"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

Albert Uderzo (1927-2020)

Agradecemos ao nosso Amigo e consócio João Paulo P. Boléo, grande especialista da BD, este texto exclusivo.


Quando recebi de um amigo, na manhã de 24 de Março, a notícia da morte de Albert Uderzo, o meu primeiro comentário, a acompanhar a partilha da notícia, foi: «Esta é realmente uma notícia grande. Morreu Uderzo com um ataque cardíaco depois dos 90. É justo recordar que Goscinny foi bem menos feliz - morreu a fazer uma prova de esforço (!) por volta dos 50».

A carreira, colaboração, co-autoria, cumplicidade dos dois foi de tal maneira grande e marcante que ficaram indissociáveis. Não só, como sabe quem conhece minimamente as suas vastas obras, mas sobretudo - naturalmente - devido a Astérix.

Ao aceder ao "convite" do meu Amigo Guilherme d'Oliveira Martins, permitam-me algumas notas confessionais. Ao chegar lá a casa, no início dos Anos 60, pelo mão do meu irmão mais velho (o grande introdutor das histórias aos quadradinhos na família, com a cumplicidade do meu Pai), o primeiro livro do Astérix (Astérix le Gaulois), falámos nele a uma família belga amiga e naturalmente apreciadora de BD... e ainda não conheciam! Essa valiosa primeira edição acabaria por dar a volta à família, à rua, aos amigos... e desaparecer...

Sabemos (se e quando sabemos) que a autoria da banda desenhada, no caso frequente de um argumentista e um desenhador, tem as mais variadas nuances e contributos, desde o desenhador que recebe o guião "perfeito" e se "limita" a desenhá-lo (às vezes sem se verem!), até à intensa colaboração de ambos.

Sem pôr em causa o papel claro e fundamental de cada um, é evidente que havia ideias de ambos e uma intensa colaboração e cumplicidade entre Goscinny e Uderzo. Que já vinha de trás.

Hoje (penso no tempo em que também escrevi no Expresso artigos sobre estes autores, que não fui reler intencionalmente) é (mais) fácil recolher informação e reconstituir a obra de artistas como Goscinny (14/08/1926-05/11/1977, de origem polaca) e Uderzo (n. 25/04/1927, de origem italiana), convindo apenas sublinhar que Goscinny foi um genial argumentista com uma obra vastíssima e na sua maioria brilhante em paralelo e para lá da fecunda colaboração com Uderzo.

Mas hoje é Uderzo que justamente homenageamos. E assim como, por exemplo, Lucky Luke nasceu pela mão exclusiva de Morris mas foi com o talento de Goscinny que teve os melhores anos da sua vida, Uderzo também teve muitas obras e séries meritórias desde finais da Segunda Guerra Mundial, quando começou a sua carreira, mas Goscinny seria um companheiro decisivo. Embora não só.

O aspecto essencial a sublinhar, porém, aquilo que torna Uderzo um dos grandes nomes de toda a BD e dos artistas mais marcantes do nosso tempo é o seu excepcional jeito inato para o desenho desde pequeno, ele que até nasceu com seis dedos em cada mão (seria operado). E era daltónico.

Muito influenciado pelos desenhos animados de Walt Disney, revelou desde cedo um grande sentido do movimento e minuciosa expressividade, sendo também marcado pela pujante escola francesa de BD, nomeadamente Calvo, autor de La Bête est Morte, uma excepcional "versão" animalista da II Guerra Mundial.

As suas primeiras séries marcantes seriam Flamberge, Arys Buck, Belloy, etc., umas como autor completo, outras com argumentos de Charlier (que voltará a aparecer), e onde apuraria o seu estilo e criaria personagens que fariam parte da "arqueologia" dos seus sucessos maiores, bem como Jehan Pistolet e Luc Junior, primeiras colaborações com Goscinny, na década de 50, envidenciando nesta o seu talento para fundir o traço humorístico e o "realista".

Na segunda metade dos Anos 50, depois de um projecto inicial não totalmente conseguido, surgiria o grande "ensaio geral" antecessor de Astérix que seria Oumpah-pah, cinco histórias delirantes de 30 páginas com a amizade entre um índio e um caval(h)eiro francês, primeiro na revista "Tintin" (belga e francesa) e depois reunidas em álbum, o primeiro dos quais também seria muito lá de casa, com gags inesquecíveis, como o nome da figura que só tinha um dente...

E eis senão quando surge, em 1959, o projecto que irá revolucionar a História da BD, em especial  europeia: a revista "Pilote". E Goscinny e Uderzo farão parte dos fundadores, sendo o desenhador "pau para toda a obra" - evidenciando a importância da sua vasta e diversificada experiência, aqui só aflorada - que se vai manifestar especialmente em duas séries que mostram a sua versatilidade: Tanguy et Laverdure, com argumento do prolixo e importante Jean-Michel Charlier, em que mostra o seu talento "realista" e projecta a sua paixão pela aviação e pelas "máquinas" (também era um apaixonado por automóveis e condução), sem esquecer o toque de humor (em especial na figura de Laverdure); e, no registo que todos conhecem, Astérix.

A qualidade, relevância e influência de Astérix não precisam de ser sublinhadas, nem a importância que teve no processo de "dignificação" da BD na década de 1960, com o momento alto que foi o sucesso e impacto de Astérix et Cleópâtre (1963-1964, álbum em 1965), embora a BD não tenha atingido o estatuto no mundo da Arte que essa década anunciava e prenunciava, mas isso são outras histórias.

A Portugal, como Tintin, Astérix chegou cedo: na revista "Foguetão" (1961), de grande formato, um projecto efémero de Adolfo Simões Müller, em que Astérix surge a preto-e-branco ou a uma cor, tendo depois, como as outras séries (incluindo Michel Tanguy) que passar (com resumo!) para o "Cavaleiro Andante", na sua fase final.

Para uma primeira abordagem de Uderzo em Portugal sugiro: https://biblobd.blogspot.com/2018/10/albert-uderzo-ensaio-de-quadriculografia.html.

E Uderzo atinge aqui o cume do seu talento e da sua expressividade e fluência, a capacidade de transmitir sentimentos e emoções mesmo em personagens de costas, os gags visuais, uma inesgotável panóplia de recursos que é redundante sublinhar.

Não é a altura para uma reflexão mais aprofundada sobre Astérix, as múltiplas leituras de que foi objecto, sendo considerada tanto uma série progressista como conservadora, nem sobre os seus muitos méritos, os anacronismos, o humor de repetição intra-aldeia, as personagens pitorescas, os gags linguístico-visuais, etc., etc., nem sobre a sua incontornável presença na cultura contemporânea.

Uma coisa é certa. Uderzo também fez parte da concepção e não apenas da ilustração, mas como argumentista não é Goscinny, e se o primeiro álbum depois da morte deste (Le grand fossé, 1980) ainda tinha a força da dupla, ela foi-se diluindo, até Uderzo deixar de desenhar - a operação aos dedos deixara marcas...

Sobre os "apócrifos", com argumento de Jean-Yves Ferri e desenhos de Didier Conrad, de que saiu recentemente o quarto, não levem a mal que não me pronuncie, preferindo ir, com muito gosto, revisitar a série quando era feita por Goscinny e Uderzo, de que me permito, do fundo da memória, destacar Astérix et les Goths, A. Gladiateur, A. et Cléopâtre, A. chez les Bretons, A. légionnaire (o meu preferido), La Zizanie, Le domaine des Dieux... 

João P. Boléo

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
51,080,990
>