que o povo vai adotando e adaptando. Nestas, como aliás nalgumas de criação local, pode-se às vezes identificar o autor. São, contudo, casos raros.

3)   ser tradicional: ter passado de geração em geração, chegando-nos por via oral ou por imitação, fazendo-se como se via fazer ou ouvia; devendo ainda entender-se como tradicional os comportamentos, os usos, as vivências, os valores que qualquer grupo social, relevante culturalmente, utilizou durante o tempo suficiente para impor a marca local, independentemente da sua origem e natureza.

4)   ser comunitário: pertencer a uma comunidade cultural significativa e não apenas a uma família ou pessoa. Ser usada pela totalidade da mesma ou por um grupo social de dimensão significativa.

Poderemos assim dizer, e numa diferente linguagem, que “o padrão tradicional (leia-se folclórico) é todo o tipo de elemento cultural que as populações rurais criaram ou adotaram e que se popularizou pela sua adequação às funções e/ou gostos locais ou regionais, vulgarizando-se o seu uso nem todos ou num qualquer grupo social, qualitativa e quantitativamente representativo, durante um espaço de tempo quantitativo. Folclore é, pois, memória de um tempo que já passou e não volta.” (Aurélio Lopes)

Mas o folclore parando ali, sendo simplesmente uma referência no tempo, não impede a evolução, embora agora já na forma de património popular não tradicional, tampouco interfere no aparecimento de novos fenómenos culturais, que devidamente estudados ocuparão o seu lugar.
Como se verifica, uma das condições para ser folclore é ser tradicional, situação que ainda hoje se mantém dado que o mesmo não evoluiu, pois diferentes passaram a ser as nossas vivências. Do tempo em que as influências que chegavam às nossas comunidades eram adaptadas local e comunitariamente, passou-se ao tempo “em qua a realidade local é submersa pelos enormes fluxos de influências que aí chegam é por estes moldada e universalmente uniformizada”. As formas de viver são cada vez mais iguais, não são semelhantes, não são representativas das respetivas épocas.
E assim, sendo cultura tradicional, é também o guardião da nossa identidade cultural. É certo que esta é evolutiva, mas digamos que num sentido negativo pois quanto mais evolui mais iguais nos tornamos. Pelo que lá temos que ir ao tal ponto de referência no tempo, à procura da identidade cultural “tradicional”.

Tentando explicar melhor, porque não evolui o FOLCLORE?
Porque aquilo que hoje se faz em qualquer localidade não possui as características que o permita ser considerado no conceito de folclore. 

“Não constituem formas locais e tradicionais de fazer as coisas. Não resultam (não foram moldadas) por essa usualidade local. São cada vez mais iguais a todas as outras; de outras localidades, regiões, nações, etc. São efémeras e heterogéneas (cíclicas muitas vezes) e não testemunhos de formas de viver semelhantes e prolongadas no tempo; leia-se, representativas das respetivas épocas” (Aurélio Lopes)

 

Lino Mendes / maio de 2018

 
O último domingo do mês de maio é o Dia Nacional do Folclore.
A data foi estabelecida pela Assembleia da República, em 2016.

 

Fonte de informação
CNC / Patrimatic
Data de atualização
02/05/2018
Agenda
Exposições

"Filhos de 74"

APOIARTE - Casa do Artista 12 Abr a 30 Jun 2024

Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

"A GRANDE VIAGEM 2: ENTREGA ESPECIAL"

Em parceria com a PRIS Audiovisuais, oferecemos convites duplos para as antestreias agendadas para 21 de abril (domingo) às 11h00, em Gaia e Lisboa. Participe e habilite-se a ser um dos felizes contemplados!

Passatempo

Ganhe convites duplos para o ciclo de cinema da ANIMar 19

Em parceria com a Solar - Galeria de Arte Cinemática, oferecemos convites duplos para as próximas sessões de cinema da ANIMar 19 no Teatro Municipal de Vila do Conde, onde serão exibidos os filmes "Pesca do Bacalhau", "Å Seile Sin Egen SJØ (Vida Costeira)", "A Extraordinária Aventura do Zéca" e "Até Amanhã, Mário".

Passatempo

Ganhe convites para a peça "A LIBERDADE É UMA MALUCA"

Em parceria com o Teatro do Bairro, oferecemos convites duplos para uma peça escrita e encenada por Hugo Mestre Amaro que, evidenciando o impacto de algumas decisões políticas e ocorrências sociais no contexto da vida privada, constitui uma sátira que intenta ser um retrato de um Portugal herdeiro, nestas últimas cinco décadas, da Revolução dos Cravos. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Visitas
90,671,434