"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

"Eliete - A vida normal" de Dulce Maria Cardoso candidato ao Prémio Femina

Depois de Gonçalo M. Tavares sido nomeado em 2010 e em 2016, de José Luís Peixoto ter estado na corrida em 2012 bem como Valério Romão em 2016, é agora a vez de Dulce Maria Cardoso estar na lista de candidatos.

Dulce Maria Cardoso_ Foto de Enric Vives-Rubio


O livro Eliete - A vida normal, de Dulce Maria Cardoso, está na lista de candidatos ao Prémio Femina, criado em 1904, em França, na categoria de melhor romance estrangeiro, publicado no país, divulgada na segunda-feira à noite.

Eliete - A vida normal, editado em Portugal em 2018 pela Tinta-da-China, é um dos 15 romances estrangeiros integrados na primeira lista de candidatos divulgada pela organização do Prémio Femina.

O romance de Dulce Maria Cardoso Eliete - la vie normale foi editado em França pelas Editions Chandeigne, com tradução de Elodie Dupeau.

Além dos romances estrangeiros, foram também divulgados os primeiros 18 romances franceses da lista de candidatos deste ano ao Prémio Femina.

As próximas listas de candidatos serão divulgadas em outubro e os vencedores serão anunciados em 3 de novembro.

Em 1990, Vergílio Ferreira venceu o Prémio Femina Étranger com a tradução francesa de Aparição.  Em 2010 Gonçalo M. Tavares o Prémio do Melhor Livro Estrangeiro publicado em França (Meilleur Livre Etranger - Hyatt Madeleine 2010) pelo seu livro Aprender a Rezar na Era da Técnica e nesse ano esteve também na corrida ao Femina e ao Médicis. Em 2016 esteve na corrida ao Prémio Femina com Matteo perdeu o emprego ao lado do escritor Valério Romão pela tradução francesa de Autismo. E em 2012 António Lobo Antunes e José Luís Peixoto também estiveram entre os candidatos.

O Prémio Femina foi criado em 1904 por 22 colaboradores da revista feminina La Vie Heureuse e teve sempre um júri composto exclusivamente por mulheres, em protesto contra o júri do Prémio Goncourt, formado apenas por homens. Em 1985, foi criado o Prémio Femina Étranger, que já distinguiu autores como Javier Marias, Antonio Muñoz Molina, Richard Ford, Sofi Oksanen, Ian McEwan, Julian Barnes e Joyce Carol Oates.

Eliete - A vida normal centra-se numa mulher de meia-idade, caracterizada pela mediania em tudo, casada e mãe de duas filhas, agente imobiliária, que se sente insatisfeita com a vida e com o casamento, e que, na procura de mudança - vontade desencadeada na sequência da hospitalização da avó, com sinais de Alzheimer - vira-se para as conquistas através da Internet e das redes sociais, que no romance têm um papel central.

“A grande dificuldade destes tempos é fazer coincidir o eu digital com o eu real e ultrapassar o facto de nós estarmos sempre a ser avaliados”, disse a escritora em entrevista à agência Lusa, em 2018, aquando da edição de Eliete - A vida normal.

Um like a mais ou a menos faz sempre mossa, “porque os likes são agora as palmas de antigamente, é uma maneira de dizer “gosto de ti”, “estás bem”, e pressupõe sempre uma comparação com os outros, quem tem mais gostos e quem tem mais comentários”.

Esta é uma realidade que não pode ser ignorada, porque a “vida editada também é vida” e a grande dificuldade reside em conciliá-la com a vida real.

No romance, Eliete começa a ensaiar traições ao marido através da rede social Tinder, ideia através da qual a autora explora o dilema da traição e do adultério real e virtual.

O romance começa com uma referência a Salazar e termina com uma carta do ditador, que deixa em aberto o desenvolvimento do enredo no próximo volume.

A ideia desta personagem inusitada surgiu do questionamento de quem é esta geração pós 25 de Abril, e que país é este que ficou da revolução que deitou abaixo a ditadura.

A avó de Eliete e a sua demência desempenham na história também um papel fundamental, por um lado, por uma questão metafórica, porque ela tem mais ou menos a idade dos anos que advêm da Segunda Guerra Mundial, e simboliza a demência de que padece o “corpo social”, que, esquecido da guerra, rapidamente se deixou arrastar pelo fascismo.

Por outro lado, a situação clínica da avó reflete uma preocupação da autora com a incapacidade física e financeira das famílias para cuidarem dos idosos e da falta de respostas sociais para as situações de dependência em fim de vida: “Eu começo por não perceber porque nos querem prolongar tanto a vida, se depois não sabem o que fazer connosco”.


por Lusa e Público | 15 de setembro de 2020
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Jornal Público

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
54,081,081
>