"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

"Portas Abertas" na Gulbenkian para "estrelas em ascensão"

A 6.ª edição da iniciativa "Portas Abertas-Rising Stars" realiza-se em fevereiro, no Grande Auditório Gulbenkian, em Lisboa, e conta com o acordeonista português João Barradas, entre os novos valores selecionados.

Foto: DR


Além dos recitais, a edição deste ano dos concertos com "estrelas em ascensão", no contexto musical europeu, com entrada livre, inclui atividades e oficinas para a família, 'masterclasses' com os músicos e a exibição de vídeos educativos, de acordo com o cartaz da iniciativa.

O programa “Portas Abertas-Rising Stars” é desenvolvido pela European Concert Hall Organisation (ECHO), uma rede que engloba várias salas europeias de concerto, entre as quais a da Fundação Calouste Gulbenkian, e que selecionam, anualmente, “jovens músicos de excecional talento” - "estrelas em ascenção" - que, além de receberem formação, têm a oportunidade de atuar nos diversos palcos desta rede, segundo o comunicado da FCG.

O cartaz da edição deste ano, que se realiza no próximo dia 16 de fevereiro, inclui o trompetista britânico Simon Höfele, o violoncelista espanhol Pablo Ferrández, a violinista neerlandesa Noa Wildschut, o clarinetista sueco Magnus Holmander, o acordeonista português João Barradas e o Goldmund Quartett.

Os Goldmund, que no ano passado fizeram parte do cartaz do Festival de Marvão, encerram a jornada com a interpretação de obras de Haydn, Dobrinka Tabakova e Debussy.

O programa abre com Simon Höfele, de 25 anos, que interpretará obras de Gershwin, Ravel, Miroslav Srnka e Georges Enesco, seguindo-se Magnus Holmander, que escolheu para o seu recital peças de Schumann, Arvo Pärt, Debussy, Luigi Bassi e Molly Kien.

A violinista Noa Wildschut, de 18 anos, vai interpretar obras de Schubert, Joey Roukens e Prokofiev, sendo revezada no palco do Grande Auditório de Palhavã por Pablo Ferrández, de 28 anos, que vai apresentar obras de Max Bruch, Antón García-Abril e César Franck.

A penúltima presença em palco é a de João Barradas, de 27 anos, natural de Porto Alto, no concelho de Benavente, distrito de Santarém, que vai tocar peças de Bach, Keith Jarrett e Luciano Berio.


por Lusa e Renascença | 30 de janeiro de 2020
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Rádio Renascença

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
50,842,053
>