"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Teatro

Evocação dos Teatros de Ventura Terra nos 150 anos do seu nascimento

Teatro Politeama Teatro Clube de Esposende
Tipo de Património
Teatro
Descrição

Já tivemos aqui ocasião de referir o Teatro Politeama, obra referencial do arquiteto Ventura Terra no que toca a edifícios de teatro. Importa agora, no âmbito das comemorações dos 150 anos do seu nascimento, recordar outros projetos e edifícios relacionados com o espetáculo teatral.

Realça-se então a própria estrutura e vocação arquitetónica em si, mesmo nos casos em que os projetos e edifícios de Ventura Terra foram, ou alterados (caso do Politeama) ou pura e simplesmente reaproveitados para outras atividades: e menos mal quando se matem a vocação cultural e patrimonial respetiva.

Veja-se então o Teatro Clube de Esposende. O projeto de Ventura Terra é de 1908, mas só decorridos alguns anos o teatro entrou em funcionamento. Vale a pena recordar que a esplendorosa fachada do Politeama data de 1912/13. E é interessante o cotejo entre os dois edifícios. Muito mais pequeno o de Esposende, ainda assim a fachada em arco de janelas, independentemente da dimensão indicia, nos arcos e varandas, uma expressão arquitetónica semelhante. Mas a função cultural - social de ambas as salas converge: e assumiu obvia maior representação urbana no Teatro Clube, pois é o único na cidade.

E importa ainda salientar a convergência estilística de ambas as fachadas, independentemente das dimensões de cada um dos edifícios e da função cultural que na origem desempenharam. Isto, sem querer obviamente comparar a relevância de cada uma das cidades… Mas é notável, isso sim, a iniciativa arquitetónica e, repita-se, cultural convergente: e grande diferença obviamente marcava o cotejo socioeconómico de Lisboa e de Esposende no início do século.

Tenha-se no entanto presente uma curiosa tradição de edifícios de espetáculo teatral na então vila piscatória de Esposende, anteriores portanto ao Teatro Clube de Ventura Terra. Com efeito, assinala-se a existência de um Teatro de Santo António, destruído por um incêndio em 1899.

E mais: segundo recorda Manuel Albino Penteado Neiva, há registo de atividades para-dramáticas na então vila piscatória de Esposende desde pelo menos o século XVIII (in “Esposende- Paginas de Memórias” – ed. CM Esposende - 1991). E por seu lado, Ivone Batista de Magalhães realça a decoração arte-nova da fachada, referindo em particular os balcões sobrepostos e as mísulas que suportam expressões de máscaras tradicionais na arte do teatro (in “Um Programa de Conservação Preventiva para o Museu Municipal de Esposende” – Universidade do Porto - 2002).

O Teatro Clube de Esposende teve um destino no mínimo insólito. No início dos anos 80 do século passado funcionava como armazém de uma empresa de têxteis e confeções: mas houve o mérito de conservar a fachada e os frisos de azulejos que Ventura Terra instalou no interior. Entretanto a Câmara Municipal adquiriu o edifício e instalou lá Museu Municipal, segundo projeto do arquiteto Bernardo Ferrão, garantindo assim a vocação cultural, e salvaguardando a traça exterior de Ventura Terra.

E esclareça-se ainda que a intervenção de Ventura Terra no património de salas de espetáculo não ficou por aqui. Para além do Politeama, há que registar a colaboração na recuperação do Teatro de São Carlos, como aliás também já vimos nesta série. E mais: participou nas Comissões que avaliaram os projetos do Teatro Circo de Braga e do Teatro São João do Porto.

E finalmente: é-lhe atribuída a recuperação do chamado Teatrinho do Palácio da Brejoeira, em Monção, imponente edifício contruído entre 1806 e 1834, segundo a traça de Carlos Amarante, e posteriormente restaurado e valorizado pela inclusão do Teatro.

Cito, a terminar, o que escrevi sobre este pequeno teatro, atribuído, repita-se, a trabalhos de Ventura Terra.

“O Teatrinho, algo como 50 lugares em suave declive, além de mostrar os interesses culturais do proprietário, revela ainda hoje, por conta de um restauro e conservação exemplares, uma harmonia e uma ambiência que se concilia com a funcionalidade do palco, não obstante as reduzidas dimensões. E acresce, a reprodução em telão da própria fachada do palácio”  (in “Teatros em Portugal – Espaços e Arquitetura” ed. Mediatexto e Centro Nacional de Cultura – 2008).

Um comentário final de enquadramento histórico:

José Augusto França refere “uma invenção mais parisiense” no “ecletismo” da obra e do estilo de Ventura Terra (e de Norte Jr., que já referimos nesta série – cfr. José Augusto França – “O Modernismo na Arte Portuguesa” ed. ICLP). No contexto do que acima se descreveu, essa intervenção modernista marca e valoriza sobremaneira, até hoje, o estilo urbano de tantas e tantas cidades, como, neste caso, Esposende.


DUARTE IVO CRUZ

Fonte de informação
Duarte Ivo Cruz
Data de atualização
21/12/2016
Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

Ganhe convites duplos para o espetáculo "City of Glass"

Em parceira com o Auditório de Espinho, oferecemos convites duplos para o concerto de Daniel Bernardes Trio & Coro Ricercare que terá lugar no próximo dia 2 de março (sábado), às 21h30. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Passatempo

Ganhe convites para a antestreia do filme "NO WAY UP - SEM SAÍDA"

Em parceria com a Films4You, oferecemos convites duplos para a antestreia de um inquietante thriller, NO WAY UP - SEM SAÍDA, sobre luta pela sobrevivência depois da queda de um avião no Oceano Pacífico. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Visitas
88,963,105