"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Concertos

Tarta Relena + Joana Bagulho

Tradicional e transgressor, o trabalho do duo feminino catalão tem sido uma afirmação maior na produção europeia. Helena Ros e Marta Torrell são as duas artistas que tratam amiúde a tradição oral, levando-a às possibilidades estéticas da música contemporânea.

26 Jul   |  19h00

Novo Negócio ZDB
Rua do Acúcar, 52, Armazém 3 | 1950 Lisboa

A premissa parece familiar, replicada aqui e ali, com maior ou menor mestria, mas nas Tarta Relena existe um interesse profundo no acto de explorar o desconhecido e o intemporal. Uma busca que não recorre a fórmulas ou tendências estéticas, senão a ir mais fundo, camada a camada, até ao centro da terra. Ora Pro Nubis foi o disco que imaculou este antigo mundo novo, projectando-as para um público mais global. Com ele vieram as inúmeras apresentações ao vivo onde se incluem passagens pelos festivais Mutek, Eurosonic ou Primavera Sound, apenas para nomear alguns.

A cartografia mediterrânica das Tarta Relena faz-se de uma constante e cuidada etnografia sonora em que os pedais de efeitos, sintetizadores e DAWs conferem um espectro sónico latente e pontual. O espaço e o silêncio são elementos fulcrais a esta magia; é deles que se intensifica a polifonia das vozes, ora suspensas e feéricas, ora mais primais e selváticas. Evocam a essência de Medulla de Bjork e parecem partilhar da inovação dos ucranianos DakhaBrakha. Na verdade, o ângulo de expressividade surpreende pela sua consistência. Mesmo quando a electrónica espreita, tal não arromba a fragilidade ou ofusca a força de onde tudo nasce. Um equilíbrio que se revela matriz no modo como elevam esta música simultaneamente sacra e urbana, ao nível de uma autêntica experiência.
Já este ano surgiu Pack Pro Nubis, duplo álbum que reúne algumas das gravações anteriores e a que se junta de uma mão cheia de remisturas (abrindo outras dimensões e revelações). De resto, a oportunidade de as ver cá é um elogio à irreverência e um convite a um ritual indescritível. NA

Joana Bagulho
O extenso percurso de Joana Bagulho revela uma inquietude nata, própria de quem sonha mais
alto. Fez parte de inúmeros espectáculos de dança, teatro e recitais de Música Antiga em território nacional e estrangeiro. É através do piano que tem vindo a consolidar a sua obra embora, nos últimos anos, tenha resgatado um dos instrumentos mais mágicos e injustamente esquecidos. O cravo tem vindo assim a destacar-se nas suas apresentações, de onde se destaca a interpretação do repertório de Carlos Paredes como nunca o ouvira-mos antes.
Escutá-la é uma doce ruptura com o expectável em 2021; vê-la, neste contexto, significa estar a
assistir a um pedaço de história, agora, tornada viva e com novas formas de se sentir. NA

A lotação é limitada e o uso de máscara obrigatóri

Entrada: 8€
Bilhetes disponíveis online
Agenda
Exposições

"Gyres"

Galeria Zé dos Bois 16 Set a15 Nov

Ver mais eventos
Visitas
61,328,964
>