"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Património Material

Igreja de São Lourenço de Almancil

Distrito: Faro
Concelho: Loulé

Tipo de Património
Património Material
Classificação
Imóvel de Interesse Público
Proteção Jurídica
Decreto nº 35443 de 2-1-1946
Identificação Patrimonial
Monumento/Edifício
Época(s) Dominante(s)
Moderna (Séc. XVII a XVIII)
Valor patrimonial
Valor Artístico
Estilo(s)
Barroco
Descrição

A mais antiga referência à igreja de São Lourenço de Almancil surge em 1672 no Livro da sua freguesia (São João da Venda). A traça do templo, de nave única com altares laterais e capela-mor coberta por cúpula esférica, deverá remontar ao final do século XVII ou princípios do seguinte, uma vez que os painéis de azulejo, que revestem integralmente o templo, apresentam a data de 1730.
Se o exterior da igreja é relativamente sóbrio, o interior é exuberante, albergando o segundo conjunto mais valioso de azulejos existente em Portugal. O revestimento de azulejo é interrompido, somente, pela cantaria que define o arco triunfal, e pelo brilho dourado da cimalha que percorre o templo e do retábulo-mor, em talha dourada de Estilo Nacional. A importância da obra fez com que o seu autor assinasse e datasse os painéis. Assim, sabemos que foram executados em 1730 por Policarpo de Oliveira Bernardes (um dos expoentes máximos do intitulado "ciclo dos Grandes Mestres"), e encomendados pelo Vigário Geral, Reverendo Doutor Manuel de Sousa Teixeira. Contudo, a autoria dos painéis das paredes da nave tem vindo a ser contestada e atribuída a um outro autor, ainda não identificado, mas próximo de Bernardes. Os seis painéis da nave representam cenas da vida de São Lourenço, orago da Igreja. O programa iconográfico articula a temática da nave com a da capela-mor, ao realçar, não apenas a vida e caridade do santo, mas também as virtudes através das quais se alcança a santidade e, por conseguinte, a vida para além da morte. Nas cúpulas, Bernardes tira partido dos efeitos cenográficos, que denotam o eventual recurso a tratados de cenografia e perspetiva, mais eruditos.
A decoração da sacristia é fruto da remodelação realizada no templo no 2.º quartel do século XVIII. As paredes foram revestidas com um grande roda-pé de azulejos com motivos ornamentais barrocos.
Na parte central foi colocado o mais interessante arcaz barroco de toda a região algarvia, destacando-se a ornamentação em talha das portas, dos gavetões e do espaldar. Este último abrigava a imagem do padroeiro. Tal como a talha da igreja, supõe-se que esta imagem, bem como o arcaz, sejam obra do mestre escultor farense Manuel Martins.

Morada
Rua da Igreja
8135-027 Almancil
Fonte de informação
Câmara Municipal de Loulé
Bibliografia

CARRUSCA, Susana, Loulé: Património Artístico. Loulé, Câmara Municipal, 2001.

LAMEIRA, Francisco; SERRA, Pedro, Igreja Matriz de S. Lourenço de Almancil. Loulé, Câmara Municipal, [s,d,].

Data de atualização
18/04/2016
Agenda
Ver mais eventos
Visitas
93,346,061