"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Património Material

Palácio Nacional da Ajuda

País: Portugal
Distrito: Lisboa
Concelho: Lisboa

Imagem da entrada do Palácio Fachada do Palácio Nacional da Ajuda Sala dos Banquetes Sala do Trono Tronos Reais Detalhe de estante com livros Aposentos
Tipo de Património
Património Material
Classificação
Monumento Nacional
Proteção Jurídica
Decreto de 16-6-1910; Z.E.P., D.G., 2ª Série, nº 253 de 29-10-1959
Identificação Patrimonial
Monumento/Edifício
Época(s) Dominante(s)
Contemporânea (Séc. XIX)
Tipologia original
Arquitetura Civil - Palácio
Valor patrimonial
Valor Artístico
Estilo(s)
Neo-barroco, Neo-clássico
Áreas Artísticas
Ourivesaria
Uso atual
Biblioteca da Ajuda; Galeria de Pintura do rei D. Luís; Secretaria de Estado da Cultura e Direção Geral do Património Cultural
Proprietário/Instituições responsáveis
Direção Geral do Património Cultural
Equipa Técnica
Director José Alberto Ribeiro
Descrição

nstrução da primeira metade do séc. XIX. O primeiro projeto incluía um área bastante superior do que aquela que viria a ser efetivamente ocupada. Foram arquitetos desta construção Manuel Caetano de Sousa, José da Costa e Silva e Xavier Fabri. A edificação seria posteriormente, entre 1817 e 1844, orientada pelo arquiteto Francisco Rosa.

O Palácio, embora inacabado, é a mais vasta residência real portuguesa. Foi edificado para substituir o Paço Real desaparecido no terramoto de 1755. No contexto das transformações históricas que se verificaram em Portugal no século XIX (exílio da Corte no Brasil, guerra civil) foi sendo lentamente construído e decorado e irregularmente habitado até ao fim da monarquia em 1910. A Sala do Trono e a decoração do interior revelam o gosto decorativo neo-barroco, enquanto a arquitetura do edificio é neo-clássica.

O Palácio Nacional da Ajuda foi declarado Monumento Nacional pelo Decreto de 16 de junho de 1910. Durante as primeiras décadas do regime republicano dependia da Fazenda Pública, mantendo-se como palco para cerimónias oficiais e recebendo os visitantes que a Fazenda autorizava.
Em 1968 abriu ao público como casa-museu, e desde a década de oitenta, tem vindo a destacar-se como instituição museológica no panorama nacional e internacional.

A partir dos anos oitenta começou-se a proceder à reconstituição desta residência real, alicerçada em rigorosa investigação histórica. Desde 1996, com o programa “Uma Sala Um Mecenas” cujo objetivo é restituir ao palácio as decorações e ambientes à época de D. Luís, foram já reconstituídas, com o patrocínio de instituições privadas, nove salas do Palácio.

O edifício do Palácio Nacional da Ajuda não é, no presente, apenas a antiga residência real. Na ala norte do palácio estão instalados a Biblioteca da Ajuda (antiga biblioteca régia), a Galeria de Pintura do rei D. Luís I (concebida para a apresentação da coleção privada de pintura do soberano e atualmente sob a gestão direta da DGPC) e a Secretaria de Estado da Cultura. No quarto andar da ala sul está instalada a Direção Geral do Património Cultural.

Cenário dignificante das cerimónias protocolares de representação de Estado, o Palácio da Ajuda desempenhou sempre essa função desde os primeiros tempos até aos dias de hoje. É nessa condição que o Palácio Nacional da Ajuda continua a emprestar o seu brilho às cerimónias da Presidência da República, para além de constituir um dos mais importantes museus de artes decorativas do país.

No dia 16 de dezembro de 2014 foi adquirido pela Direção Geral do Património Cultura para o Palácio Nacional da Ajuda no Leilão da Cabral Moncada Leilões um centro de mesa que integrava a baixela de prata francesa da Casa Veyrat, presumivelmente encomendada pela casa real italiana para D. Maria Pia, por ocasião do seu casamento com o rei D. Luís I, em 1862.

O entro de mesa irá integrar a exposição permanente, recuperando o seu lugar ao centro da mesa da sala de jantar do Palácio em data a anunciar.

Núcleos mais importantes
Museu de Artes Decorativas com destaque para as colecções de ourivesaria, joalharia, têxteis, mobiliário, vidro e cerâmica, pintura, gravura, escultura e fotografia.
Palácio Real e Capela da Raínha 

Estado de Conservação
Bom
Património em perigo
não
Intervenções e Restauros
Várias intervenções, com destaque para o programa "Uma Sala Um Mecenas" que desde 1996 foi essencial para restituir ao palácio as decorações e ambientes à época de D. Luís, com o patrocínio de instituições privadas. 
Restauro da Capela da Raínha, da Sala D. João IV.
Programas e Projetos
Concertos, Visitas Guiadas, Exposições temporárias
Prémios
.
Modo de funcionamento

Transportes
Carris: 18; 729; 732; 742; 60. CP (linha do Estoril): estação de Belém. 

Como chegar
O Palácio da Ajuda situa-se no alto da Calçada da Ajuda, rua que liga a zona da Ajuda a Belém. O estacionamento é fácil nas imediações, nomeadamente no Largo da Torre a dois minutos do Palácio.

Horário
Das 10h00 às 18h00 (as salas começam a fechar a partir das 17h45)
Encerrado às 4ª feiras, 1 de janeiro, domingo de Páscoa, 1 de maio, 25 de dezembro.

 

Duração da visita:
A visita efectua-se em regime de circuito livre, com duração média de 1h45;
Existem folhetos informativos para consulta em cada sala em português e inglês.

Ingressos:
Palácio Nacional da Ajuda — 5,00 €;
Bilhetes Circuito (vouchers com duração de 1 ano a partir da data de emissão):
Bilhete Calçada Real: Palácio Nacional da Ajuda e Museu Nacional dos Coches — 7,50 €

Isenções e Descontos:

Isenções
Domingos das 10h às 14h para visitas individuais ou grupos, até 12 pessoas inclusive;
Crianças e jovens até aos 12 anos, inclusive;
Visitantes em situação de desemprego residentes na União Europeia*;
Investigadores, conservadores, restauradores, profissionais de museologia e/ou património em exercício de funções*;
Membros do ICOM, ICOMOS e APOM*;
Jornalistas em exercício de funções, mediante comunicação prévia*;
Professores e alunos de qualquer grau de ensino, incluindo Universidades* Sénior ou de 3.ª Idade, quando comprovadamente em visita de estudo e mediante marcação prévia confirmada pela Direção do Palácio, Museu ou Monumento*;
Grupos credenciados de Instituições Portuguesas de Solidariedade Social ou de Áreas de Ação Social de Autarquias ou outras Instituições de Interesse Público mediante autorização prévia da Direção da DGPC*;
Membros de Associações Culturais*;
Voluntários em exercício na DGPC e 1 acompanhante*;
Visitantes com mobilidade reduzida e 1 acompanhante.

* Mediante apresentação de documentação.

Descontos:
Visitantes com idade igual ou superior a 65 anos — 50%*;
Cartão de Estudante — 50%*;
Cartão Jovem — 50%*;
Bilhete Família (a partir de 4 elementos com ascendência e descendência em linha reta, ou equivalente, comprovado legalmente) — 50%* ;
Aquisições superiores a 250 bilhetes por tipologia e com antecipação mínima de 48h — 7,5%;
Aquisições superiores a 500 bilhetes por tipologia e com antecipação mínima de 48h — 10%;
Aquisições superiores a 1000 bilhetes por tipologia e com antecipação mínima de 48h — 15%;
Protocolos com entidades terceiras — 20%. 

* Mediante apresentação de documentação.

Morada
Largo da Ajuda, Ajuda
1349-021
Lisboa
Telefone
+351 213 637 095 / 2
Fax
+351 213 648 223
Fonte de informação
CNC / Patrimatic
Bibliografia
FERREIRA, Fátima Cordeiro G.; CARVALHO, José Silva; PONTE, Teresa Nunes da (coord.), Guia Urbanístico e Arquitectónico de Lisboa, Lisboa, Associação dos Arquitectos Portugueses, 1987.

LOPES, Flávio (coord.), Património Classificado - Arquitectónico e Arqueológico - inventário, vol. II, Lisboa, IPPAR, 1993.

Idem, Património Arquitectónico e Arqueológico - Informar para Proteger, Lisboa, IPPAR, 1994.

Data de atualização
23/01/2020
Agenda
Teatro e Dança

Ricardo III

Teatro da Trindade INATEL 14 Abr a21 Jun

Ver mais eventos
Visitas
48,898,918
>