"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Uma Peça | Um Museu

"Conversação" de Pieter de Hooch

Obra de referência da coleção de pintura holandesa do Museu Nacional de Arte Antiga, e uma das mais representativas deste contemporâneo de Vermeer, o significado da composição supera a mera representação de uma cena galante do quotidiano de Amesterdão pelos meados do século XVII.


Conversação

Pieter de Hooch (assinado)
c. 1663-1665
Óleo sobre tela
64 x 74,5 cm
Proveniência: Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, 1920
Inv. 1620 Pint


Pieter de Hooch foi um dos pioneiros do naturalismo holandês e destacado expoente da chamada Escola de Pintura de Delft. As razões pelas quais é mais apreciado centram-se no expressivo tratamento do espaço, no domínio magistral da perspetiva e na luz subtil das suas obras.

A pintura do Museu de Lisboa, uma «Agradável companhia» num interior ricamente adereçado, é um excelente exemplo do estilo de maturidade do artista revelado durante os seus primeiros anos em Amesterdão. Neste período, os cenários e o mobiliário dos seus interiores em pintura tornaram-se mais sumptuosos, as figuras mais bem vestidas e os temas mais refinados.

A tela de Lisboa é uma das três cenas de interior, de composição horizontal, com o tema «Agradável companhia» (vejam-se também as pinturas da Coleção Lehman, no Metropolitan Museum of Art em Nova Iorque, e a do Germanisches Nationalmuseum, em Nuremberga), apresentando guadamecis revestindo as paredes e outro mobiliário luxuoso, tal como o chão e a lareira em mármore e o tapete oriental (Oshak, Medalhão) aqui representados. Estas três telas podem ser datadas de c.1663 ou pouco depois, com base na sua semelhança estilística com duas pinturas datadas desse ano e pertencentes ao Cleveland Museum of Art e ao Rijksmuseum de Amesterdão. Do mesmo modo que o grau de elegância deste grupo de pinturas é um dado novo e parece refletir a prosperidade de Amesterdão, ao tempo a cidade mais rica do Norte da Europa, a importância conferida à geometria do espaço e às gradações habilmente sugeridas da iluminação natural (note-se a cuidada observação da luz filtrada pelas janelas, à esquerda, e o iluminado vão da porta aberta, à direita) definem-se como características fundamentais da arte de Hooch a partir das suas pinturas do período de Delft, c. 1658. As suas composições com vista a espaços contíguos  ou de exteriores (o que se designa, em holandês, doorkijkje) são como que uma assinatura  do pintor.

Trata-se de um tema caro à pintura holandesa. Aqui, veem-se dois jovens casais à mesa, acompanhados por um violinista, enquanto chega um cavalheiro de chapéu na mão, pela porta da direita. Um dos homens levanta-se para puxar a corda de uma sineta, provavelmente para chamar um criado. Mais explicitamente do que na maioria das «composições» de Pieter de Hooch com o mesmo tema, os casais trocam carícias - o homem que ri, na outra extremidade da mesa, coloca a mão no peito da sua companheira sorridente, enquanto ela sugestivamente introduz uma faca no seu copo de vinho.

Muito se escreveu  sobre os possíveis significados da pintura. Alguns admitem que as figuras à volta da musa personificam e aludem ao conceito dos Cinco Sentidos. Outros creem que a proeminente representação do Rapto de Ganimedes, sobre o fogão da sala, funciona simbolicamente; de facto, os pintores de género holandeses recorrem, por vezes, à inclusão de pintura dentro da pintura como espécie de comentário ao próprio tema principal da representação. Filho de um rei troiano, o jovem e belo Ganimedes foi raptado por Zeus metamorfoseado em águia, como oferenda para os Deuses. Alguns comentadores do século XVII salientaram as alusões (homo) eróticas desta história, outros consideraram Ganimedes como um símbolo de Aquário, enquanto que os neoplatónicos interpretaram a narrativa como ato de elevação da pura alma humana até Deus, e daí a existência, na pintura holandesa, de retratos de crianças já falecidas enquanto Ganimedes.

Karel van Mander, no seu importante comentário às Metamorfoses de Ovídio (Wileggingh op den Metamorphosis Pub. Ovidij Nasonis em Het Schildrbock (1603-1604, p.87) escreveu: «Ganimedes é tido como Alma Humana, aquele que está menos manchado pelas impurezas corporais  dos desejos perversos. Foi escolhido por Deus e levado até Ele». Com efeito, esta pintura dentro da pintura baseia-se numa gravura criada a partir de uma composição perdida de Karel van Mander III. Assim, é provável que este pormenor vise intensificar ou, pelo contrário, se oponha simbolicamente à alegria das figuras  em primeiro plano.

Embora não tenhamos certezas acerca das intenções de Hook relativamente à sua inclusão, a imagem mitológica não é certamente um pormenor inocente ou selecionado ao acaso; o cachorro spaniel, no canto inferior direito da pintura, que mais parece ladrar para o quadro por cima do fogão de sala que para o recém-chegado, assemelha-se aos frequentemente representados noutras imagens de Ganimedes, indiciando que Pieter de Hooch tomou em consideração tais representações do episódio. Desta forma, o artista insinua habilidosamente a história de Ganimedes na «verdadeira» zona pictórica onde se inscrevem os foliões.

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Visitas
58,518,450
>