"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Pedras no meio do caminho

XIX. Frei Dinis, Carlos e Joaninha

Em busca de fantasmas da nossa terra, não poderiam faltar num folhetim como este, os paradigmas que ansiamos encontrar. Foi Garrett quem nos deixou o melhor modelo de uma narrativa onde se encontram amores românticos, uma viagem e a defesa de um património único.

 

Eis a janela da menina dos rouxinóis, da Joaninha dos olhos verdes. “Entrámos a porta da antiga cidadela. – Que espantosa e desgraciosa confusão de entulhos, de pedras, de montes de terra e caliça! Não há ruas, não há caminhos: é um labirinto de ruínas feias e torpes. O nosso destino, a casa do nosso amigo, é ao pé da famosa e histórica Igreja de Santa Maria da Alcáçova. – Há de custar a achar em tanta confusão”…

Almeida Garrett deu-nos conta da falta de cuidado em que encontrou na histórica cidade de Santarém, quando foi ao encontro de seu amigo Passos Manuel. Falava-nos de “pardieiros e entulhos”, que hoje felizmente deram lugar a uma cidade cuidada e limpa. E assim apelava para que não se deixasse ao abandono um legado histórico sagrado. Mas o grande mestre romântico faz o contraste entre as pedras que encontrou decaídas, a honradez das pedras vivas e a formosura do panorama e da paisagem. Nós falamos de pedras no meio do caminho.

“Nunca dormi tão regalado sono em minha vida. Acordei no outro dia ao repicar incessante e apressurado dos sinos da Alcáçova. Saltei da cama, fui à janela, e dei com o mais belo, o mais grandioso e, ao mesmo tempo, mais ameno quadro em que ainda pus os meus olhos”. Infelizmente, hoje, há secura. Mas então eram o “vale aprazível e sereno” e “o sossegado leito do Tejo, cuja areia ruiva e resplandecente apenas se cobre de água junto às margens, donde se debruçam, verdes e frescos ainda, os salgueiros que as ornam e defendem”… A seca prolongada deixa-nos hoje severas preocupações, mas aquele glorioso momento foi mais forte que tudo, em nome de uma memória histórica inesquecível.

Que é o património senão vida vivida? Pedro Canavarro é o nosso anfitrião inigualável, sempre a guardar a presença silenciosa de Garrett e de Passos num roteiro da democracia no rico Ribatejo – desde as Cortes de Santarém de 1331, que ilustram a democracia na formação de Portugal e a aclamação em 1580 de D. António Prior do Crato até D. Pedro IV em vésperas de Évora-Monte, sem esquecer Sá da Bandeira, Alexandre Herculano, Rebelo da Silva, Oliveira Marreca, Anselmo Braancamp Freire, António Ginestal Machado, José Relvas, Humberto Delgado, Salgueiro Maia…

Para as escolas tem de haver a determinação em criar para os mais jovens o gosto do estudo rigoroso, o culto e o interesse pelo património – seja o monumento antigo, seja a paisagem ou o jardim, seja o cuidado com o uso da língua materna, seja o trabalho do artesão, seja a qualidade na tradição culinária. Temos de cuidar do património – prevenindo-nos contra o descuido, delineando e estudando caminhos que nos permitam conhecer, recordar, alertar e salvaguardar. E eis que o mistério de Frei Dinis se nos revela na paternidade de Carlos. E o cenário da guerra civil lembra-nos o confronto entre a tradição e a modernidade, pleno de incompreensões.

Joaninha, a menina dos rouxinóis e dos olhos verdes, simboliza a visão do Portugal profundo e antigo, que valoriza as raízes históricas. Francisca, a avó de Joaninha, mostra-nos como o tempo andou depressa demais, longe da compreensão das mudanças. Frei Dinis ficou-se no tempo passado e irreal não sendo capaz de justificar-se sem uma revisão de valores e de perspetivas. A morte de Joaninha e a fuga de Carlos para tornar-se barão, representa a própria crise de valores em que o apego à materialidade e ao imediatismo acaba por fechar um ciclo de mutações de caráter incerto e instável. Eis um romance puro de fantasmas. Carlos deambula sonâmbulo, o exemplo de Joaninha é a referência inesquecível e Frei Dinis esconde-se da história.

Agostinho de Morais







 

Folhetim de Verão
Zero – Intróito


1 de agosto
Um encontro inverosímil
2 de agosto
Uma reação inusitada
3 de agosto
Um outro fantasma
4 de agosto
A voz do velho coronel
5 de agosto
Um outro conselheiro
6 de agosto
O país chorando génio…
7 de agosto
Aparece o Zé Povinho…
8 de agosto
O Morgado das Perdizes…

9 de agosto
O pau de marmeleiro…
10 de agosto
Calisto Elói de Barbuda…
11 de agosto
Ainda a queda de um anjo…
12 de agosto
De súbito, a ilha de Malta…
13 de agosto
Viagens num velho mapa…
     14 de agosto
     Os Tigres de Mompracem

     15 de agosto
     Relendo a “Peregrinação”

     16 de agosto
     Sempre Fernão Mendes Pinto

     17 de agosto
     Alecrim e Manjerona

     18 de agosto
     Um vaqueiro simpático




Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Visitas
69,375,570