"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Destaques

Anne Teresa De Keersmaeker vence Prémio Europeu Helena Vaz da Silva 2021

Anne Teresa De Keersmaeker, coreógrafa de Dança Contemporânea belga, criadora da companhia Rosas e uma das grandes referências europeias da Dança Contemporânea, venceu a edição deste ano do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural.

© Johan Jacobs


Este reconhecimento presta homenagem à contribuição excecional de Anne Teresa De Keersmaeker para a divulgação da cultura e dos valores europeus através da dança.

O Prémio Europeu Helena Vaz da Silva, instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património que o CNC representa em Portugal, e o Clube Português de Imprensa, distingue contribuições excecionais para a proteção e divulgação do património cultural e dos ideais europeus. Conta com o apoio do Ministério da Cultura, da Fundação Calouste Gulbenkian e do Turismo de Portugal.

O Júri do Prémio concedeu também um Reconhecimento Especial a Antonia Arslan,prolífica escritora e académica italiana de origem arménia, pelo seu importante contributo para a defesa do Património Cultural europeu - tangível e intangível - através da Literatura e para a defesa dos Direitos Humanos e Culturais, nomeadamente os das mulheres escritoras.

A cerimónia de atribuição do Prémio terá lugar no dia 8 de novembro na Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa.

Reagindo à notícia, Anne Teresa De Keersmaeker afirmou: “Quero agradecer ao Júri ter-me escolhido para o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva. A honra é toda minha e evidencia as profundas dívidas que acumulei para com o panorama cultural europeu em geral e para com Lisboa e Portugal em particular. Estes sentimentos de endividamento são perfeitamente resumidos nesta citação de Auden: ‘The dance's pattern, dance while you can / Dance, dance, for the figure is easy / The tune is catching and will not stop / Dance till the stars come down from the rafters / Dance, dance, dance till you drop’.”

O Júri do Prémio declarou: “A contribuição de Anne Teresa De Keersmaeker para a celebração do Património Cultural europeu é múltipla: em primeiro lugar, porque ela é uma intérprete aclamada das tradições da dança europeia; depois, porque a maioria das suas performances é inspirada e leva à cena na Europa; por último, porque a escolha de Bruxelas para a sede da sua companhia de dança é amplamente influenciado pelo caráter europeu e multicultural da cidade. Para muitos apreciadores de ballet e de dança, De Keersmaeker tornou-se, sem dúvida, um ícone da cena cultural europeia, inspirando-se fortemente no património e nas tradições musicais da Europa, tendo conseguido difundir este vocabulário autêntico da dança na América e na Ásia”.

O Júri, presidido por Maria Calado, Presidente do Centro Nacional de Cultura, é composto por especialistas independentes nos campos da Cultura, do Património e da Comunicação de vários países europeus: Francisco Pinto Balsemão, Presidente do Conselho de Administração do Grupo Impresa (Portugal),  Guilherme d’Oliveira Martins, Fundação Calouste Gulbenkian (Portugal), Irina Subotic, Presidente da Europa Nostra (Servia), João David Nunes, Vice-Presidente do Clube Português de Imprensa (Portugal), Marianne Roald Ytterdal, Membro do Conselho da Europa Nostra (Noruega), e Piet Jaspaert, Vice-Presidente da Europa Nostra (Bélgica). 

Em 1980, depois de ter estudado dança na Escola Mudra (de Maurice Béjart), em Bruxelas, e na Tisch de Nova Iorque, Anne Teresa De Keersmaeker (n. 1960) criou Asch, o seu primeiro trabalho coreográfico. Dois anos depois, estreou Fase, Four Movements to the Music of Steve Reich. Em 1983, De Keersmaeker estabeleceu a companhia de dança Rosas e criou o espetáculo Rosas danst Rosas. Desde a criação destas obras inovadoras, as suas coreografias assentam numa rigorosa e prolífica exploração da relação entre dança e música. Com a companhia Rosas, construiu um vasto conjunto de espetáculos que abordam estruturas musicais e partituras de todas as épocas, da música antiga à contemporânea, passando por expressões populares. A sua linguagem e prática coreográficas são inspiradas em geometria e em modelos matemáticos, no estudo do mundo natural e em estruturas sociais, abrindo perspetivas únicas para o desdobramento do corpo no espaço e no tempo. As suas mais recentes criações assentam nos Concertos de Brandenbrugo de J.S. Bach e num solo baseado nas Variações Goldberg do mesmo compositor. Em 2020, criou uma nova coreografia para o musical West Side Story, na Broadway, e começou a trabalhar na peça Dark Red, uma série de coreografias pensadas para o espaço de um museu.

Entre 1992 e 2007, a companhia Rosas foi residente do Teatro La Monnaie/De Munt, em Bruxelas. Nesse período, De Keersmaeker dirigiu diversas óperas e outras peças que desde então integram o reportório de companhias de dança do mundo inteiro. Em 1995, estabeleceu a escola P.A.R.T.S. (Performing Arts Research and Training Studios) em Bruxelas, em associação com o Teatro La Monnaie/De Munt.

Anne Teresa De Keersmaeker recebeu numerosos títulos honorários e condecorações: recebeu o título de Baronesa do Rei da Bélgica, em 1996, e foi condecorada com a Ordem das Artes e das Letras (França), em 2000. O seu trabalho foi também reconhecido com vários Prémios, tendo recebido a Medalha de Ouro da Cidade de Lisboa em 2012 e a medalha de Mérito Cultural concedida pelo Ministério da Cultura de Portugal em 2014. Recebeu ainda o Leão de Ouro pela sua carreira na Bienal de Veneza em 2015.

O Júri do Prémio decidiu também conceder um Reconhecimento Especial à escritora italiana de origem arménia Antonia Arslan. “Antonia Arslan tem sido uma defensora do Património Cultural da Europa - tangível e intangível - desde há quase 60 anos: promovendo a literatura europeia, defendendo as escritoras italianas e defendendo a cultura e a memória do povo arménio. Viajou pelo mundo proferindo conferências não só sobre as suas obras científicas ou os seus romances literários, nem apenas sobre as violações dos direitos humanos e culturais que afetaram o seu país de origem, a Arménia, mas também sobre as razões essenciais pelas quais a cultura da Europa deve ser defendida. Em resumo, Antonia Arslan tem falado e escrito para milhões de pessoas de todo o mundo sobre a importância do Património Cultural da Europa. O seu trabalho inspirador e empenhado tem tido um imenso impacto não só em Itália, mas também na Europa e em todo o mundo.”

Sobre o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva

O Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural recorda a jornalista portuguesa, escritora, ativista cultural e política (1939- 2002), e a sua notável contribuição para a divulgação do património cultural e dos ideais europeus. É atribuído anualmente a um cidadão europeu cuja carreira se tenha distinguido pela difusão, defesa, e promoção do património cultural da Europa, quer através de obras literárias e musicais, quer através de reportagens, artigos, crónicas, fotografias, cartoons, documentários, filmes de ficção e programas de rádio e/ou televisão.

O Prémio conta com os apoios do Ministério da Cultura, da Fundação Calouste Gulbenkian e do Turismo de Portugal.

O escritor italiano Claudio Magris foi o primeiro laureado do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva em 2013; o escritor turco e Prémio Nobel da Literatura Orhan Pamuk foi distinguido em 2014; o músico catalão Jordi Savall foi premiado em 2015; o cartoonista francês Jean Plantureux, conhecido como Plantu, e o ensaísta português Eduardo Lourenço venceram, ex aequo, a edição de 2016 do Prémio; em 2017, o cineasta Wim Wenders foi o vencedor;  em 2018 a vencedora foi a historiadora inglesa Bettany Hughes e, em 2019, a física de partículas italiana Fabiola Gianotti. José Tolentino Mendonça foi o vencedor da edição 2020.

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
60,103,069
>