"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Museus, Bibliotecas e Arquivos

Museu Nacional do Traje

Distrito: Lisboa
Concelho: Lisboa

Tipo de Património
Museus, Bibliotecas e Arquivos
Proprietário/Instituições responsáveis
Direção-Geral do Património Cultural
Equipa Técnica
Diretor: José Carlos Alvarez
Descrição


O Museu Nacional do Traje, criado em 1976 por 
diploma, reúne uma coleção de indumentária histórica e acessórios de traje, desde o séc. XVIII à atualidade, que apresenta ao público quer na sua exposição permanente quer em exposições temporárias. Está instalado no Palácio Angeja-Palmela e tem anexo o Parque Botânico do Monteiro-mor. 

Entende como sendo sua missão construir uma estratégia de investigação, conservação e divulgação do traje e do têxtil. Define ainda uma estratégia de salvaguarda para o Parque Botânico do Monteiro-Mor e promove a ligação de todo este património à comunidade.

Conservar Verde é o conceito que integra os valores de responsabilidade e de sustentabilidade. Integra ainda a gestão do património cultural e natural à guarda do Museu Nacional do Traje. 


O Museu e a sua casa

O Museu Nacional do Traje está instalado no Palácio Angeja-Palmela, assim denominado por ter sido sucessivamente propriedade destas duas famílias.  Deve a sua traça atual ao 3º Marquês de Angeja, que aqui projetou instalar as suas coleções de história natural, complementadas com um jardim botânico. O projeto de remodelação da mansão já existente é parcialmente realizado, mas o de instalação de um museu de história natural não se concretiza, embora tenha deixado alguns vestígios arquitetónicos - o edifício que atualmente serve de restaurante e a estufa.

Adquirido pela Família Palmela no segundo quartel do séc. XIX, continua a servir de residência secundária e foi objeto de campanhas de requalificação dos interiores, das quais se salienta a desenvolvida por Pereira Cão, Rambotti e Cinatti, que intervieram na decoração parietal do andar nobre. Assumindo-se inicialmente como uma residência de Verão, de 1952 a 1955 foi residência do Coronel Lawrence Vincent More Cosgrove, Encarregado de Negócios do Canadá em Portugal nesse período. Foi também ele que, a 2 de Setembro de 1945 e em representação do Canadá, assinou a Ata de Rendição do Japão, a bordo do USS Missouri. Foi, depois, residência dos proprietários.

Desde 1973 que se admitia a criação do Museu Nacional do Traje e se trabalhava no sentido de encontrar instalações próprias. Iniciaram-se nessa altura as negociações para aquisição do Palácio Angeja-Palmela, já desocupado pela família proprietária. Esta, temendo as ocupações que aconteceram após o 25 de Abril de 1974, propôs que o futuro Museu começasse de imediato a ser instalado no Palácio, o que veio a acontecer em Maio de 1974, tendo gerado um interessante episódio com os ocupantes de uma propriedade vizinha. Leia aqui

Em 1975, o Estado Português adquire um conjunto de imóveis designado por Quinta do Monteiro-Mor para instalação do Museu Nacional do Traje. 

 

O Museu e as suas coleções

O Museu Nacional do Traje reúne coleções de traje civil, nacional e internacional e respetivos acessórios, fragmentos de tecidos e peças de bragal, materiais e equipamento que testemunham os processos de produção do têxtil, do traje e acessórios. O seu acervo conta ainda com coleções de bonecas e respetivos trajes, pintura e mobiliário, entre outras. 

Em fevereiro de 1974, com o sucesso da exposição O Trajo Civil em Portugal, equacionando a questão da criação de um museu do traje e contextualizando os estudos especializados à época, estava superado “o teste à capacidade de resposta de eventuais doadores privados” com absoluto sucesso. 

Na história dos primeiros tempos que Natália Correia Guedes recorda e nos registos do Museu Nacional do Traje datam de 1974 as primeiras ofertas de peças, todas elas de particulares. A coleção pública que integrou o acervo veio do Museu Nacional dos Coches, onde se tinha vindo a reunir desde 1904 uma importante coleção de trajes provenientes da Casa Real, enriquecida por uma longa política de aquisição e de doações. 
Em 1976, as doações atingiam o impressionante número de 5.000 peças, contra 507 peças adquiridas e apenas 304 peças incorporadas por transferência e provenientes de outros museus do Estado. 

Atualmente pode-se afirmar que mais de 90% do acervo do museu – cerca de 38 000 peças – do museu provém de doações. 

As variadas coleções em que se organiza este vasto acervo representam essencialmente o traje civil e respetivos acessórios, do século XVIII à atualidade, documentando a evolução das formas de vestir neste período de tempo, e representando sobretudo o modo de vestir da aristocracia e alta ou média burguesia. 

O traje popular, quase ausente das coleções aquando da criação do Museu, não sofre grandes variações de moda e é transformado, adaptado e usado até ao fio, não se conhecendo exemplares de épocas muito recuadas. 

O traje feminino representa o maior núcleo da coleção, associado a todo o tipo de acessórios. Completa-se com a coleção de traje interior, abundante e representativa dos séculos XIX e XX. O traje masculino está também presente, com predominância para as épocas em que a seda e o linho tinham primazia. Uma interessante coleção de traje de criança completa o núcleo do traje civil.




O Museu e o seu Parque

O parque botânico, uma área que integrou o antigo núcleo agrícola, tem atualmente cerca de 11 hectares murados e é atravessado por uma ribeira que, à entrada, corre a céu aberto e segue depois num troço encanado, datado do séc. XVIII. Esta solução permitiu a construção dos grandes socalcos que sustentam a plataforma onde se encontra o palácio. 

Diz a tradição que o jardim botânico terá sido iniciado por Domingos Vandelli, na segunda metade do séc. XVIII, no tempo do 3º Marquês de Angeja. Informação nunca confirmada mas plausível, o jardim tinha caraterísticas diferenciadoras que motivaram a Família Palmela, no séc. XIX, a continuar esta tradição de jardim botânico. Aqui se encontra a primeira Araucaria heterophylla conhecida em Portugal continental. 

Após a aquisição pelo Estado, em 1975, procedeu-se à recuperação e adaptação da propriedade a parque botânico, mantendo as suas áreas caraterísticas - jardim, roseiral, pomar, prados, pinhal e horta, e implementando o aumento da diversidade botânica. 


 
Modo de funcionamento

3ª Feira a domingo - 10h00 às 18h00
(última entrada aconselhada - Museu 17h30 | Parque 17h00)
Encerrado ao público:  2ª feira, 1 de janeiro, domingo de Páscoa, 1 de maio, feriado municipal (13 de Junho), 24 e 25 de dezembro

Morada
Largo Júlio de Castilho - Lumiar
1600-483 LISBOA
Telefone
(+351) 217 567 620 |
Fonte de informação
Museu Nacional do Traje
Data de atualização
05/07/2018
Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

"A GRANDE VIAGEM 2: ENTREGA ESPECIAL"

Em parceria com a PRIS Audiovisuais, oferecemos convites duplos para as antestreias agendadas para 21 de abril (domingo) às 11h00, em Gaia e Lisboa. Participe e habilite-se a ser um dos felizes contemplados!

Passatempo

Ganhe convites duplos para o ciclo de cinema da ANIMar 19

Em parceria com a Solar - Galeria de Arte Cinemática, oferecemos convites duplos para as próximas sessões de cinema da ANIMar 19 no Teatro Municipal de Vila do Conde, onde serão exibidos os filmes "Pesca do Bacalhau", "Å Seile Sin Egen SJØ (Vida Costeira)", "A Extraordinária Aventura do Zéca" e "Até Amanhã, Mário".

Visitas
90,772,836