"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

Johnny Depp estreia-se no Instagram para partilhar com o mundo estes tempos difíceis

"É a minha primeira experiência nas redes sociais. Nunca tinha feito nada disto antes. Acho que nunca senti nenhuma razão particular para o fazer. Até agora", diz o ator em vídeo, no seu primeiro post.

Johnny Depp © Direitos reservados

Agora é o tempo de abrir um diálogo, devido à ameaça deste inimigo invisível que já causou tanta tragédia e danos na vida das pessoas", explica num vídeo de oito minutos, com luz escura e trémula.

A voz é pausada, dirige-se a todos aqueles "que possam estar aí fora" e faz-se ouvir agora por todos aqueles que estão em isolamento, com as vidas ameaçadas não só pela doença, mas pelo desemprego e a pobreza que a luta contra a pandemia está a causar.

O protagonista de Pirata das CaraíbasCharlie e a Fábrica de Chocolate e tantos outros filmes de Hollywood explica que a sua estreia nas redes sociais se prende com a necessidade de "nos ajudarmos uns aos outros nestes tempos escuros, por nós, pela comunidade, pelo mundo, pelo futuro".

Depois de anunciar a sua presença no Instagram, a partir de agora, para partilhar com os seus seguidores estes tempos de isolamento, Johnny Depp oferece-lhes uma versão sua e do seu amigo e guitarrista Jeff Beck de Isolation, música de John Lennon, gravada em 1970, para o seu primeiro álbum a solo depois dos Beatles.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

Uma publicação partilhada por Johnny Depp (@johnnydepp) a17 de Abr, 2020 às 7:21 PDT


A ideia é que a canção de Lennon, cujas "poéticas palavras" são para Depp "proféticas", seja uma mensagem de esperança e ajude as pessoas a ultrapassar estes tempos difíceis.

A conta criada há dois dias por Johnny Depp já vai nos 2,9 milhões de seguidores e a canção já foi ouvida por mais de 1,5 milhões de pessoas.

Antes de se despedir com um "vemo-nos por aí, fiquem bem", o ator lembrou o que dizia aos filhos quando estes se queixavam, aborrecidos, de que não tinham nada que fazer: "Não estão autorizados a estar aborrecidos. Leiam, aprendam, inventem, toquem um instrumento, fabriquem um instrumento, façam uma música".

É isso que pede a todos que façam: não desistir, deixar que este tempo de isolamento seja uma lição. "Temos a responsabilidade de enfrentar estes tempos com novas estratégias. Criar alguma coisa hoje que seja útil amanhã, para nós e para os outros. Fazer qualquer coisa que acreditemos que possa iluminar o dia de outras pessoas". Foi isso o que ele fez. E parece ter dado resultado.

 


in Diário de Notícias | 18 de abril de 2020
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Jornal Diário de Notícias

Visitas
52,991,022
>