"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Festivais

Em ano de pandemia, o Festival Política foca-se no Ambiente

Depois das problemáticas da abstenção, dos direitos humanos e da Europa, à quarta edição, o festival elege o Ambiente como tema central e propõe-se a debater a sustentabilidade, convidando a repensar a sociedade atual e os moldes em que gerimos os ecossistemas.

13 Ago a16 Ago

Cinema S. Jorge
Av da Liberdade, 175, 1250-141 Lisboa


De 13 a 16 de agosto, um conjunto de atividades gratuitas como debates, filmes, performances, exposições e espectáculos de música e humor, convida, mais uma vez, à consciencialização e participação de todos e todas, lembrando que essa é uma das chaves imprescindíveis para o saudável desenrolar da democracia e para uma equilibrada construção da consciência coletiva.

Os destaques deste ano vão para o debate “A exploração da gente para a exploração da terra", com moderação do Fumaça; sessões de cinema com os vencedores dos Green Film Network Awards e a exibição de "Injustiça", o grande vencedor Ambiente da última edição do CineEco, o espetáculo do humorista Diogo Faro também conhecido por Sensivelmente Idiota e a exposição da artista Carolina Maia, que estará patente no São Jorge durante todo o festival.

Nesta edição, o festival terá pela primeira vez a figura do país-foco. Este ano, será o Brasil que estará em destaque em vários momentos da programação como na atuação da dupla Venga Venga, na performance de Viton Araújo e André Dez “Saravá Palavrá” ou no debate "O que se passa no Brasil?".

Com as alterações climáticas no centro das reivindicações dos mais jovens e com os poderes públicos e económicos cada vez mais pressionados para mudarem as suas políticas em prol de um desenvolvimento mais sustentável, o festival dará especial atenção ao papel dos cidadãos como agentes transformadores, sem ignorar o impacto que a pandemia da covid-19 está a ter em todo o mundo.

Apesar da crise pandémica, Bárbara Rosa, co-diretora artística do Festival Política reforça que “um festival que exalta as liberdades jamais poderia ser suspenso numa época de assinalável enfraquecimento de muitas delas. Através das artes e do debate, este ano a reflexão foca-se no Ambiente tendo em vista, mais uma vez, alcançar o objetivo principal do festival: adubar o pensamento crítico democrático que subjaz à transformação social que o mundo reclama”.

O festival abre este ano a programação do Lisboa na Rua. Também Joana Gomes Cardoso, presidente da EGEAC, entidade co-produtora, defende que “numa altura de grande incerteza, em que vários pressupostos de convivência são questionados, é ainda mais importante existirem iniciativas como o Festival Política”.

Todas as atividades do festival são gratuitas sendo necessário o levantamento de bilhetes na bilheteira do Cinema São Jorge. Para garantir a acessibilidade, todos os filmes estão legendados para português e todos os conteúdos orais são acompanhados por tradução em Língua Gestual Portuguesa. Serão cumpridas todas as recomendações da Direcção-Geral de Saúde.

O Festival Política é um conceito da Associação Isonomia, com co-produção da EGEAC e da Produtores Associados. Conta com o apoio institucional da Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto, Instituto Português do Desporto e Juventude, Secretaria de Estado da Cidadania e Igualdade, Gabinete do Parlamento Europeu em Portugal e do Cine Eco/Município de Seia, a par da agência FCB e da produtora Bro. A RTP é a televisão oficial.

No que é o ano de Lisboa Capital Verde Europeia, Festival Política de 13 a 16 de agosto, no Cinema São Jorge.

Toda a informação em www.festivalpolitica.pt

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
54,063,921
>