"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Património Material

Torre de Centum Cellas

Distrito: Castelo Branco
Concelho: Belmonte

Tipo de Património
Património Material
Classificação
Monumento Nacional
Proteção Jurídica
Decreto nº 14425 de 15-10-1927
Identificação Patrimonial
Conjunto
Tipologia original
Conjunto Edificado - Rural
Proprietário/Instituições responsáveis
Direção-Geral do Património Cultural
Descrição


Construção romana, de granito, cuja função até há cerca de uma década permanecia incógnita; eram diversas as hipóteses então formuladas: vigia, torre central de um acampamento militar, prisão, templo, estalagem.

Atualmente sabe-se que se trata de um conjunto relativo a uma antiga villa romana, em cujas escavações foram dadas a conhecer estruturas de antigas construções e um número muito significativo de peças. Os elementos construtivos organizavam-se em redor da torre que constituiria o edifício central da villa.

Esta construção data do séc. I e mostra uma arquitetura simétrica com dois pisos elevados, tendo o edifício planta retangular com 11,5 metros por 8,5 metros, e 22 metros de altura, e os estudos efetuados no piso térreo revelado que este incluía diversas divisões. O andar superior era constituído por uma grande sala e incluía uma varanda com telheiro. Um frontão de forma triangular encimava a entrada.

O espaço a que corresponde a villa foi ocupado durante largo período, tendo as maiores alterações surgido no séc. III, ocasião em que se terá verificado um incêndio que obrigou a modificações no esquema residencial. Uma descoberta interessante corresponde a uma sala absidal que se pensa ter sido utilizada como local de culto aos deuses protetores da residência. A corroborar esta hipótese estão sete aras ornamentadas com inscrições aos deuses. Entre o espólio encontrado contam-se vários numismas, alguns deles em ouro, cujas datas compreendem o período que vai do séc. I ao séc. IV, e grande quantidade de cerâmica comum e sigilata.

Infelizmente, a área da villa, designadamente a pars rústica que correspondia às casas dos escravos e trabalhadores, bem como a fromentária (correspondente aos celeiros e adegas), foram em grande parte destruídas pelos trabalhos de lavoura. As termas muito provavelmente também terão sido destruídas por estas razões.

Segundo os investigadores, esta villa seria propriedade de pessoa importante que vivia de rendimentos derivados da exploração do minério (estanho) bastante comum nesta zona.
 

Modo de funcionamento

Contactos para marcação de vistas:
Telefone: 275 088 698 | Email: empds.belmonte@gmail.com

Morada
Monte de Santo Antão - Colmeal da Torre
Belmonte
Fonte de informação
CNC / Patrimatic
Bibliografia

ALMEIDA, José António Ferreira de (coord.), Tesouros Artísticos de Portugal, Selecções do Reader's Digest, Lisboa, 1982.

JORNAL DO FUNDÃO, nº 2715 de 4 de Setembro de 1998

IDEM, nº 2716 de 11 de Setembro de 1998

LOPES, Flávio (coord.), Património Classificado - Arquitectónico e Arqueológico - inventário, vol. I, Lisboa, IPPAR, 1993.

Data de atualização
04/07/2018
Agenda
Exposições

"Filhos de 74"

APOIARTE - Casa do Artista 12 Abr a 30 Jun 2024

Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

"A GRANDE VIAGEM 2: ENTREGA ESPECIAL"

Em parceria com a PRIS Audiovisuais, oferecemos convites duplos para as antestreias agendadas para 21 de abril (domingo) às 11h00, em Gaia e Lisboa. Participe e habilite-se a ser um dos felizes contemplados!

Passatempo

Ganhe convites duplos para o ciclo de cinema da ANIMar 19

Em parceria com a Solar - Galeria de Arte Cinemática, oferecemos convites duplos para as próximas sessões de cinema da ANIMar 19 no Teatro Municipal de Vila do Conde, onde serão exibidos os filmes "Pesca do Bacalhau", "Å Seile Sin Egen SJØ (Vida Costeira)", "A Extraordinária Aventura do Zéca" e "Até Amanhã, Mário".

Passatempo

Ganhe convites para a peça "A LIBERDADE É UMA MALUCA"

Em parceria com o Teatro do Bairro, oferecemos convites duplos para uma peça escrita e encenada por Hugo Mestre Amaro que, evidenciando o impacto de algumas decisões políticas e ocorrências sociais no contexto da vida privada, constitui uma sátira que intenta ser um retrato de um Portugal herdeiro, nestas últimas cinco décadas, da Revolução dos Cravos. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Visitas
90,670,405