"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Concertos

Lightning Bolt

Duo lendário de Providence, Rhode Island. Não é exagero. Atente-se nas últimas três décadas de assunto rock e poucas terão sido as bandas a causar tal abalo às fundações de um género que parece destinado a ser salvo de tempos a tempos - o que nem é verdade.

1 Jun   |  22h00

LAV Lisboa ao Vivo
Av. Mar. Gomes da Costa 29 B1, 1800-255 Lisboa

Duo lendário de Providence, Rhode Island. Não é exagero. Atente-se nas últimas três décadas de assunto rock e poucas terão sido as bandas a causar tal abalo às fundações de um género que parece destinado a ser salvo de tempos a tempos - o que nem é verdade. Germinados por Brian Gibson (baixo) e Brian Chippendale (bateria) no seio da inspiradora Rhode Island School Of Design em 1994, calcorrearam o submundo norte-americano mais urgente e honesto durante anos, no circuito de bares suspeitos, casas, associações de estudantes, lofts comunitários, ruas e sítios mais ou menos improvisados que é afinal onde se propala a energia mais vital e actuante para que as coisas aconteçam, sempre fora do palco e em linhagem com 'Our Band Could Be Your Life' - tudo muito bem documentado no inspirador documentário 'The Power of Salad' - para atingirem uma semi-estrelato em 2003 com o clássico 'Wonderful Rainbow'. Terceiro álbum da banda na Load, em sucessão a um disco homónimo bem lo-fi e o som patenteado em 'Ride the Skies', a causar o devido espanto e reverência em todo o lado. Justo.

A bateria frenética mas certeira de Chippendale e os riffs, texturas e melodias encharcadas em distorção do baixo de Chippendale, conduzidas por uma voz a ecoar cantinelas tão memoráveis quanto alucinatórias, numa música intempestiva com noção da tradição - e os Ruins poderiam até ser o antecedente mais óbvio - mas a desbravar terreno por entre as suas tropes. Em jeito de fórmula, sempre simplista, pode-se escrever com alguma timidez que articularam as vivências aparentemente inconciliáveis de três escolas de e para a vida: o hardcore de vistas largas da americana SST, o estrilho vertiginoso da japonesa PSF e a velocidade e o abandono dos primeiros anos da britânica Earache. E com isso criaram também eles escola. Influência para montes de bandas que descartaram a guitarra - e por vezes o baixo - para assumir o binómio do power duo. Tumulto que apesar da electricidade, adrenalina e alto volume nunca se assume como confrontacional, mas sim como acto de comunhão e extâse colectivo, algo bem patente no imaginário onírico dos seus títulos e capas - obra de Chippendale - e principalmente na recusa do palco como centro de acção, numa recusa ao status quo do rock. Gente como nós.

Passados dois anos e sem quaisquer concessões, 'Hypermagic Mountain' avança por territórios mais inóspitos enquanto cimenta o papel central da banda nas músicas que mais interessam, ao lado de nomes como Black Dice ou Sightings. Em 2008 chegam pela primeira vez a Portugal, num concerto programado pela ZDB no inusitado espaço reverberante do parque de estacionamento do Largo Camões, cuja memória assalta ainda hoje muitos (todos?) os presentes. Concerto mítico. 'Earthly Delights' e 'Oblivion Hunter' fecham a ligação da banda à Load, antes desta rumar em 2015 à imponente Thrill Jockey, prova de um estatuto já perfeitamente consolidado mas não conformado, reflectido na imperturbável pertinência dos seus mais recentes álbuns - 'Fantasy Empire' e 'Sonic Citadel' - que, se nos soam mais confortáveis, é também porque crescemos com eles. Um contínuo processo de depuração que torna a sua música mais instantâneamente trauteável mas não menos desafiante. Feras como 'Runaway Train' ou 'Hüsker Don't' a ombrearem com '13 Monsters', 'Dracula Mountain' ou '2 Morro Morro Land' no panteão dos clássicos. Imperdível. BS

Entrada: 20€
Bilhetes disponíveis online: https://zedosbois.bol.pt/
Agenda
Ver mais eventos
Visitas
67,709,002