"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Publicações

Romance histórico de Jorge Arrimar homenageia Sudoeste angolano dos séculos XIX e XX

Fruto de uma pesquisa linguística e cultural notável, Cuéle – O Pássaro Troçador, o novo romance histórico do poeta e escritor angolano Jorge Arrimar, resgata do esquecimento factos e figuras – com mais ou menos relevância no espaço público – que escreveram a história do Sudoeste angolano.


Ao mesmo tempo reflete o riquíssimo legado da miscigenação do português com as línguas nativas. Um trabalho literário de grande fôlego para conhecer numa edição Guerra e Paz, com o apoio do grupo angolano O Regente e da Academia de Autores da Huíla. Além da rede livreira nacional, a obra poderá também ser adquirida através do site da editora. 

No centro deste Cuéle – O Pássaro Troçador, o novo romance de Jorge Arrimar, está António José de Almeida, um dos mais relevantes moradores do Humbe e da Chibia, nascido em Caconda (1856), numa manobra que o autor classifica de «resgate literário ao esquecimento». Recuando à infância, o autor afirma: «José António Lopes foi-me descrito como um notável e corajoso morador de vários locais do planalto, entre o Lubango e o Humbe, oficial de 2.ª linha (civil que, graças à reconhecida coragem, podia ser chamado a servir em combate), homenageado com as mais altas condecorações do Estado. António José de Almeida foi referido como o homem mais rico do Sul de Angola na sua época, “rico em riquezas materiais, mas ainda mais em riqueza humana”, sublinhava meu avô.»

Este resgate estende-se a muitas outras personagens, sejam elas moradores de povoações e vilas ou elementos das sociedades tradicionais, num texto – pontualmente visitado pelo cuéle, «o pássaro de canto trocista que persegue os nossos fracassos e contradições» – em que a história se mistura com a ficção, fazendo da realidade apenas um ponto de partida para a literatura. Mas é com o hamba Nande, do Cuanhama, que, diz Arrimar, «este livro se dá à leitura, numa viagem onírica que, é, afinal, a condensação metafórica dum tempo em que esta narrativa se amarra». 

A obra, que nasceu da exaustiva recolha de «precários vestígios escritos ou conservados apenas na oralidade», inclui algumas notas históricas para contextualização da leitura e um glossário final com os termos originários de línguas nativas africanas, como o africânder, ambó, ganguela, herero, kimbundo, nhaneca e umbundo, mas também, por exemplo, do tupi, de origem brasileira. Inclui ainda um elucidário iconográfico, com fotografias de grande valor histórico, de pessoas e de espaços naturais e urbanos que foram relevantes para a construção da narrativa.

Uma homenagem ao património histórico, cultural e linguístico das gentes do Sudoeste angolano, Cuéle – O Pássaro Troçador chega à rede livreira nacional no próximo dia 22 de Novembro, com a chancela da Guerra e Paz, que publica pela primeira vez Jorge Arrimar. Além de autor de onze títulos de poesia e seis de ficção, o poeta e escritor angolano é ex-diretor da Biblioteca Nacional/Central de Macau e, quando aí vivia, os seus méritos foram distinguidos com a Medalha de Mérito Cultural, pelo governador de Macau.

Cuéle – O Pássaro Troçador 
Jorge Arrimar
Ficção / Romance
440 páginas · 15x23 · 20,00 €

Agenda
Exposições

"Filhos de 74"

APOIARTE - Casa do Artista 12 Abr a 30 Jun 2024

Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

"A GRANDE VIAGEM 2: ENTREGA ESPECIAL"

Em parceria com a PRIS Audiovisuais, oferecemos convites duplos para as antestreias agendadas para 21 de abril (domingo) às 11h00, em Gaia e Lisboa. Participe e habilite-se a ser um dos felizes contemplados!

Passatempo

Ganhe convites duplos para o ciclo de cinema da ANIMar 19

Em parceria com a Solar - Galeria de Arte Cinemática, oferecemos convites duplos para as próximas sessões de cinema da ANIMar 19 no Teatro Municipal de Vila do Conde, onde serão exibidos os filmes "Pesca do Bacalhau", "Å Seile Sin Egen SJØ (Vida Costeira)", "A Extraordinária Aventura do Zéca" e "Até Amanhã, Mário".

Passatempo

Ganhe convites para a peça "A LIBERDADE É UMA MALUCA"

Em parceria com o Teatro do Bairro, oferecemos convites duplos para uma peça escrita e encenada por Hugo Mestre Amaro que, evidenciando o impacto de algumas decisões políticas e ocorrências sociais no contexto da vida privada, constitui uma sátira que intenta ser um retrato de um Portugal herdeiro, nestas últimas cinco décadas, da Revolução dos Cravos. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Visitas
90,672,976