"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Uma Peça | Um Museu

Bacia e Gomil

Estas peças, provenientes das antigas coleções reais portuguesas, foram incorporadas no Museu Nacional de Arte Antiga em 1936.


Bacia e Gomil

Itália, Florença, c. 1575 – 1587
Porcelana Médicis (pasta tenra)
Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, 1936
Inv. 5896 Cer e 5897 Cer

São duas das cerca de 60 peças conhecidas em ‘Porcelana Médicis’ produzidas na época de Francesco I, entre cerca de 1575 e 1587, atualmente dispersas por importantes museus do mundo e coleções particulares.

A génese da porcelana Médicis reside no fascínio exercido pela porcelana chinesa sobre os grandes príncipes italianos, ávidos de obras raras e luxuosas. O seu prestígio levou o mundo, desde o Extremo-Oriente à Europa, a tentar encontrar o segredo do seu fabrico. Na Europa, um dos resultados mais próximos foi uma delicada variedade de ‘pasta tenra’ à base de argila branca e de silicato fusível, fabricada entre c. 1575 e c. 1587, sob o patrocínio de Francesco Maria de Médicis, Grão Duque da Toscana. Contudo, as opiniões acerca desta invenção não são unânimes: uns defendem que as primeiras tentativas ocorreram na época de Cosimo, pai de Francesco, outros afirmam que as primeiras experiências foram feitas por Orazio Fontana e Camillo de Urbino, com a ajuda de um artesão do Levante, talvez um persa, no tempo de Francesco.

As formas mais frequentes – pratos, gomis, vasos, garrafas de peregrino, bacias, frascos, potes e galheteiros –, refletem a influência da tradição italiana, da majólica de Urbino, de vidros e de metais. 

A decoração a azul, e ocasionalmente com contornos a manganés púrpura, sob um vidrado irregular, inspira-se na porcelana chinesa, nas majólicas, na faiança de Iznik (Turquia) e em temas figurativos, nomeadamente os quatro evangelistas.

Na maioria das peças as bases ostentam a marca que representa a cúpula da catedral de Florença e a inicial F (Firenze ou Francesco). Excetua-se um jarro e um prato com as iniciais FMMDE II (Franciscus Maria (ou Médicis) Magnus Dux Etruriae II) sobre as armas dos Médicis, e um frasco com a palavra “Prova” (prova, tentativa, experiência).

O gomil do MNAA, que constava do inventário do Grão Duque Ferdinando I, datado de 1589, é uma forma harmoniosa com bico e asa em forma de dragão e decoração renascentista com alguns toques islâmicos.

A bacia, inspirada numa peça de faiança, apresenta decoração também renascentista e a figura do evangelista S. João copiada de uma gravura de Aldegrever, segundo desenho de G. Pencz, cuja sigla está sobre o livro.

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
56,286,492
>