"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Exposições

Rui de Pina: 500 anos depois

Em 2022, passam 500 anos da morte de Rui de Pina (ca. 1440 – 1522), figura destacada da cultura portuguesa e que desempenhou importantes cargos durante os reinados de D. João II (r. 1481-1495) e D. Manuel I (r.1495-1521), época especialmente rica da história de Portugal.

Folha inicial do manuscrito «Crónicas 17», Cronicas de D.Afonso V por Rui de Pina

25 Jan a20 Abr

Biblioteca Nacional de Portugal
Campo Grande, 83, 1749-081 Lisboa
Preço
Entrada livre

Rui de Pina foi guarda-mor da Torre do Tombo, cronista-mor do reino e secretário de embaixadas régias, tendo ainda desempenhado outras funções. Esta efeméride convida a uma revisitação e difusão pública da sua obra e do seu legado, tendo como ponto de partida o rico conjunto de materiais relacionados com a obra deste cronista que fazem partem dos fundos da Biblioteca Nacional de Portugal.

Apesar da sua relevância, Rui de Pina permanece uma figura mais referida do que propriamente estudada e ainda pouco conhecida fora das universidades e meios eruditos. A mostra serve, assim, três grandes objetivos: assinalar a efeméride dos 500 anos da morte de Rui de Pina; divulgar publicamente a sua obra e legado; assinalar a riqueza dos fundos da Biblioteca Nacional quanto a materiais que a essa obra e legado dizem respeito. O foco principal é a atividade cronística de Rui de Pina e respetiva importância para a história e a cultura portuguesas.

Os materiais selecionados estão divididos por três núcleos, correspondentes à difusão manuscrita das crónicas de Rui de Pina, às edições e à forma como essas crónicas e o seu autor foram sendo lidos, comentados e interpretados ao longo do tempo. No seu conjunto, estes materiais revelam uma presença constante e incontornável na cultura portuguesa, bem como uma grande diversidade de apreciações, usos e entendimentos que a obra de Rui de Pina foi suscitando. Alguns dos materiais são muito pouco conhecidos e serão publicamente expostos pela primeira vez, entre os quais está uma versão de uma das crónicas diferente da versão editada e mais divulgada, e também trabalhos preparatórios de uma edição contemporânea que nunca chegou a ver a luz do dia. A exposição de todos estes materiais deverá estimular o interesse pela figura e pela obra deste cronista e contribuir para uma renovação do modo como têm sido encarados.

Filipe Alves Moreira (IF/ Universidade do Porto - DL57/2016/CP1367/CT002)
Jorge Araujo
(CITCEM /Universidade do Porto - Bolsa FCT:  (SFRH/BD/143996/2019)


>
As visitas à BNP obrigam à desinfeção das mãos e medição da temperatura corporal à entrada do edifício. É obrigatório o uso de máscara durante a permanência no edíficio.
Agenda
Ver mais eventos
Visitas
66,779,848