"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Teatro e Dança

TNSJ oferece récitas a profissionais de saúde, proteção civil e "Amigos"

Teatro Nacional São João agradece a quem está na linha da frente no combate à COVID-19, com apresentações gratuitas da nova produção da Casa.

2 Jul a4 Jul

Teatro Nacional São João
Praça da Batalha, 4000-102 Porto


A celebração do centenário do Teatro São João ficou suspensa a meados de março, devido ao surto da COVID-19. A temporada 2020/2021 será antecipada um mês, começando em agosto, mas o Teatro Nacional São João (TNSJ) volta a ter programação artística já nos primeiros dias de julho, com três sessões da nova produção da Casa, encenada por Nuno Cardoso: Castro, de António Ferreira, um dos mais belos textos da dramaturgia de língua portuguesa.

Como gesto de reconhecimento pelo empenho na luta diária contra a pandemia, as apresentações agendadas para 2 de julho (21h00), 3 de julho (21h00) e 4 de julho (19h00) são dirigidas exclusivamente, e de forma gratuita, a profissionais de saúde e da proteção civil, assim como aos mais regulares e fiéis espectadores deste Teatro Nacional: os detentores do cartão Amigo do TNSJ. Para ter acesso aos bilhetes é necessário efetuar reserva prévia através do contacto 223 401 951 (segunda a sexta-feira, entre as 10h00-13h00 e 14h00-18h00) ou relacoespublicas@tnsj.pt.

Castro: Símbolo da descentralização e da companhia “quase” residente

Castro simboliza o esforço do TNSJ no desenvolvimento de uma política de descentralização, tendo a estreia ocorrido no Teatro Aveirense, no âmbito do arranque da programação do Centenário do São João. A tragédia renascentista portuguesa, de António Ferreira, que relata o drama histórico (e lendário) do amor vivido entre Pedro e Inês, é a primeira incursão do director artístico do TNSJ, Nuno Cardoso, na dramaturgia clássica portuguesa.

A peça é também o primeiro desafio dos seis atores que integram o elenco “quase” residente do TNSJ: Afonso Santos, Joana Carvalho, João Melo, Maria Leite, Mário Santos e Rodrigo Santos. O espetáculo conta ainda com a participação de Margarida Carvalho e Pedro Frias. As apresentações de Castro no início de julho no TNSJ antecipam a apresentação do espetáculo no Festival de Almada, onde poderá ser visto entre 9 e 11 de julho. A peça regressa ao TNSJ, entre 20 de agosto e 12 de setembro, já integrada na temporada 2020/2021.

Regresso à atividade com um plano de contingência minucioso

Ao longo das últimas semanas, o Teatro Nacional São João desenvolveu, de acordo com as indicações das autoridades de Saúde, um plano de contingência minucioso, que abrange montagens, ensaios e os próprios espetáculos, salvaguardando a segurança tanto do público, como dos artistas e dos colaboradores.

Entre as medidas definidas pelo TNSJ, destaca-se a realização de testes à COVID-19 dos elencos de atores/intérpretes dos espetáculos que integram a programação. As salas e os espaços comuns serão objeto de uma desinfeção completa antes da abertura das portas e logo após o fim de cada espetáculo, através de técnicas de nebulização.

No que toca à capacidade das salas, os espaços geridos pelo TNSJ contam com uma redução considerável: o São João terá uma lotação máxima de, aproximadamente, 200 pessoas. Já a lotação máxima do Teatro Carlos Alberto rondará as 100 pessoas. Para ambas as salas, foi estabelecido um princípio de dois lugares de intervalo entre espectadores ou grupos de espectadores coabitantes.

Os espaços do TNSJ contam ainda com gel desinfetante em vários pontos dos seus edifícios e com a sistemática desinfeção de instalações sanitárias. Procedeu-se também à implementação de sinalética nos edifícios, com o propósito de evitar a proximidade e o contacto entre pessoas. Dentro dos edifícios, é obrigatório o uso de máscara, inclusive pelos espectadores, aplicando-se as recomendações de distanciamento social.

Visitas
51,989,089
>